Método experimental e ensaios clínicos

Metassíntese de artigos de revisão publicados em português

Palavras-chave: delineamento experimental, ensaio clínico, métodos experimentais

Resumo

O método experimental (ME) envolve um conjunto de procedimentos que podem ser utilizados por várias ciências para responder questões de pesquisa, refutar ou corroborar hipóteses. No presente trabalho, conduzimos uma revisão sistemática de artigos de revisão publicados em português que tiveram como foco explicar o ME. Utilizamos as bases de dados SciELO e Google Acadêmico, sem restringir a data de publicação dos artigos. Incluímos 64 artigos após a aplicação dos critérios de elegibilidade. Por meio da análise de conteúdo, sintetizamos informações desses artigos que favorecem a condução de estudos experimentais e a avaliação crítica de seus métodos. Adicionalmente, apontamos lacunas como a carência de artigos sobre estatística aplicada ao ME e uso de técnicas qualitativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudio D. Rosa, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Ilhéus, Bahia, Brasil.

Mestre e doutorando em Desenvolvimento Regional e Meio ambiente pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em Ilhéus, BA, Brasil. Especialista em Treinamento personalizado pela Universidade Norte do Paraná (Unopar). Licenciado em Educação Física pela UESC.

Zenith Delabrida, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão, SE, Brasil.

Doutora em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações pela Universidade de Brasília (UnB), em Brasília, DF, Brasil; com pós-doutorado em Psicologia Ambiental pela Universidade de Surrey, Reino Unido; mestre em Psicologia pela UnB. Ex-Presidente da Associação Brasileira de Psicologia Ambiental e Relações Pessoa-ambiente (ABRAPA). Professora associada da Universidade Federal de Sergipe (UFS), em São Cristóvão, SE, Brasil.

Referências

Aguiar, A. B. de. (2017). Pesquisa experimental em contabilidade: Propósito, desenho e execução. Advances in Scientific and Applied Accounting, 10(2), 224-244.

Almeida, S. K. O. (2016). Razões para o desenvolvimento do método experimental na Ciência Política contemporânea. Revista Latinoamericana de Metología de Las Ciencias Sociales, 6(1), 1-21.

Andery, M. A. P. A. (2010). Métodos de pesquisa em Analise do Comportamento. Psicologia USP, 21(2), 313-342. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642010000200006

Azevedo, L. F., & Pereira, A. da C. (2009). Avaliação crítica e implementação prática de ensaios clínicos aleatorizados. Nascer e Crescer, 18(2), 106-119.

Benitez, P., Domeniconi, C., & Bondioli, R. M. (2019). Delineamento experimental em Análise do Comportamento: Discussão sobre o seu uso em intervenções educacionais inclusivas. Psicologia USP, 30, 1-10. https://doi.org/10.1590/0103-6564e190003

Bianchi, A. M., & Silva, G. A. da. (2001). Economistas de avental branco: Uma defesa do método experimental na economia. Revista de Economia Contemporânea, 5(2), 129-154.

Borges, M. (2013). Ensaios clínicos em medicamentos. Revista Portuguesa de Cirurgia, 24, 57-63.

Buehler, A. M., Cavalcanti, A. B., Suzumura, E. A., Carballo, M. T., & Berwanger, O. (2009). Como avaliar criticamente um ensaio clínico de alocação aleatória em terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 21(2), 219-225. https://doi.org/10.1590/s0103-507x2009000200016

Carpena, M. X., & Menezes, C. B. (2018). Efeito da meditação focada no estresse e mindfulness disposicional em universitários. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 34, 1-12. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.1590/0102.3772e3441

Carvalho, A. P. V. de, Silva, V., & Grande, A. J. (2013). Avaliação do risco de viés de ensaios clínicos randomizados pela ferramenta da Colaboração Cochrane. Diagnóstica & Tratamento, 18(1), 38-44.

