Instante ou duração? Problematizando e dissolvendo o paradoxo do tempo a partir da querela entre Bachelard e Bergson

Palavras-chave: Bergson. Bachelard. Tempo/Matéria. Instante. Duração.

Resumo

Se, para Gaston Bachelard, a realidade do tempo se reduz ao instante presente, circundado por dois nadas (o passado e o futuro), para Henri Bergson, que se encontra em uma posição diametralmente oposta à de Bachelard, o tempo é um contínuo, uma duração ininterrupta. Mais do que isso, para Bergson, a única dimensão real do tempo é o passado, que se prolonga no presente e abre as portas para o futuro, ou seja, para o novo, para a novidade. Pois bem, tomando por base a querela que se estabeleceu entre esses dois pensadores acerca do tempo (somado a algumas outras contribuições), o presente artigo pretende mostrar como é possível dissolver o paradoxo do tempo a partir do aprofundamento de sua relação com a matéria. Relação essa que sempre foi feita na história da filosofia, e mesmo na ciência (em função de se associar o tempo ao movimento das coisas), mas nunca por se levar em conta que o enigma do tempo (afinal, tal como Agostinho, sabemos e não sabemos o que é o tempo) depende também da decifração do que é a própria matéria, sempre considerada algo de menor valor por uma metafísica dualista que ainda domina subterraneamente o pensamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regina Schöpke, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ
Doutora em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP, Campinas, SP, Brasil) e professora adjunta do curso de graduação e pós-graduação em Filosofia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

BACHELARD, Gaston. A dialética da duração. São Paulo: Ática, 1988.

BACHELARD, Gaston. A intuição do instante. Campinas: Verus, 2007.

BACHELARD, Gaston. O novo espírito científico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2000.

BERGSON, Henri. Duração e simultaneidade. São Paulo: Martins Fontes, 2006a.

BERGSON, Henri. A evolução criadora. São Paulo: Unesp, 2010.

BERGSON, Henri. Matéria e memória. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BERGSON, Henri. O pensamento e o movente. São Paulo: Martins Fontes, 2006b.

DAVIES, Paul. O enigma do tempo. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999.

DELEUZE, Gilles. Bergsonismo. São Paulo. Editora 34, 1999.

DELEUZE, Gilles. Mil Platôs (Volume 3). São Paulo. Editora 34, 1996.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Rio de Janeiro. Edições Graal, 1988.

GLEISER, Marcelo. A dança do universo: dos mitos da criação ao big-bang. São

Paulo: Companhia das Letras, 2006.

GUYAU, Jean-Marie. A gênese da ideia de tempo e outros escritos. São Paulo: Martins Fontes - Selo Martins, 2010.

HEIDEGGER, Martin. Ser y tiempo. Madri: Trotta, 2003.

JANKÉLÉVITCH, Vladimir. Deux philosophes de la vie (Bergson, Guyau) in Revue Philosophique, tomo 97, pp. 402-449, 1924.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra. São Paulo: Círculo do Livro, SD.

PRIGOGINE, Ilya; STENGERS, Isabelle. Entre o tempo e a eternidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

SCHÖPKE, Regina. Dicionário Filosófico: Conceitos fundamentais. São Paulo: Martins Fontes – Selo Martins, 2010.

SCHÖPKE, Regina. Matéria em movimento: A ilusão do tempo e o eterno retorno. São Paulo: Martins Fontes – Selo Martins, 2009.

Publicado
2020-05-15
Como Citar
Schöpke, R. (2020). Instante ou duração? Problematizando e dissolvendo o paradoxo do tempo a partir da querela entre Bachelard e Bergson. Veritas (Porto Alegre), 65(1), e36055. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2020.1.36055