Memes políticos e dessubjetivação: o ocaso da phoné na política contemporânea brasileira

Palavras-chave: Memes. Semiologia. Dispositivo. Dessubjetivação.

Resumo

Analisando a comunicação memética a partir dos pontos de vista da semiologia saussuriana e do dispositivo biopolítico tal como pensado por Foucault e Agamben, bem como estabelecendo conexões entre essas teorias e o uso desse tipo de comunicação na política brasileira contemporânea, foi possível perceber neste artigo que os memes, em especial os memes políticos, em vez de operarem por meio da subjetivação, operam como dispositivos dessubjetivantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Suelen Tossige Gomes, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Mestre e Doutoranda em Direito e Justiça pela Faculdade de Direito e Ciências do Estado da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com período de Doutorado Sanduíche na
Scuola Normale Superiore di Pisa (Itália). Bolsista da Capes. Autora do livro O direito no estado de exceção efetivo (Belo Horizonte, D’Plácido, 2017).

Andityas Soares de Moura Costa Matos, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Doutor em Direito e Justiça pela Faculdade de Direito e Ciências do Estado da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Pós-Doutor em Filosofia do Direito pela Universitat de Barcelona (Catalunya), com bolsa da Capes. Doutor em Filosofia pela Universidade de Coimbra (Portugal).
Professor Associado de Filosofia do Direito e disciplinas afins na Faculdade de Direito e Ciências do Estado da UFMG. Membro do Corpo Permanente do Programa de Pós-Graduação em Direito da Faculdade de Direito e Ciências do Estado da UFMG. Professor Visitante na Facultat de Dret
de la Universitat de Barcelona (Espanha) entre 2015 e 2016. Professor Residente no Instituto de Estudos Avançados Transdisciplinares – IEAT/UFMG entre 2017 e 2018.

Referências

AGAMBEN, G. A comunidade que vem. Tradução de António Guerreiro. Lisboa: Presença, 1993.

AGAMBEN, G. A imagem perversa: a semiologia do ponto de vista da Esfinge. In: AGAMBEN, G. Estâncias: a palavra e o fantasma na cultura ocidental. Tradução de Selvino José Assmann. Belo Horizonte: UFMG, 2007. p. 215-253.

AGAMBEN, G. Elogio dela profanazione. In: AGAMBEN, G. Profanazioni. Roma: Nottetempo, 2015. p. 109-120.

AGAMBEN, G. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

AGAMBEN, G. L’idea del linguaggio. In: AGAMBEN, G. La potenza del pensiero: saggi e conferenze. Vicenza: Neri Pozza, 2005a.

AGAMBEN, G. L’uso dei corpi. Vicenza: Neri Pozza, 2014.

AGAMBEN, G. O que é um dispositivo? Outra travessia, Florianópolis, n. 5, p. 9-16, 2005b.

AGAMBEN, G. Per un’ontologia e una politica del gesto. In:

AGAMBEN, G. et al. Giardino di studi filosofici. Macerata: Quodilibet, 2018. p. 1-7. E-book.

ARISTÓTELES. Poética. In: ARISTÓTELES. Tópicos. Tradução de Eudoro de Souza. São Paulo: Abril Cultural, 1973. p. 443-471.

BOLSONARO, E. It was a pleasure to meet STEVE BANNON, strategist in Donald Trump’s presidential campaign. We had a great conversation and we share the same worldview […]. Manhattan, 04 ago. 2018. Twitter: @BolsonaroSP. Disponível em: https://twitter.com/BolsonaroSP/status/1025718449425788929. Acesso em: 29 dez. 2018.

CASTRO, E. Introdução a Giorgio Agamben: uma arqueologia da potência. Tradução de Beatriz de Almeida Magalhães. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

CHIGNOLA, S. Sobre o dispositivo: Foucault, Agamben, Deleuze. Cadernos IHU Ideias, São Leopoldo, v. 12, n. 214, p. 3-18, 2014.

DAWKINS, R. The selfish gene. 2nd ed. Oxford: Oxford University, 1990. E-book.

DEBORD, G. A sociedade do espectáculo. Tradução de Francisco Alves e Afonso Monteiro. Lisboa: Edições Antipáticas, 2005.

