Emoções e sentimentos: considerações sobre sua apropriação na abordagem dos dilemas morais

  • Ricardo Bins Napoli UFSM
  • Lauren Lacerda Nunes UFSM
Palavras-chave: Dilemas Morais. Sentimentos Morais. Emoções. Culpa. Arrependimento.

Resumo

Este trabalho objetiva apresentar razões para a apropriação das emoções e sentimentos na abordagem dos dilemas morais. Isso será feito em três etapas. Primeiramente, ele partirá da análise de Williams em seu artigo Ethical consistency, onde ele dá um primeiro passo no sentido de defender o papel de emoções como remorso e arrependimento, além da introdução da ideia do “resquício emocional” em dilemas morais, com a finalidade de mostrar a importância deste argumento para nossa perspectiva. Em um segundo momento, se reconstruirá a análise de Statman, porque sua sistematização do “argumento dos sentimentos” em favor dos dilemas morais mostrou que não. Em um terceiro momento, a análise se concentrará no artigo Sentiment and Value, de D’arms e Jacobson, que aborda questões prementes acerca da possibilidade de um sentimentalismo moral de base racional. Por fim, se tais abordagens o apelo aos “fatos morais” levam a uma possível justificação dos sentimentos de arrependimento, culpa ou remorso experienciados pelo agente em dilemas morais, então conclui-se que estes não devem ser desconsiderados em uma abordagem mais intuitiva e ampla da questão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brink, D, O. Moral Dilemmas and its Structure. The Philosophical Review, n. 2, 1994, p. 215-247.

Churchland, P. Braintrust. What neuroscience tells about morality. Princeton: Princeton University Press, 2011.

D'Arms J. JACOBSON, D. Sentiment and Value. Ethics. Vol. 110, n. 4, 2000, p. 722-748.

http://dx.doi.org/10.1086/233371

FOOT, P. Moral Dilemmas Revisited. In:_______. Moral Dilemmas. Oxford: Oxford University Press, p. 175-187, 2002.

http://dx.doi.org/10.1093/019925284X.001.0001

Gibbard, A. Wise choices, Apt Feelings. Cambridge: Harvard University Press, 1990.

Hume, D. Enquiry concerning Human Understanding and concerning the Principles of Morals. Oxford: Oxford Clarendon Press, 1975.

http://dx.doi.org/10.1093/actrade/9780198245353.book.1

McCdowell, J. Values and Secondary Qualities. In: Darwall, S; Gibbard, A.; Railton, P. (ed.). Moral Discourse and Practice. Oxford: Oxford University Press, 1997, p. 201-214.

Prinz, J. Beyond the Human Nature: how culture and experience shape the human mind. W. W. Norton & Company, 2012.

Statman, D. The Debate over the So-called Reality of Moral Dilemmas. Philosophical Papers, v. XIX, n. 3, 1990, p. 191-211.

http://dx.doi.org/10.1080/05568649009506337

Wiggins, D. A Sensible Subejectivism? In: Darwall, S; Gibbard, A.; Railton, P. (ed.). Moral Discourse and Practice. Oxford: Oxford University Press, 1997, p. 227-244.

Williams, B. Ethical Consistency. Proceedings of the Aristotelian Society, v. 39, p. 103-124, 1965.

Williams, B. Consistency and Realism. Proceedings of the Aristotelian Society, v. 40, p. 1-22, 1966.

Publicado
2015-05-13
Como Citar
Napoli, R. B., & Nunes, L. L. (2015). Emoções e sentimentos: considerações sobre sua apropriação na abordagem dos dilemas morais. Veritas (Porto Alegre), 60(1), 129-147. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2015.1.17096
Seção
Ética e Filosofia Política