O sonho da interpretação na arqueologia de Foucault

  • Tomás Mendonça da Silva Prado Universidade São Judas Tadeu (USJT) Secretaria de Pós-graduação Rua Taquari, 546, Bloco C, 2o andar Mooca, São Paulo, SP 03166-000 Tel: 2799-1999 R. 1642
Palavras-chave: Foucault. Arqueologia. Linguagem. Interpretação. Sonho.

Resumo

Este artigo procura demonstrar as bases no pensamento de Foucault que o levaram a elaborar o conceito de arqueologia e, além disso, busca reconhecer os seus limites. Para isso, procuramos apresentar as principais interlocuções teóricas do filósofo no início de suas investigações e as constatações que, mais tarde, geraram a necessidade de reelaborar tal conceito. Entre as conclusões deste estudo, destacamos a sugestão de que a concepção alegórica de linguagem sustentada naquele período é formalmente semelhante à estrutura do pensamento metafísico e, como tal, precisou ser abandonada por Foucault como tentativa de encontrar uma forma original de reflexão filosófica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tomás Mendonça da Silva Prado, Universidade São Judas Tadeu (USJT) Secretaria de Pós-graduação Rua Taquari, 546, Bloco C, 2o andar Mooca, São Paulo, SP 03166-000 Tel: 2799-1999 R. 1642

Professor efetivo de Filosofia na Universidade São Judas Tadeu, em São Paulo.

Área de estudos: filosofia contemporânea (fenomenologia, arqueologia, genealogia, filosofia política e estética)

Foi professor das faculdades IBMEC-Rio, Cândido Mendes e Pró-Saber.

Bacharel em Filosofia pela UFRJ. Mestre e Doutor em Filosofia pela PUC-Rio, com experiência de pesquisa sanduíche na Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne.

Referências

FOUCAULT, M. “A psicologia de 1850 a 1950”. In: Ditos e escritos, v. 1. Tradução de Vera Lucia Avelar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense universitária, 2010.

______. “Introdução (in Biswanger)”. In: Ditos e escritos, v. 1. Tradução de Vera Lucia Avelar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense universitária, 2010.

______. “Nietzsche, Freud, Marx”. In: Ditos e escritos, v. 2. Tradução de Elisa Monteiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

______. A arqueologia do saber. Tradução de L. F. B. Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

______. As palavras e as coisas. Tradução de S. T. Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

______. Introduction à l’anthropologie. Paris: VRIN, 2009.

FREUD, S. “A interpretação dos sonhos”. In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. V. Tradução de W. I. Oliveira. Rio de Janeiro: Imago, 1973.

______. “Simbolismo nos sonhos”. In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XV. Tradução de J. Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1973.

HEGEL, G. “Les introductions manuscrites”. In: Introduction à la philosophie de l’histoire. Tradução de M. Bienenstock e N. Waszek. Paris: Les livres de poche, 2011.

______. Fenomenologia do espírito. Tradução de P. Meneses. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

HEIDEGGER, M. A caminho da Linguagem. Tradução de M. S. C. Schuback. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Tradução de M. S. C. Schuback, Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

LACAN, J. “Função e campo da fala e da linguagem”, In: Escritos. Tradução de V. Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

______. O Seminário, livro 1 Os escritos técnicos de Freud. Tradução de Betty Milan. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

SAUSSURE, F., Curso de lingüística geral. São Paulo: Cultrix, 2006.

Publicado
2015-03-24
Como Citar
Prado, T. M. da S. (2015). O sonho da interpretação na arqueologia de Foucault. Veritas (Porto Alegre), 59(2), 339-360. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2014.2.14994