DELEUZE, G. Pensée nomade (colloque “Nietzsche aujourd’hui?). [s. l.: s. n.], 2012. Disponível em: http://lesilencequiparle.unblog.fr/2012/09/17/pensee-nomade-

colloque-nietzsche-aujourdhui-gilles-deleuze/. Acesso em: 04 jan. 2019.

DERRIDA, J. Gramatologia. Tradução de Miriam Schnaiderman e Renato Janini Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 1973.

ESPOSITO, R. Due: la macchina della teologia politica e il posto del pensiero. Torino: Piccola Biblioteca Einaudi, 2013. Kindle Edition. https://doi.org/10.14746/prt.2015.3.10

FOUCAULT, M. Le jeu de Michel Foucault. In: FOUCAULT, M. Dits et écritsIII: 1976-1979. Paris: Gallimard, 1994. p. 298-329. https://doi.org/10.4000/books.enseditions.1238

FRIGO, R. G. Memes políticos do Facebook. [s. l.: s. n.], 2017. Disponível em:https://memespoliticosdofacebook.wordpress.com/. Acesso em: 29 dez. 2018.

FRIGO, R. G. Política, memes e o facebook no Brasil: em busca da ciberdemocracia. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

https://doi.org/10.1590/s0104-71831997000200019

GLEASON, B. Adolescents becoming feminist on Twitter: new literacies practices, commitments, and identity work. Journal of Adolescent & Adult Literacy, Newark, v. 6, n. 3, p. 281-289, 2018. https://doi.org/10.1002/jaal.889

HEGEL, G. W. F. Lezioni di estetica. Tradução de Paolo D’Angelo. Bari: Laterza, 2000.

HERÁCLITO. Fragmentos (sobre a natureza). Tradução de José Cavalcante de Souza. In: SOUZA, J. C. Os pré-socráticos: fragmentos, doxografia e comentários. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1978. p. 87-101.

HERMES, A. L. F. Para além do claustro, um pensamento da diferença: Jacques Derrida e a desconstrução da metafísica da presença. Sapere Aude, Belo Horizonte, v. 4, n. 7, p. 224-244, 2013.

MATOS, A. S. M. C. Filosofia radical e utopias da inapropriabilidade: uma aposta an-árquica na multidão. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015. https://doi.org/10.4000/books.sdh.550

MATOS, A. S. M. C. Streaming subjectivation: two questions and one thesis about Netflix. Philosophy Kitchen: Rivista di Filosofia Contemporanea, Torino, v. 5, n. 9, p. 87-98, 2018.ORWELL , G. 1984. Tradução de Wilson Velloso. 29. ed. São Paulo: Companhia

Editora Nacional, 2005.

PASQUINI, P. 90% dos eleitores de Bolsonaro acreditaram em fake news, diz estudo. Folha de São Paulo, São Paulo, 02 nov. 2018. Disponível em: https:// www1.folha.uol.com.br/poder/2018/11/90-dos-eleitores-de-bolsonaro-acreditaram-em-fake-news-diz-estudo.shtml. Acesso em: 29 dez. 2018. https://doi.org/10.11606/t.5.2009.tde-25022010-154540

PASQUINI, P. Estudo diz que 90% dos eleitores de Bolsonaro acreditaram em fake news. Valor Econômico, São Paulo, 02 nov. 2018. Disponível em: https://www.valor.com.br/politica/5965577/estudo-diz-que-90-dos-eleitores-de-bolsonaro-acreditaram-em-fake-news. Acesso em: 29 dez. 2018.

https://doi.org/10.11606/t.5.2009.tde-25022010-154540

REVEL, J. Dispositif. In: REVEL, J. Dictionnaire Foucault. Paris: Ellipses, 2008. p. 41-42.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. Tradução de Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 2006.

SAUSSURE, F. Écrits de linguistique générale. Paris: Gallimard, 2002. https://doi.org/10.2307/3685711

SCHFMAN, L. Memes in digital culture. Cambridge: MIT, 2014. https://doi.org/10.7551/mitpress/9429.001.0001

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Gomes, A. S. T., & Matos, A. S. de M. C. (2019). Memes políticos e dessubjetivação: o ocaso da phoné na política contemporânea brasileira. Veritas (Porto Alegre), 64(3), e34035. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2019.3.34035