César, A., Mota, A., & Azevedo, F. (2015a). Ensaios clínicos em dermatologia – parte I. Journal of the Portuguese Society of Dermatology and Venereology, 73(1), 29-36. https://doi.org/10.29021/spdv.73.1.341

César, A., Mota, A., & Azevedo, F. (2015b). Ensaios clínicos em dermatologia – parte II. Journal of the Portuguese Society of Dermatology and Venereology, 73(2), 185-192. https://doi.org/10.29021/spdv.73.2.364

Cipriani, A., Furukawa, T. A., Salanti, G., Chaimani, A., Atkinson, L. Z., Ogawa, Y., Leucht, S., Ruhe, H. G., Turner, E. H., Higgins, J. P. T., Egger, M., Takeshima, N., Hayasaka, Y., Imai, H., Shinohara, K., Tajika, A., Ioannidis, J. P. A., & Geddes, J. R. (2018). Comparative efficacy and acceptability of 21 antidepressant drugs for the acute treatment of adults with major depressive disorder: A systematic review and network meta-analysis. The Lancet, 391(10128), 1357-1366. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(17)32802-7

Coelho, S. M., & Nunes, A. D. (1992). Análise de um texto do século XVII, “A grande experiência de equilíbrio dos líquidos”, de Pascal: Aspectos do método experimental e reflexões didáticas. Revista Brasileira de Ensino de Física, 14(1), 24-28.

Coutinho, E. da S. F., Huf, G., & Bloch, K. V. (2003). Ensaios clínicos pragmáticos: uma opção na construção de evidências em saúde. Cadernos de Saúde Pública, 19(4), 1189-1193. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000400039

Cumming, G. (2014). The new statistics: Why and how. Psychological Science, 25(1), 7-29. https://doi.org/10.1177/0956797613504966

Dutra, H. S., & Reis, V. N. dos. (2016). Experimental and quasi-experimental study designs: Definitons and challenges in nursing research. Revista de Enfermagem UFPE On Line, 10(6), 2230-2241. https://doi.org/10.5205/reuol.9199-80250-1-SM1006201639

Dwyer, D. B., Falkai, P., & Koutsouleris, N. (2018). Machine learning approaches for Clinical Psychology and Psychiatry. Annual Review of Clinical Psychology, 14(1), 91-118. https://doi.org/https://doi.org/10.1146/annurev-clinpsy-032816-045037

Ferreira, P. L. (2009). Resultados reportados pelos doentes e a sua utilização em ensaios clínicos. Revista Portuguesa de Clínica Geral, 25(5), 552-559. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v25i5.10670

Finfgeld-Connett, D. (2014). Use of content analysis to conduct knowledge-building and theory-generating qualitative systematic reviews. Qualitative Research, 14(3), 341-352. https://doi.org/https://doi.org/10.1177/1468794113481790

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa (3rd ed.). Artmed.

Gehanno, J.-F., Rollin, L., & Darmoni, S. (2013). Is the coverage of google scholar enough to be used alone for systematic reviews. BMC Medical Informatics and Decision Making, 13(7). https://doi.org/10.1186/1472-6947-13-7

Gianini, R. J. (2007). Ensaios clínicos à luz da estatística. Revista Da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, 9(2), 19-21.

Guimarães, L. S. P., Hirakata, V. N., Camey, S. A., Nunes, L. N., & Mancuso, A. C. B. (2013). Os principais delineamentos na Epidemiologia – ensaios clínicos (parte II). Revista HCPA, 33(3/4), 295-302.

Hernandez, J. M. da C., Basso, K., & Brandão, M. M. (2014). Pesquisa experimental em marketing. Revista Brasileira de Marketing, 13(2), 98-117. https://doi.org/10.5585/remark.v13i2.2692

Homero Junior, P. F. (2016). Crítica metodológica e epistemológica de pesquisas contábeis experimentais publicadas no Brasil. Revista de Educação e Pesquisa Em Contabilidade, 10(2), 220-233. https://doi.org/https://doi.org/10.17524/repec.v10i2.1378

Instituto Brasileiro de Opinião e Estatística. (2012). 73% dos brasileiros não sabem ler textos em inglês. http://www.ibopeinteligencia.com/noticias-e-pesquisas/73-dos-brasileiros-nao-sabem-ler-textos-em-ingles/

Levitt, H. M., Bamberg, M., Creswell, J. W., Frost, D. M., & Suárez-orozco, C. (2018). Reporting Standards for Qualitative Primary, Qualitative Meta-Analytic, and Mixed Methods Research in Psychology: the APA Publications

and Communications Board Task Force Report. American Psychologist, 73(1), 26-46. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.1037/amp0000151

Miot, H. A. (2011). Tamanho da amostra em estudos clínicos e experimentais. J Vasc Bras, 10(4), 275-278.

