O juiz e o compartilhamento do mundo da vida

Marcelo Rubin Lima

Resumo


Neste artigo, o conceito de compartilhamento do mundo da vida de Alfred Schütz é utilizado para analisar a ação do juiz frente às inovações e novidades que os atores sociais em conflito trazem aos tribunais. Este é um problema que se apresenta para os juízes que se dedicam às causas ambientais, visto que as tradições do passado não podem ser reproduzidas por serem nocivas ao meio ambiente. O magistrado dirige suas palavras na sentença em direção aos nossos sucessores, às gerações futuras anônimas e indeterminadas. Estes aspectos foram trabalhados com apoio de entrevistas em profundidade e análises de textos jurídicos para estudar o caso do Quilombo da Família Silva, o primeiro quilombo urbano do Brasil. Constatamos que entre as capacidades de um juiz ambiental está a faculdade de autorizar o surgimento da inovação de que as novas gerações são portadoras. Desta forma ele consegue interromper uma tradição e iniciar uma nova cadeia de causa e efeito na sociedade.


Palavras-chave


Fenomenologia. Juiz. Quilombo. Inovação.

Texto completo:

PDF

Referências


BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 2011.

D’ALLONNES, Myrian. Le pouvoir des commencements: essai sur l’autorité. Paris: Seuil, 2006.

FREITAS, Décio. Palmares, a guerra dos escravos. Porto Alegre: Movimento, 1973.

LEAL JÚNIOR, Cândido. Inventário da jurisdição ambiental em Porto Alegre: primeiros dias da vara federal ambiental, agrária e residual. Revista CEJ, v. 10, n. 33, p. 22-29, 2006.

LEAL JÚNIOR, Cândido. O projeto socioambiental da Justiça Federal da 4ª região. Revista CEJ, v. 16, n. 58, p. 88-99, 2012.

LEITE, Ilka Boaventura. O projeto político quilombola: desafios, conquistas e impasses atuais. Estudos Feministas, v. 16, n. 3, p. 965-997, 2008 <10.1590/S0104-026X2008000300015>.

LIMA, Marcelo. A justiça e a cidade: o juiz nas lutas pela ocupação do espaço urbano de Porto Alegre. 2017. Porto Alegre, 2017. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

LOPES, Nei. Bantos, malês e identidade negra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1988.

SANTOS, Hermílio. Ação, relevância e interpretação subjetiva. studos de Sociologia, v. 1, n. 18, 2012.

SANTOS, Simone Ritta dos. Comunidades quilombolas: as lutas por reconhecimento de direitos na esfera pública brasileira. Porto Alegre, 2012. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

SCHÜTZ, Alfred. La construcción significativa del mundo social: introducción a la sociología comprensiva. Barcelona: Paidós, 1993.

SCHÜTZ, Alfred; WAGNER, Helmut (orgs.). Fenomenologia e relações sociais. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

SCHÜTZ, Alfred. The problem of transcendental intersubjectivity in Husserl. In: Collected papers III: Studies in phenomenological philosophy. The Hague: Martinus Nijhoff, 1975. p. 51-91.

TELLIER, Frédéric. Alfred Schutz et le projet d’une sociologie phénoménologique. Paris: PUF, 2003.

TESSLER, Marga Inge Barth. O juiz e a tutela ambiental: a fundamentação das sentenças. Revista CEJ, v. 12, n. 41, p. 4-10, 2008.

TESSLER, Marga Inge Barth. O juiz e a tutela jurisdicional do meio ambiente. Novos Estudos Jurídicos, v. 8, n. 2, p. 355-369, 2003 <10.14210/nej.v8n2.p355-370>.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2017.3.27313

Direitos autorais 2017 Civitas - Revista de Ciências Sociais

ISSN-L: 1519-6089  -  e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais

....................................................................................................................................................................................................

Este periódico é membro do Cope (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

Copyright: © 2006-2020 Edipucrs