Hannah Arendt: o mal banal e o julgar

  • Sônia Maria Schio UuFPel
Palavras-chave: Kant. Arendt. Mmal. Pensamento. Julgamento.

Resumo

Hannah Arendt escreveu que o “mal banal” origina-se da incapacidade do indivíduo para pensar. Porém, pode-se perguntar se o mal não pode se originar da falta de julgamento. Oou seja, o indivíduo comete atos maus porque não averigua os dados, não os avalia. Eem tal hipótese, o “mal banal” ocorre devido à ausência do “juízo reflexionante” (ou reflexivo) e da “mentalidade alargada” kantianos, resolvendo muitas das lacunas que o mal derivado do pensamento possui, como a que exige distinguir o raciocínio do pensamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sônia Maria Schio, UuFPel
docente da UuFPel.
Publicado
2011-04-30
Como Citar
Schio, S. M. (2011). Hannah Arendt: o mal banal e o julgar. Veritas (Porto Alegre), 56(1). https://doi.org/10.15448/1984-6746.2011.1.9297