A Conversão da Consciência como princípio da moralidade

  • Konrad Utz Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Aristóteles, amizade, Kant, normatividade, moralidade

Resumo

Kant mostra que uma teoria fundamental da normatividade e da moralidade não pode dar nem uma explanação nem uma prova da normatividade, mas apenas pode articular e explicitar sua origem. Ela pode fazer isso indicando o lugar ou o topos e a virada ou a trope de seu originar. Conforme Kant, o topos da normatividade é a vontade enquanto razão prática e sua trope é o uso geral desta razão que tipicamente é instrumental, no sentido da reflexão. A trope da origem da moralidade é a autonomia, i.e., a virada da razão prática sobre si mesma, tornando-se pura neste ato. Nisso, a razão prática estabelece sua própria forma como lei para si mesma, na forma do imperativo categórico. Em consequência disso, a ética fundamental serve duas funções (quando for bem sucedida): formalmente, ela fornece evidência da originalidade e autenticidade da moralidade; materialmente, ela fornece um princípio criteriológico para o conteúdo da moralidade. O artigo argumenta que Kant estava certo em sua visão da fundamentação da ética, mas estava errado com relação à maneira como ele tentou cumprir as exigências estabelecidas. O topos da normatividade e, em consequência disso, da moralidade, não pode ser a razão, mas precisa ser a consciência ou, mais exatamente, o saber de se (atual); e sua trope fundamental não pode ser reflexão e, depois, autonomia, mas precisa ser o que pode ser descrito como conversão da consciência. Essa conversão pode ser identificada com o philein no sentido de Aristóteles. Este “amar amigável” tem quatro aspectos diferentes: desejo, cognição, benevolência e reconhecimento. Quando este philein for recíproco e estiver continuamente vivido, nasce a philia, a amizade (no sentido amplo de Aristóteles). Essa é descrita, consequentemente, como o topos da origem de normatividade e moralidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Konrad Utz, Universidade Federal do Ceará
Konrad Utz possui mestrado em Teologia Católica - Universität Tübingen (1993) e doutorado em Filosofia - Universität Tübingen (1997). Atualmente é Professor Associado da Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Idealismo Alemão, atuando principalmente nos seguintes temas: dialética, necessidade e acaso, amizade; Hegel (especialmente: Ciência da Lógica), Aristóteles (Filosofia Prática, teoria da amizade).

Referências

CASTAÑEDA, Hector-Neri. 'He': A study in the logic of self-consciousness. In: BROOK, Andrew; DeVIDI Richard C. (Eds.). Self-reference and Self-awareness. Amsterdam; Philadelphia: John Bejamins Publishing Company, 2001. p. 51-80.

COOPER, John. "Aristotle on the Forms of Friendship". Review of Metaphysics, 30 (1976), p. 619-648.

FRANK, Manfred. Ansichten der Subjektivität. Frankfurt a.M.: Suhrkamp, 2012.

KANT, Immanuel. Grundlegung zur Metaphysik der Sitten [1785]. In: ______.

Gesammelte Schriften. Berlin: Königlich Preußische Akademie der Wissenschaften, 1911. v. 4, p. 385-463.

KANT, Immanuel. Kritik der praktischen Vernunft [1788]. In: ______. Gesammelte Schriften. Berlin: Königlich Preußische Akademie der Wissenschaften, 1913. v. 5, p. 1-163.

LABERGE, Pierre. La définition de la volonté comme faculté d’agir selon la représentation des lois (GMS 412). In: HÖFFE, Ottfried. Kants Grundlegung zur Metaphysik der Sitten: Ein kooperativer Kommentar. 4. ed. Frankfurt a.M.: Klostermann, 2010. p. 83-96.

MOORE, George Edward. Principia Etica. Cambridge: Cambridge University Press, 1903.

SOLOKOWSKI, Robert. Phénoménologie de l’amitié. In: MERLE, J.-C.; SCHUMACHER, B.N. (Eds.). L’amitié. Paris, 2006. p. 115-135.

STEIGLEDER, Klaus. Kants Moralphilosophie: Die Selbstbezüglichkeit reiner praktischer Vernunft.Stuttgart. Weimar: Metzler, 2002.

UTZ, Konrad. Freundschaft. Eine philosophische Theorie. Paderborn: Schöningh, 2012.

UTZ, Konrad. Bewusstsein. Eine philosophische Theorie. Paderborn: Schöningh, 2015.

UTZ, Konrad. "Praktische Vernunft in der 'Grundlegung zur Metaphysik der Sitten'". Zeitschrift für philosophische Forschung, 69, 4 (2015), p. 474-501.

UTZ, Konrad. "Quid mihi? Zur Methode der Grundlegung der Ethik bei Kant". Deutsche Zeitschrift für Philosophie, 64, 2 (2016), p. 213-227.

Publicado
2017-01-05
Como Citar
Utz, K. (2017). A Conversão da Consciência como princípio da moralidade. Veritas (Porto Alegre), 61(3), 578-602. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2016.3.21114