Tempo e História em Santo Agostinho

  • José NICOLAO Julião UFRRJ
Palavras-chave: providência, tempo, história, progresso, salvação

Resumo

O objetivo principal deste ensaio é o de apresentar como se constituiu um modelo teológico da filosofia da história em Santo Agostinho que tem a Providência divina como o seu princípio de determinação, o tempo linear sucessivo como a sua forma de desenvolvimento e a salvação como a sua finalidade. Para o proposto, focamos nossa análise em A Cidade de Deus, especialmente, nos livros de XI a XXII e nas Confissões, no livro XI, acerca do tempo. Apresentamos a seguinte estratégia expositiva em nossa interpretação: 1°, analisamos o entendimento que Agostinho tem do conceito de tempo, como sentido interno na alma e sucessivo em sua relação com a eternidade, exposto no livro XI das Confissões, para melhor, compreendermos a ideia de tempo linear progressivo projetada em A Cidade de Deus como fio condutor da história humana; 2°, nós interpretamos a distinção estabelecida pelo autor na origem, entre duas cidades, a de Deus e a terrena, enfatizando que há uma tensão entre ambas, entre o bem e o mal, em decorrência do livre-arbítrio humano, que faz com que história se desenvolva. 3º, por fim, consideramos o processo de desenvolvimento e os fins das duas cidades, narrada na perspectiva bíblica da ação dos grandes patriarcas em suas relações de obediência e desobediência a Deus, ligando à história progressiva da salvação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José NICOLAO Julião, UFRRJ
DOURTOR EM FILOSOFIA(UNICAMP), MESTRE EM FILOSOFIA (UFRJ), GRADUADO EM FILOSOFIA (UFRJ), PROFESSOR DE FILOSOFIA DA UFRRJ, ICHS-DLCS

Referências

AGOSTINHO, Santo. A Cidade de Deus: contra os pagãos. 9. ed. Tradução de Oscar Paes Leme. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2006.

______. Confissões. 11. ed. Trad. de J. Oliveira Santos e A. Ambrósio de Pina. Porto: Livraria Apostolado da Imprensa, 1984.

______. Sobre o Gênesis, contra os Maniqueus. In: Comentário ao Gênesis. Trad. de Agustinho Belmonte. São Paulo: Paulus, 2005. p. 499-591 (Coleção Patrística, n. 21).

______. A Trindade. 2ª ed. Trad. Agustinho Belmonte. Rev. Nair de Assis Oliveira e H. Dalbosco. São Paulo: Paulus, 1995.

______. Oevres Complètes. Bar-le-Duc. Traduites pour la première fois, sous la direction de M. Poujoulat et de M. l'abbé Raulx, Bar-le-Duc, 1864-1872. In:

http://www.abbaye-saint-benoit.ch/saints/augustin/

ARISTÓTELES. The Complete Works of Aristotle. Ed. Jonathan Barnes In 2 Vol., 6th printing. Princenton, New Jersey: Princeton University Press, 1995.

BIGNOTTO, N. O conflito das liberdades: Santo Agostinho. Síntese Nova fase. Belo Horizonte, v. 19, n. 58, 1992.

BITTNER, R. “Augustine’s Philosophy of History,” in G. B. Matthews (ed.), The Augustinian Tradition, Philosophical Traditions, [Berkeley: University of California Press, 1999.

BROWN, P. Augustine of Hippo: A Biography. Berkeley: University of California Press, 2000.

GILSON, É. Evolução da cidade de Deus. Traduzido do original, les Metamorphoses de la Cite de Dieu, por João Camilo de Oliveira Torres. São Paulo: Herder, 1965.

______. Introdução ao Estudo de Santo Agostinho. Trad. Cristiane N. Abbud Ayoud. São Paulo: Ed. Paulus e Discurso Editorial, 2007.

LÖWITH, K. O sentido da história. Trad. De Maria Georgiana Segurado. Lisboa: Edições 70, 1990.

______. Histoire et salut. Les pressuposés theologiques de la philosophie de l’histoire. Trad. de Marie-Christine Challiol-Gillet, Sylvie Hurstel, Jean-François Kevérgan, Paris, Gallimard, 2002.

RICOEUR, P. Tempo e Narrativa. Tomo I. Trad. Constança Marcondes César. Campinas, SP: Papirus, 1994.

SABINE, G.. San Agustín. In Historia de la teoria politica. Madrid: Fundo de Cultura Econômica, 1988.

Publicado
2018-10-05
Como Citar
Julião, J. N. (2018). Tempo e História em Santo Agostinho. Veritas (Porto Alegre), 63(2), 408-435. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2018.2.28569