Internacionalização da Educação Superior como indicador do Sinaes: de qual qualidade estamos falando?

José Vieira de Sousa

Resumo


O processo da internacionalização tem ganhado centralidade nos debates sobre a qualidade das instituições de educação superior (IES), tornando-se elemento indispensável ao crescimento científico e cultural entre países das várias regiões do mundo. Como integrador das dimensões internacional, intercultural e global às atividades próprias das IES – ensino, pesquisa e extensão –, esse processo configura-se, cada vez mais, como uma forma de induzir a qualidade, razão pela qual, ao invés de acontecer espontaneamente, precisa ser estimulado por políticas institucionais. Partindo dessas premissas, o objetivo do artigo é investigar as estratégias de internacionalização adotadas por um conjunto de cinco universidades federais apontadas nos indicadores de qualidade do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), instituído pela Lei nº 10.861/2014, entre as doze melhores IES do Brasil, no ano de 2014. No ámbito do Sinaes, o indicador relativo à internacionalização faz parte do eixo de avaliação do Desenvolvimento Institucional da IES, propondo-se a verificar a coerência entre o seu Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e as políticas institucionais, no caso deste trabalho, das cinco universidades selecionadas e sua interface com a política do Sinaes. A reflexão proposta considera, por um lado, a complexidade que envolve o conceito de internacionalização associado à educação superior e as estratégias adotadas pelas IES e, por outro, que a internacionalização demanda a formulação e avaliação de metas sintonizadas, dentre outros, com as exigências da globalização articuladas às diferentes formas de sua participação no processo.


Palavras-chave


Educação Superior. Internacionalização. Qualidade. Sinaes.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTBACH, P. G. The costs and benefits of world-class universities. International Higher Education, n. 33, 2004.

BELLONI, I.; BELLONI, J. A. Questões e Propostas para uma Avaliação institucional formativa. In: FREITAS, L. C. (Org.). Avaliação de escolas e universidades. Campinas, SP: Komedi. 2003. p. 9-34.

BERTOLIN, J. C. G. Avaliação da qualidade do sistema de educação superior brasileiro em tempos de mercantilização – período 1994-2003. 2007. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

BERTOLIN, J. C. G. Uma proposta de indicadores de desempenho para a educação superior brasileira. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 22, n. 50, p. 471-490, set.-dez. 2011.

BRASIL. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 15 abr. 2004.

BRASIL. Portaria nº 11, de 28 de abril de 2003a. Institui a Comissão Especial de Avaliação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, 30 abr. 2003. n. 82, Seção 2, p. 19.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 19, de 17 de maio de 2003b. Designa membros para Comissão Especial de Avaliação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 28 maio 2003, n. 101, Seção 2, p. 11.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria Normativa do MEC nº 12, de 5 de setembro de 2008. Institui o Índice Geral de Cursos da Instituição de Educação Superior (IGC). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 08 set. 2008, n. 173, Seção 1, p. 13.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 92, de 31 de janeiro de 2014. Aprova, em extrato, os indicadores do Instrumento de Avaliação Institucional Externa para os atos de credenciamento, recredenciamento e transformação de organização acadêmica, modalidade presencial, do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 04 fev. 2014, seção 1, p. 5.

CUNHA, M. I. O Sistema Nacional de Avaliação da Educação

Superior (SINAES): a autoavaliação como condição

emancipatória. In: CUNHA, M. I. (Org.). Formatos avaliativos

e concepção de docência. Campinas, SP: Autores Associados,

p. 201-214.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação e transformações da

educação superior brasileira (1995-2009): do provão ao

SINAES. Avaliação, Campinas, SP, v. 15, n. 1, p. 195-224,

mar. 2010.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. 3. ed. Brasília:

Liber, 2008.

FRANCO, M. L. P. B. Qualidade e garantia de qualidade:

acreditação da educação superior. In: ROTHEN, J. C.;

BARREYRO, G. B. (Org.). Avaliação da educação: diferentes

abordagens críticas. São Paulo: Xamã, 2011. p. 17-41.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Educacionais Anísio Teixeira . SINAES – Sistema

Nacional de Avaliação da Educação Superior: da concepção à

regulamentação, 5. ed., ampliada. Brasília: INEP, 2009.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Educacionais Anísio Teixeira . Diretoria de

Avaliação de Educação Superior. Coordenação-Geral de

Avaliação de Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior. Nota Técnica nº 14 /2014. Assunto: Instrumento

de Avaliação Institucional Externa do Sistema Nacional de

Avaliação da Educação Superior (SINAES). Disponível em:

institucional/nota_tecnica/2014/nota_tecnica_n14_2014.pdf>.

Acesso em: 24 set. 2017.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Educacionais Anísio Teixeira . Censo da educação

superior 2016. Divulgação 31 ago. 2017. Disponível

em:

documentos/2016/censo_superior_tabelas.pdf>. Acesso em 14

out. 2017.

KNIGHT, J. Updated internationalization definition. International

Higher Education. Boston, 2003. v. 33.

