A virtude da “mulher adúltera”: Ibn Gabirol e a dignidade da matéria

  • Cecilia Cintra Cavaleiro de Macedo Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Ibn Gabirol, matéria, unidade, multiplicidade, continuidade.

Resumo

Podemos dizer que a predominância da forma sobre a matéria - ontologicamente, em hierarquia e em dignidade - no pensamento medieval é quase unânime. Na maior parte das propostas medievais de compatibilização entre filosofia e religião, a matéria sensível foi vista como bastarda (já que sua origem raramente é explicitada), como fonte da imperfeição, da carência e da falha, e, por vezes, associada diretamente ao mal e ao pecado. A imagem da matéria como mulher pecadora de origem duvidosa está já presente em Ibn Sina e passa a Maimônides que, comparando-a à adúltera, afirma que, apesar de manter um vínculo marital com uma forma, não cessa de mover-se, buscando constantemente outra forma para substituí-la. Pelas particularidades de sua doutrina, Ibn Gabirol não teve problemas ao abordar essa questão, inclusive quanto a indicar a origem da matéria – tema evitado pela maioria dos filósofos - mas não sem despertar fortes críticas de seus leitores contemporâneos e ao longo especificamente em relação à matéria, levantamos aqui as seguintes: 1) matéria não é corpo; 2) a matéria inteligível não é essencialmente distinta da matéria sensível; 3) a matéria não é a fonte da diversidade e da multiplicidade; 4) a matéria provém diretamente da Essência de Deus. Portanto, ainda que Ibn Gabirol mantenha as qualidades que, por outros filósofos, foram entendidas como sendo o caráter volúvel dessa mulher – ou seja, o fato de que ela está sempre apta a receber muitas formas – nada há que desabone sua conduta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARISTÓTELES, Metafísica. Trad. Marcelo Perine da versão italiana de Giovanni Reale. São Paulo, Loyola, 2001.

AVENCEBROLIS (Ibn Gabirol) Fons Vitae, ex Arabico in Latinum translatum ab Iohanne Hispano et Dominico Gundissalino; ex codicis Parisinis, Amploniano, Columbino primum edidit Clemens Baeumker, Münster: Aschendorff, 1895.

FACKENHEIM, Emil L. (transl.). “A Treatise on Love by Ibn Sina”. Mediaeval Studies 7 (1) p. 208-228 (1945).

MAIMONIDES, Guide for the Perplexed, Translated from the original Arabic text by M. Friedlander. 2nd. Edition. New York: Dover Publications, 1956.

PINES, Shlomo. "Fragments of the Arabic Original of Fons Vitae in Moses Ibn Ezra's Work 'Arugat Habbosem" (Hebrew). Tarbiz, 27 (1957/58), p. 218-33.

Publicado
2018-04-23
Como Citar
de Macedo, C. C. C. (2018). A virtude da “mulher adúltera”: Ibn Gabirol e a dignidade da matéria. Veritas (Porto Alegre), 63(1), 9-25. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2018.1.29653
Seção
Dossiê - Filosofia Judaica