O político e sua tópica: divisão e unidade – identidade e representação. Ou sobre a dupla forma de polarização do espaço público

  • João Carlos Brum Torres UCS e CNPq
Palavras-chave: Tópica. Identidade. Representação. Divisão. Unidade.

Resumo

O propósito do artigo é apresentar o conceito de ‘tópica política’ como o recurso teórico necessário para elucidação das determinações formais que estruturam as relações políticas em seu nível mais geral. A primeira seção do texto evoca os contextos doutrinários em que o conceito de tópica foi introduzido com intenções em alguma medida análogas às que animam o artigo, sendo brevemente considerados os usos do termo nas obras de Aristóteles, Kant e Freud. A segunda seção examina os conceitos de divisão e unidade, tratando de mostrar que as sociedades humanas são ao mesmo tempo necessariamente divididas e unificadas. Divididas na medida em que, como já mostrara Aristóteles e como o repetirá Tomás de Aquino, sendo a sociedade composta por uma multidão, o estatuto de sua unidade é necessariamente sui generis: ela não pode ser absolutamente una, pois, se o fosse, já não poderia ser uma cidade. Unificadas na medida em que as diferenças e distinções sociais, na medida em que adquirem caráter político, sobrevêm sempre dentro de uma sociedade, a unidade desta última tendo estatuto necessariamente reflexivo. A terceira seção introduz o exame dos conceitos de identidade e representação a partir da análise crítica da tese do jovem Marx de acordo com a qual a democracia é a verdade da monarquia mas a monarquia não é verdade da democracia. A seção prossegue com a retomada do exame destas noções a partir das análises de Carl Schmitt. A quarta e última seção do texto trata de explicitar os ganhos críticos, heurísticos e metapolíticos que a introdução do conceito de tópica na teoria política pode proporcionar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALEXANDER OF APHRODISIAS. On Aristotle Topics 1. New York: Bloomsbury Academics, 2014.

ARISTÓTELES. Política. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1985.

ARISTÓTELES. Tópicos. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa e Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2007.

BECKER, Carl L. The Declaration of Independence. New York: Random House – A Vintage Book, 1958.

CASTORIADIS, Cornelius. L’institution imaginaire de la société. Paris: Seuil, 1975.

HEGEL, G. W. F. “Linhas Fundamentais da Filosofia do Direito ou Direito Natural e Ciência do Estado no traçado fundamental”, O Estado, IFCH/UNICAMP, 1998.

______. Enciclopédia das Ciências Filosóficas em Compêndio. São Paulo: Loyola, 1995.

HOBBES, Thomas. Leviatã. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

HOBBES, Thomas. Do cidadão. [São Paulo]: Martins Fontes, 1992.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1989.

LEFORT, Claude; GAUCHET, Marcel. “Sur la démocratie: le politique et l’institution do social”, Textures, 2-3 (1971).

MARX, Karl. O Capital, L. III, in Oeuvres, Économie II, Paris: Gallimard, Bibliothèque de la Pléiade, 1968.

_____. A questão judaica, in Oeuvres III: Philosophie, Paris: Gallimard, Bibliothèque de la Pléiade, 1982.

_____. Crítica da filosofia do direito de Hegel, São Paulo: Boitempo Editorial, 2005.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto Comunista. São Paulo: Boitempo Editorial, 1998.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Resumés de Cours – 1952-1960. Paris: Gallimard, 1968.

MEYER, Pauline. American Scripture – Making the Declaration of Independence, New York: Alfred A. Knopf, 1997.

PUFENDORF, Samuel. Le droit de la nature et des gens, tradução de Jean Barbeyrac, edition de Bâle, 1732, publicada em fac simile pelo Centre de philosophie polítique et juridique de l’Université de Caen, France, 1987.

ROUSSEAU, J. J. O contrato social. Porto Alegre: L&PM, 2007.

_____. Obras, II. Porto Alegre: Editora Globo, 1962.

SCHMITT, Carl. Teoria da Constituição. Mexico, DF: Editora Nacional, 1981.

TOMAS DE AQUINO. Sententia libri Politicorum, Livro 2. Disponível em: <http://www.corpusthomisticum.org/cpo.html>.

TORRES, João Carlos Brum. “Actes fondateurs au domaine politique”, Les Cahiers de Fontenay, E.N.S. Fontenay/Saint-Cloud, 67-68 (septembre 1992).

Publicado
2015-05-13
Como Citar
Torres, J. C. B. (2015). O político e sua tópica: divisão e unidade – identidade e representação. Ou sobre a dupla forma de polarização do espaço público. Veritas (Porto Alegre), 60(1), 69-91. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2015.1.19712
Seção
Ética e Filosofia Política