Sobre o significado e a legitimidade transcendental dos conceitos de precisão, interesse, esperança e crença na filosofia kantiana

  • Joel Thiago Klein Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Precisão. Interesse. Esperança. Crença. Razão prática.

Resumo

Este trabalho apresenta uma interpretação abrangente e sistemática do significado e da legitimidade dos conceitos de precisão (Bedürfnis), interesse (Interesse), esperança (Hoffnung) e crença (Glaube) no interior da filosofia kantiana. A análise desses conceitos está diretamente vinculada à discussão acerca da natureza da razão prática pura, da legitimidade do conceito de sumo bem e da unidade arquitetônica da razão. Defende-se que tanto os conceitos de precisão e interesse, assim como os conceitos de crença e esperança possuem legitimidade transcendental e concordam com as bases da filosofia crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joel Thiago Klein, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Prof. Adjunto do Departamento de Filosofia da UFRN, com Doutorado pela Universidade Federal de Santa Catarina, com sanduíche na Humboldt Universität zu Berlin, possuindo publicações nacionais e internacionais.

Referências

BECK, Lewis W. A commentary on Kant’s Critique of practical reason. London/Chicago: University of Chicago Press, 1960.

GUYER, Paul. Kant on freedom, law, and happiness. Cambridge: University Press, 2000.

HAMM, Christian. O lugar sistemático do sumo bem em Kant. In: Studia Kantiana, 11 (2011), p. 41-55.

HENRICH, Dieter. The concept of moral insight and Kant’s doctrine of the fact of reason. Translated by Manfred Kuhen. In: VELKEY, Richard. (Ed.). The unity of reason. Essays on Kant’s philosophy. Dieter Henrich. London: Harvard University Press, 1994, p. 55-88.

KANT, Immanuel. Gesammelte Schriften. Hrsg.: Bd. 1-22 Preussische Akademie der Wissenschaften, Bd. 23 Deutsche Akademie der Wissenschaften zu Berlin, ab Bd. 24 Akademie der Wissenschaften zu Göttingen. Berlin 1900ff.

_____. A metafísica dos costumes. Trad. José Lamego. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2005.

_____. À paz perpétua. Trad. Artur Morão. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Lisboa: Edições 70, 2004.

_____. A religião nos limites da simples razão. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1992.

KANT, Immanuel. Antropologia de um ponto de vista pragmático. Trad. Clélia Aparecida Martins. São Paulo: Iluminuras, 2006.

_____. Crítica da faculdade do juízo. Trad. Valerio Rohden e António Marques. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

_____. Crítica da razão prática. Trad. Valerio Rohden. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

_____. Crítica da razão pura. Trad. da edição B de Valerio Rohden e Udo Baldur Moosburger. In: Kant I. São Paulo: Abril Cultural, 1980. (Col. Os Pensadores).

_____. Fundamentação da metafísica dos costumes. Trad. com introdução e notas por Guido Antônio de Almeida. São Paulo: Discurso Editorial; Barcarolla, 2009.

_____. Ideia de uma história universal com um propósito cosmopolita. Trad. Artur Morão. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Lisboa: Edições 70, 2004.

_____. Kritik der Urteilskraft. Hrsg. von Heiner Klemme, mit Sachanmerkungen von Piero Giordanetti. Hamburg: Felix Meiner, 2006.

_____. Lógica [Jäsche]. Trad. Guido Antônio de Almeida. 2. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1999.

_____. O conflito das faculdades. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1993.

_____. O que significa orientar-se no pensamento? Trad. Artur Morão. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Lisboa: Edições 70, 2004.

_____. Primeira introdução à Crítica do juízo. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho. In: Kant II. São Paulo: Abril Cultural, 1980. (Col. Os Pensadores).

_____. Progressos da metafísica. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1995.

_____. Sobre a expressão corrente: isso pode ser correto na teoria, mas nada vale na prática. Trad. Artur Morão. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Lisboa: Edições 70, 2004.

_____. Über den Gebrauch teleologischer Principien in der Philosophie. Bd. 8. Berlin: Preussische Akademie der Wissenschaften, 1900ff.

KLEIN, Joel Thiago. A história da razão pura: uma história filosofante da filosofia. In: ______. (Org.). Comentários às obras de Kant: crítica da razão pura. Florianópolis: NEFIPO, 2012, p. 779-814.

_____. Die Weltgeschichte im Kontext der Kritik der Urteilskraft. Kant-Studien, 104 (2013), p. 188-212.

KLEINGELD, Pauline. Kant on the unity of theoretical and practical reason. In: The Rewiew of Metaphysics, 52 (1998), p. 311-339.

LEBRUN, Gérard. Uma escatologia para a moral. In: TERRA, Ricardo (Org.). Idéia de uma história universal de um ponto de vista cosmopolita. São Paulo: Brasiliense, 1986, p. 75-101.

RITTER, Joachim; GRÜNDER, Karlfried; GABRIEL, Gottfried. Historisches Wörterbuch der Philosophie. Basel: Schwabe Verlag, 2007. (CD-ROM)

STEVENSON, Leslie. Opinion, belief or faith, and knowlegde. In: Kantian Review, 7 (2003), p. 72-101.

WILLASCHEK, Marcus. The primacy of practical reason and the idea of a practical postulate. In: REATH, Adrews; TIMMERMANN, Jens (Eds.). Kant’s critique of practical reason: a critical guide. Cambridge: Cambridge University Press, 2010, p. 168-196.

ZÖLLER, Günter. “Die Seele des Systems”: Systembegriff und Begriffsystem in Kants Transzendentalphilosophie. In: FULDA, Hans; STOLZENBERG, Jürgen (Hrgs.). Architektonik und System in der Philosophie Kants. Hamburg: Meiner, 2001, p. 53-72.

Publicado
2014-06-05
Como Citar
Klein, J. T. (2014). Sobre o significado e a legitimidade transcendental dos conceitos de precisão, interesse, esperança e crença na filosofia kantiana. Veritas (Porto Alegre), 59(1), 143-173. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2014.1.15920