Karol Wojtyla e os níveis de sentido da regra de ouro

  • Sergio de Souza Salles Universidade Católica de Petrópolis
  • Carlos Frederico Gurgel Calvet da Silveira Universidade Católica de Petrópolis
Palavras-chave: Karol Wojtyla. Regra de ouro. Autorrealização. Participação. Autodoação.

Resumo

A regra de ouro, o princípio ético segundo o qual devemos fazer aos outros o que nós queremos que nos façam, é também conhecida na tradição cristã como regra de amor ao próximo. O objetivo do presente artigo é examinar a relação entre dois níveis de sentido da regra de ouro nas investigações filosóficas de Karol Wojtyla, anteriores ao seu pontificado. Uma vertente do atual debate sobre a regra de
ouro diz respeito às suas raízes antropológicas e ao seu sentido ético. A abordagem filosófica de Karol Wojtyla da regra de ouro perpassa tanto a investigação de suas raízes antropológicas quanto de suas exigências éticas. Com efeito, há um sentido pré-ético da regra de ouro em Karol Wojtyla, que está vinculado à sua abordagem fenomenológica da pessoa humana e da vida em comunidade. Nesse nível, a regra de
ouro é descrita a partir da lógica da autorrealização, que manifesta o valor personalista da ação humana. Por outro lado, há também um segundo sentido propriamente ético da regra de ouro, graças ao qual desenvolve sua perspectiva da doação de si como condição da
realização de si mesmo. Nessa perspectiva wojtyliana, o que torna uma regra moral áurea é a sua capacidade de integrar e complementar
a busca pela própria realização com a realização do outro mediante a doação de si mesmo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sergio de Souza Salles, Universidade Católica de Petrópolis
Doutor em Filosofia pela PUC-RJ; Coordenador Adjunto do Mestrado em Direito da UCP; Professor Adjunto da PUC-RJ.
Carlos Frederico Gurgel Calvet da Silveira, Universidade Católica de Petrópolis
Doutor em Filosofia pela Pontificia Università San Tommaso (Roma); Professor do Mestrado em Direito da UCP; Professor Adjunto da PUC-Rio.

Referências

AGUAS, J. J. S. “The notions of human person and human dignity in Aquinas and Wojtyla”. Kritike, 3 (2009), p. 40-60.

COLOSI, Peter. “The uniqueness of persons in the life and thought of Karol Wojtyla/Pope John Paul II, with emphasis on his indebtedness to Max Scheler”. In: MARDAS, Nancy (Org.). Karol Wojtyla’s philosophical legacy. Washington, DC: CRVP, 2008.

JOÃO PAULO II. Cruzando o limiar da esperança. Rio de Janeiro: Ephraim Ferreira Alves, 1994. 209p.

KALINOWSKI, Georges. “Edith Stein et Karol Wojtyla sur la personne”. Revue Pholosophique de Louvain, 82, 56 (1984), p. 545-561.

MODRAS, Ronald. “The moral philosophy of Pope John Paul II”. Theological Studies, 41, 1980, p. 683-697.

NEUSNER, J.; CHILTON, B. The Golden Rule: the ethics of reciprocity in world religions. London/New York: Continuum, 2008.

RIGOBELLO, Armando. “Il personalismo comunitario de ‘Esprit’”. Quaderno Filosófico, 8 (1983), p. 47-72.

SALLES, S. S.; OLIVEIRA, M. M.; SILVA, J. A. do N. “Lei natural e regra de ouro em Tomás de Aquino”. Aquinate, 15 (2011), p. 90-115.

SCHELER, Max. Formalism in Ethics and Non-Formal Ethics of Values: a new attempt toward the foundation of an ethical personalism. Illinois: Northwestern University Press, 1973.

SZOSTEK, Andrzej. “Karol Wojtyla’s view of the human person”. In: TISCHNEN, Jozef (Ed.). The philosophy of person: solidarity and cultural creativity. Washington, D.C.: CRVP, 1994. 186p.

WATTLES, Jeffrey. The Golden Rule. New York: Oxford University Press, 1996.

WOJTYLA, Karol. “Participation or alienation?”. Analecta Husserliana, 6 (1977), p.61-73.

______. “The person: subject and community”. The Review of Metaphysics, 33, 2 (1979), p. 273-308.

______. Persona y acción. Madrid: BAC de La Editorial Católica, 1982a. 350p.

______. Amor e Responsabilidade. São Paulo: Edições

Loyola, 1982b. 256p.

______. Max Scheler e a ética cristã. Curitiba: Editora Universitária Champagnat, 1993. 183p.

______. “La estructura general de la autodecisión”. In: Karol Wojtyla, El hombre y su destino. Espanha: Palabra, 1999. 256p.

______. Persona e atto. Milão: Bompiani, 2001. 765p.

______. Mi visión del hombre. Espanha: Palabra, 2005. 368p.

Publicado
2014-06-05
Como Citar
Salles, S. de S., & da Silveira, C. F. G. C. (2014). Karol Wojtyla e os níveis de sentido da regra de ouro. Veritas (Porto Alegre), 59(1), 194-213. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2014.1.11733