O Crepúsculo da Realidade e a Ironia Melancólica do Sucesso Brilhante e Duradouro: Reflexões sobre os Interpretantes Emocionais e Lógicos nos Modos peircianos de Fixação das Crenças

  • Ivo Assad Ibri Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Palavras-chave: Peirce, crenças pragmáticas, interpretantes, dialogia semiótica

Resumo

A Fixação da Crença (1877) é, provavelmente, um dos mais famosos ensaios entre todos publicados por Charles S. Peirce (1839-1914) em sua vida. Neste ensaio, Peirce propôs quatro métodos segundo os quais as crenças humanas podem se tornar fixas, a saber, tenacidade, autoridade, a priori e científica. Todavia, considero que a riqueza e originalidade deste ensaio ainda não foram suficientemente exploradas, principalmente quando fazemos uso dos conceitos e vocabulário da Semiótica para uma análise mais profunda das consequências pragmáticas desses métodos de fixação. Assim, algumas das questões seguintes podem ser formuladas: quais modos de cognição ou, em outras palavras, quais interpretantes lógicos estão ligados a essas crenças? Que tipo de conjecturas sobre os interpretantes emocionais pode ser proposto, levando em conta sua possível consideração pela psicanálise? Que tipo de ação cada uma suscita, a partir de seu lado externo que permite inferir a natureza geral da respectiva crença com seu lado interno? Essas questões, supostamente, abririam um novo e interessante nível especulativo para entender os quatro tipos de crença e, consequentemente, dos hábitos associados a cada um deles. Para lidar com essas questões, pretendo utilizar o conceito de dialogia semiótica como um processo que oferece continuidade para formas lógicas gerais capazes de comunicação e crescimento. Será ressaltado que, quando essa continuidade for bloqueada ou truncada, as crenças dogmáticas, então, surgirão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

IBRI, Ivo A. Choices, dogmatisms and bets: justifying Peirce’s realism. In: Veritas, PUCRS, v. 57, n. 2, p.51-61, 2012.

______. The ontology of action in Peirce’s philosophy. In: The status of thought in honorem professor Ivan Mladenov. Elka Traykova, Paul Cobley, Miryana Yanakieva, Raya Kuncheva, Andrey Tashev (Eds.). [s.l], Sofia Publishind Center, 2015.

KANT, Immanuel. The Metaphysics of Morals. Cambridge University Press; Edited by Mary J. Gregor, 2nd edition, 1996.

PEIRCE, Charles S. The essential Peirce: selected philosophical writings. Edited by Nathan Houser and Christian Kloesel. Bloomington: Indiana University Press, c1992. V. 1 [Citado EP, seguido do número do volume e do número da página].

______. The essential Peirce: selected philosophical writings. The Peirce Edition Project (Ed.). Bloomington: Indiana University Press, 1998. V. 2 [Citado EP, seguido do número do volume e do número da página].

______. Writings of Charles Sanders Peirce: a chronological edition. The Peirce Edition Project (Ed.). Bloomington: Indiana University Press, 1982-2010. 8 V. [Citado W, seguido do número do volume e do número da página].

______. Collected Papers of Charles Sanders Peirce. Edited by Charles Hartshorne, Paul Weiss, and Arthur W. Burks. Cambridge, Massachusetts, Harvard University Press, 1931-35 e 1958, 8vols. [Citado CP, seguido do número do volume e do número do parágrafo].

Publicado
2018-12-31
Como Citar
Ibri, I. A. (2018). O Crepúsculo da Realidade e a Ironia Melancólica do Sucesso Brilhante e Duradouro: Reflexões sobre os Interpretantes Emocionais e Lógicos nos Modos peircianos de Fixação das Crenças. Veritas (Porto Alegre), 63(3), 921-932. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2018.3.30293