O argumento ontológico e o fim da Metafísica. Duas visões complementares: Kant e Hegel

  • Héctor Ferreiro Universidad Nacional de San Martín (UNSAM)

Resumo

A tese central da critica de Kant ao argumento ontológico é a tese que a existência não é um predicado real capaz de seja adicionado ao conceito de um objeto. O conceito do ser mais perfeito ou mais real é um conteúdo subjetivo que é como tal completamente determinadu. Portanto, saber se esse objeto também existe no mundo real é indispensável que o sujeito tem uma intuição de ele. A ausência de tal intuição é, de acordo com Kant, um obstáculo insuperável para as tentativas diferentes provar a existência de Deus. Embora Hegel concorda em princípio com a afirmação de Kant que existência não deve ser concebida como um predicado real, ele considera, no entanto, que entendê-la como a posição do conceito já exaustivamente determinadu do objeto não implica um superar verdadeiro da noção particular de existência que está na base do argumento ontológico. Neste artigo eu defendo a afirmação que a contracrítica de Hegel a crítica de Kant ao argumento ontológico é um radicalization da crítica geral de Kant a la metafísica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Héctor Ferreiro, Universidad Nacional de San Martín (UNSAM)
Doctor en Filosofía por la Humboldt-Universität zu Berlin. Profesor en la Universidad Nacional de San Martín (UNSAM), Buenos Aires, Argentina.
Publicado
2012-12-30
Como Citar
Ferreiro, H. (2012). O argumento ontológico e o fim da Metafísica. Duas visões complementares: Kant e Hegel. Veritas (Porto Alegre), 57(3), 99-120. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2012.3.10355
Seção
Dialética e Teoria Crítica