As antinomias metaéticas entre cegos e não cegos e o problema do realismo moral

  • Léo Peruzzo Júnior PUCPR
Palavras-chave: Realismo moral. Antinomias Metaéticas. Não Cognitivismo. Cognitivismo Moral Pragmático.

Resumo

O presente artigo apresenta o cognitivismo moral pragmático como forma de superar as antinomias clássicas entre cegos e não-cegos e a (im)possibilidade de representação mental do conteúdo moral. Esta posição é sustentada a partir da reconstrução do debate metaético instaurado entre cognitivistas e não-cognitivistas, especialmente nas interpretações fornecidas pelo realismo moral de McDowell e pelo quase-realismo de Blackburn. Assim, o pressuposto comum a essas duas teorias metaéticas [cognitivismo e não-cognitivismo] pretende ser superado pelo cognitivismo pragmático, uma vez que suas falsas dicotomias partem da tese de que todo conhecimento moral é proposicional. Para sanar esse paradoxo, evitamos uma dicotomia radical entre fatos e valores, isto é, não há ações que podem ser valoradas extrinsecamente ao contexto do seu uso. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Léo Peruzzo Júnior, PUCPR

Doutor em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC.

Graduado e Mestre em Filosofia pela PUCPR.

Professor do PPGF em Filosofia da PUCPR e professor na FAE Centro Universitário.

Editor-Técnico da Revista de Filosofia Aurora.

Referências

AYER, Alfred. Are there objective values? In: Freedom and Morality and Other Essays. Oxford: Orxfor University Press, 1984.

BLACKBURN, Simon. Essays in Quasi-Realism. Oxford: Oxford University Press, 1993.

_______. Verdade: um guia para perplexos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

DALL´AGNOL, Darlei. Valor Intrínseco: metaética, ética normativa e ética prática em G.E. Moore. Florianópolis: UFSC, 2005.

DENNETT, Daniel. Consciousness Explained. Boston: Little, Brown and Company, 1991.

DIDEROT, Denis. Lettre sur les aveules à l´usage de ceux qui voient. Lettre sur les sourds et muets à l´usage de ceux qui entendent et qui parlent. Paris: Flammarion, 2000.

GIBBARD, Allan. Wise Choices, Apt Feelings. Oxford: Clarendon Press, 1990.

HUME, David. Investigações sobre o entendimento humano e os princípios da moral. São Paulo: UNESP, 2003.

LEWIS, Clarence I. Mind and the World Order. New York: Charles Scribners, 1956.

LOCKE, John. Ensaio sobre o entendimento humano. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1999.

LUCKHARDT, Carol G. Wittgenstein e il relativismo ético. In: ANDRONICO, Marilena; MARCONI, Diego; PENCO, Carlo. Capire Wittgenstein. Genova: Marietti, 1996.

MACKIE, John. Ethics: inventing right and wrong. London: Penguin Books, 1977.

_______. Hume´s moral theory. New York: Routledge, 1980.

_______. Problemas en torno a Locke. México: UNAM, 1988.

McDOWELL, John. Mente e Mundo. Aparecida, SP: Ideias & Letras, 2005.

_______. Mind, Value, and Reality. Cambridge and London: Harvard University Press, 2002;

MILLER, Alexander. An introduction to Contemporary Metaethics. Cambridge: Polity Press, 2003.

MOORE, Georg E. Principia Ethica. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

PERUZZO JÚNIOT, Léo. Wittgenstein: o interior numa concepção pragmática. Curitiba: Editora CRV, 2012.

PUTNAM, Hilary. A Tripla Corda: mente, corpo e mundo. Lisboa: Instituto Piaget, 1999, p. 35.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações Filosóficas. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

Publicado
2016-04-25
Como Citar
Peruzzo Júnior, L. (2016). As antinomias metaéticas entre cegos e não cegos e o problema do realismo moral. Veritas (Porto Alegre), 61(1), 62-74. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2016.1.20434
Seção
Ética Normativa, Metaética e Filosofia Política