Canguilhem: saúde, doença e norma

Palavras-chave: Canguilhem. Filosofia da saúde. Vital e social. Norma.

Resumo

A relação entre o vital e o social no pensamento de Georges Canguilhem envolve uma específica reestruturação filosófica, por ele empreendida em O normal e patológico, realizando um deslocamento teórico em face das análises quantitativas da saúde quanto, ao mesmo tempo, construindo uma problemática própria a respeito da normação, fazendo com que o vital seja pensado, inexoravelmente, como a imbricação do biológico com o social, acarretando, ainda, um reposicionamento político, crítico, no que tange à consideração sobre saúde e doença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alysson Leandro Mascaro, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP
Professor da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP, São Paulo, SP, Brasil). Doutor e Livre-Docente em Filosofia e Teoria Geral do Direito pela USP.

Referências

ALMEIDA, Fábio F. de. Georges Canguilhem: vitalismo e filosofia biológica. In: ALMEIDA, Fábio F. de; SALOMON, Marlon (org.). De Bergson a Rancière: pensar a filosofia francesa do século XX. Goiânia: Ricochete, 2017.

ALMEIDA, Tiago Santos. Canguilhem e a gênese do possível: estudo sobre a historicização das ciências. São Paulo: LiberArs, 2018.

ALTHUSSER, Louis. Sobre a reprodução. Petrópolis: Vozes, 2008.

BERNARD, Claude. Introduction à l’étude de la médecine expérimentale. Paris: Flammarion, 2010.

CAMOLEZI, Marcos. Sobre o conceito de invenção em Gilbert Simondon. Scientiae Studia, São Paulo, v.13, n. 2, 2015. https://doi.org/10.1590/S1678-31662015000200010.

CANGUILHEM, George. Vida. Veritas, Porto Alegre, v. 60, n. 2, 2015. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2015.2.22005.

CANGUILHEM, Georges. La pensée de René Leriche. In: CANGUILHEM, Georges. OEuvres complètes: Résistance, philosophie biologique et histoire des sciences (1940-1965). Paris: Vrin, 2015. t. 4.

CANGUILHEM, Georges. Le fascisme et les paysans. In: CANGUILHEM, Georges. OEuvres complètes: Écrits philosophiques et politiques (1926-1939). Paris: Vrin, 2011. t. 1.

CANGUILHEM, Georges. Ideologia e racionalidade nas ciências da vida. Lisboa: Edições 70, 1977.

CANGUILHEM, Georges. O conhecimento da vida. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

CARRION, Rejane. A ideologia médico-social no sistema de A. Comte. Porto Alegre: IFCH-UFRGS, 1977.

COELHO, Maria Thereza Ávila Dantas; ALMEIDA FILHO, Naomar de. Análise do conceito de saúde a partir da epistemologia de Canguilhem e Foucault. In: GOLDENBERG, P.; MARSIGLIA, R. M. G.; GOMES, M. H. A. (org.). O clássico e o novo: tendências, objetos e abordagens em ciências sociais e saúde. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2003.

COELHO, Ruy. Indivíduo e sociedade na teoria de Auguste Comte. São Paulo: Perspectiva e CESA, 2005.

CZERESNIA, Dina. Categoria vida: reflexões para uma nova biologia. São Paulo: Ed. Unesp; Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012.

DELAPORTE, François. Foucault, Canguilhem et les monstres. In: BRAUNSTEIN, Jean-François (org.). Canguilhem: histoire des sciences et politique du vivant. Paris : PUF, 2007. https://doi.org/10.3917/puf.braun.2007.01.0091.

DUTRA, Luiz Henrique de Araújo. Claude Bernard, o vitalismo e o materialismo. In: RUSSO, Marisa; CAPONI, Sandra (org.). Estudos de filosofia e história das ciências biomédicas. São Paulo: Discurso Editorial, 2006.

ELDEN, Stuart. Canguilhem. Medford: Polity Press, 2019.

GIROUX, Élodie. Après Canguilhem: definir la santé et la maladie. Paris: PUF, 2010. https://doi.org/10.3917/puf.girou.2010.01.

HACKING, Ian. Canguilhem parmi les cyborgs. In: BRAUNSTEIN, Jean-François (org.). Canguilhem: histoire des sciences et politique du vivant. Paris: PUF, 2007. https://doi.org/10.3917/puf.braun.2007.01.0113.

LABREA, Vanessa Nicola; MADARASZ, Norman Roland. Organismo e função reguladora: determinações do vivo em Georges Canguilhem. Veritas, Porto Alegre, v. 60, n. 2, 2015. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2015.2.21869.

LE BLANC, Guillaume. Le pluralisme des valeurs de la science chez Canguilhem. In: CASSOU-NOGUES, P.; GILLOT, P. (org.). Le concept, le sujet et la science: Cavaillès, Canguilhem, Foucault. Paris: Vrin, 2011.

LE BLANC, Guillaume. Canguilhem y las normas. Buenos Aires: Nueva Visión, 2004.

LECOURT, Dominique. Normas. In: RUSSO, Marisa; CAPONI, Sandra (org.). Estudos de filosofia e história das ciências biomédicas. São Paulo: Discurso Editorial, 2006.

LECOURT, Dominique. Georges Canguilhem. Paris: PUF, 2008.

LERICHE, René. L’idée de l’Homme dans la thérapeutiquz. In: CLARKE, Robert (org.). René Leriche ou l’humanisme en chirurgie. Paris: Seghers, 1962.

MACHEREY, Pierre. Georges Canguilhem, um estilo de pensamento. Goiânia: Almeida & Clément, 2010.

MASCARO, Alysson Leandro. Crise e golpe. São Paulo: Boitempo, 2018.

MASCARO, Alysson Leandro. Estado e forma política. São Paulo: Boitempo, 2013.

MASCARO, Alysson Leandro. Introdução ao estudo do direito. São Paulo: GEN-Atlas, 2019.

MOREIRA, Adriana Belmonte. Clínica e resistência: contribuições da racionalidade vitalista de Canguilhem ao campo da saúde. São Paulo: Scientiae Studia, 2019.

PORTOCARRERO, Vera. As ciências da vida: de Canguilhem a Foucault. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2009. https://doi.org/10.7476/9788575414101.

SAFATLE, Vladimir. O que é uma normatividade vital? Saúde e doença a partir de Georges Canguilhem. Scientiae Studia. São Paulo, v. 9, n. 1, 2011.

SAFATLE, Vladimir. Uma certa latitude: Georges Canguilhem, biopolítica e vida como errância. Scientiae Studia. São Paulo, v. 13, n. 2, 2015. https://doi.org/10.1590/S1678-31662015000200005.

SIMONDON, Gilbert. El modo de existencia de los objetos técnicos. Buenos Aires: Prometeo, 2013.

VAGELLI, Matteo. Canguilhem e le ideologie storiografiche. In: LUPI, Fiorenza; PILOTTO, Stefano (org.). Infrangere le norme. Vita, scienza e tecnica nel pensiero di Georges Canguilhem. Milão: Mimesis, 2019.

Publicado
2020-05-15
Como Citar
Mascaro, A. L. (2020). Canguilhem: saúde, doença e norma. Veritas (Porto Alegre), 65(1), e35902. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2020.1.35902
Seção
Moral & Political Philosophy