KNIGHT, J. Un modelo de interacción: respuesta a nuevas

realidades y retos. In: WIT, Hans de et al. (Ed.). Educación

Superior en América Latina: la dimensión internacional.

Colômbia: Mayol, 2005. p. 11-42.

KNIGHT, J. Cinco verdades sobre internacionalização. International

Higher Education. Center for International Higher

Education, n. 69, out. 2012. Edição brasileira (Revista Ensino

Superior Unicamp) publicada mediante acordo de cooperação

entre Unicamp e Boston College.

LAUS, S. P.; MOROSINI, M. C. Internacionalización de la

Educación Superior en Brasil. In: DE WIT, H.; JARAMILLO,

J. G-A; KNIGHT, J. (Ed.). Educación Superior en America

Latina: la dimensión internacional. Bogota: Banco Mundial,

LEITE, D. Ameaças pós-rankings sobrevivência das CPAs e da

autoavaliação. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 13, n. 3,

p. 833-840, nov. 2008.

LIMA, M. C.; MARANHÃO, C. M. S. A. O sistema de

educação superior mundial: entre a internacionalização ativa

e passiva. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 14, n. 3,

p. 583-610, nov. 2009.

MOROSINI, M. C. Qualidade da educação universitária:

isomorfismo, diversidade e equidade. Interface. Fundação UNI

Botucatu, UNESP, v. 5, n. 9, p. 89-102, 2001.

MOROSINI, M. C. Qualidade da educação superior e contextos

emergentes. Avaliação, Campinas, Sorocaba, v. 19, n. 2, p. 385-

, jul. 2014.

PEIXOTO, M. C. L. Avaliação institucional externa no Sinaes:

considerações sobre a prática recente. Avaliação, Campinas;

Sorocaba, SP, v. 16, n. 1, p. 11-36, mar. 2011.

RAMPAZZ O, L. Metodologia científica para alunos dos

cursos de graduação e pós-graduação. São Paulo: Loyola,

RISTOFF, D. I. Avaliação institucional: pensando princípios.

In: BALZAN, N. C.; DIAS SOBRINHO, J. Avaliação

institucional: teoria e experiências. 4. ed. São Paulo: Cortez,

p. 15-36.

SALMI, J. The challenge of establishing world-class

universities. World Bank Publications, 2009.

SOUSA, J. V. Qualidade na educação superior: lugar e sentido

na relação público-privado. Caderno Cedes, Campinas, v. 29,

n. 78, p. 242-256, maio-ago. 2009.

SOUSA, J. V. Avaliação e regulação na educação superior brasileira: concepção, natureza e finalidades. In: CUNHA, C.; SOUSA, J. V.; SILVA, M. A. Universidade e Educação Básica: políticas e articulações possíveis. Brasília: Líber Editora; Faculdade de Educação/UnB, 2012.

SOUSA, J. V. Educação superior no Distrito Federal: consensos, conflitos e transformações na configuração de um campo. Brasília: Liber Livros, 2013.

SOUSA, J. V. Educação superior: evolução, organização e cenários. In: ROCHA, M. Z. B.; PIMENTEL, N. M. (Org.). Organização da educação brasileira: marcos contemporâneos. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2016. p. 349-388.

STEGER, M. B. A globalização: compreender. Vila Nova de Famalicão, Portugal: Edições Quasi, 2003.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO AMERICANA. Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI 2013-2017. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO AMERICANA. Relato Institucional 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO AMERICANA. Relatório de Autoavaliação Institucional 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Plano de Desenvolvimento Institucional 2013-2017. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Relato Institucional 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 de out. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Relatório de Autoavaliação Institucional CPA/UFMG. 2015. Disponível em:

pdf>. Acesso em: 19 out. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Plano de Desenvolvimento Institucional 2010 a 2014. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Relatório

de Autoavaliação Institucional da UFSC – Exercício

de 2014. Disponível em:

RELAT%C3%93RIO-CPA-2014.pdf>. Acesso em: 18 out. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO. Plano de Desenvolvimento Institucional 2011-2015 – Revisado (2014). Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO. Relato Institucional. 2016. Disponível em: . Acesso em 18 out. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO. Relatório final de autoavaliação institucional 2014 [2015]. Disponível em: . Acesso em 22 out. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Plano de Desenvolvimento Institucional 2011-2015. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Relatório de Autoavaliação da UFRGS 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2017.

WORTHEN, B. R.; SANDERS, J. R.; FITZPATRICK, J. L. Avaliação de programas: concepções e práticas. São Paulo: Gente; Edusp; Instituto Fonte; Instituto Ayrton Senna, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2017.3.28979




Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.




Educação

e-ISSN 1981-2582
ISSN-L 0101-465X


Avaliação do Qualis CAPES - 2014 
ÁREA CAPES - Educação
CLASSIFICAÇÃO - A2

E-mail: reveduc@pucrs.br



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras.

Disponibilidade para depósito: Azul

 

Copyright: © 2006-2017 EDIPUCRS