O infinito pode ser estético?

  • André Brayner de Farias

Resumo


Na filosofia de Levinas, o conceito de infinito é, por excelência, uma categoria ética. O artigo investiga a possibilidade de pensar o infinito como categoria estética, elegendo, para tanto, dois textos particularmente significativos para a compreensão da evolução estética do pensamento levinasiano: La réalité et son ombre e Autrement qu’être ou au-delà de l’essence. A arte é analisada sob o ponto de vista da linguagem, sendo a crítica da ontologia o motivo fundamental do discurso ético e estético.
PALAVRAS-CHAVE – Infinito. Estética. Ética. Linguagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2007-08-30
Como Citar
Farias, A. B. de. (2007). O infinito pode ser estético?. Veritas (Porto Alegre), 52(2). https://doi.org/10.15448/1984-6746.2007.2.2072