Os graus do reconhecimento social: a crítica de um conceito chave a partir de G. W. F. Hegel

Hans-Georg Flickinger

Resumo


O artigo vê no idealismo alemão, predominante na filosofia na transição entre os séculos 18 e 19, mais precisamente na filosofia de Hegel, as bases para o estabelecimento do reconhecimento social como fundamento ético da ordem social liberal, de indivíduos livres, mas interdependentes. O autor procura mostrar como sucessivamente, nos escritos de Frankfurt (O espírito do cristianismo e seu destino), de Jena (Fenomenologia do Espírito) e Berlim (Filosofia do Direito), foram realizadas etapas deste projeto teórico. Ao culminar com uma ética juridificada, onde os direitos legalmente aceitos restringem o alcance das expectativas legítimas, o reconhecimento social fica reduzido à formalidade. Possibilidades alternativas de reconhecimento social como a reciprocidade subjacente ao perdão esboçada na Fenomenologia do Espírito ficaram excluídas. Para o autor, a recuperação desta utopia contida na argumentação de Hegel poderia tornar-se uma base de crítica ou, melhor ainda, como idéia regulativa para uma concepção ética, capaz de vencer o princípio da ética liberal vigente. Ela teria na instância do perdão o fulcro de reumanização de uma sociedade que hoje se vê comprometida apenas com o respeito de regras jurídicas da ordem social, sem ter que se preocupar com os efeitos objetivos daí emergentes. Palavras-chave: Hegel; Idealismo alemão; Racionalismo; Reconhecimento social; Liberalismo

Palavras-chave


Hegel; Idealismo alemão; Racionalismo; Reconhecimento social; Liberalismo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2008.1.4323

Direitos autorais 2016 Civitas - Revista de Ciências Sociais

ISSN-L: 1519-6089  -  e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais

....................................................................................................................................................................................................

Este periódico é membro do Cope (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

Copyright: © 2006-2019 Edipucrs