Moher, D., Hopewell, S., Schulz, K. F., Montori, V., Gøtzsche, P. C., Devereaux, P. J., Elbourne, D., Egger, M., & Altman, D. G. (2010). CONSORT 2010 explanation and elaboration: Updated guidelines for reporting parallel group randomised trials. International Journal of Surgery, 10(1), 28-55. https://doi.org/https://doi.org/10.1136/bmj.c869

Moher, D., Shamseer, L., Clarke, M., Ghersi, D., Liberati, A., Petticrew, M., Shekelle, P., Stewart, L. A., Altman, D. G., Booth, A., Chan, A. W., Chang, S., Clifford, T., Dickersin, K., Egger, M., Gøtzsche, P. C., Grimshaw, J. M., Groves, T., Helfand, M., … Whitlock, E. (2015). Preferred reporting items for systematic review and meta-analysis protocols (PRISMA-P) 2015 statement. Systematic Reviews, 4(1), 148-160. https://doi.org/10.1186/2046-4053-4-1

Mokkink, L. B., Terwee, C. B., Patrick, D. L., Alonso, J., Stratford, P. W., Knol, D. L., Bouter, L. M., & de Vet, H. C. W. (2010). The COSMIN study reached international consensus on taxonomy, terminology, and definitions of measurement properties for health-related patient-reported outcomes. Journal of Clinical Epidemiology, 63(7), 737-745. https://doi.org/10.1016/j.jclinepi.2010.02.006

Oliveira, G. M. de. (2013). Política linguística e internacionalização: a língua portuguesa no mundo globalizado do século XXI. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 52(2), 409-433. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.1590/S0103-18132013000200010

Oliveira, M. A. P. de, & Parente, R. C. M. (2010). Entendendo ensaios clínicos randomizados. Brazilian Journal of Videoendoscopic Surgery, 3(4), 176-180.

Oliveira, M. A. P. de, Velarde, L. G. C., & Sá, R. A. M. de. (2015). Ensaios clínicos randomizados: Série entendendo a pesquisa clínica 2. Feminina, 43(1), 7-11.

Patino, C. M., & Ferreira, J. C. (2018). Validade interna e externa: Você pode aplicar resultados de pesquisa para seus pacientes? Jornal Brasileiro de Pneumologia, 44(3), 183. https://doi.org/10.1590/s1806-37562018000000164

Pinto, V. F. (2010). Estudos clínicos de não-inferioridade: Fundamentos e controvérsias. Jornal Vascular Brasileiro, 9(3), 145-151. https://doi.org/10.1590/S1677-54492010000300009

Sampaio, A. A. S., Azevedo, F. H. B. de, Cardoso, L. R. D., Lima, C. de, Pereira, M. B. R., & Andery, M. A. P. A. (2008). Uma introdução aos delineamentos experimentais de sujeito único. Interação Em Psicologia, 12(1), 151-164.

Sasse, A. D., Wada, C. Y., Andrade, J. M. L., Bermudez, J. V, Lotufo, P. A., & Pinto, V. F. (2010). Requerimentos mínimos para o planejamento e análise de estudos clínicos de não inferioridade. Rev Bras Clin Med, 8(6), 538-541.

Sousa, V. D., Driessnack, M., & Mendes, I. A. C. (2007). Revisão dos desenhos de pesquisa relevantes para enfermagem. Parte 1: Desenhos de pesquisa quantitativa. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 15(3). https://doi.org/http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692007000300022

Souza, R. F. de. (2009). O que é um estudo clínico randomizado? Medicina (Ribeirão Preto. Online), 42(1), 3-8. https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v42i1p3-8

Steckler, A., & McLeroy, K. R. (2008). The Importance of external validity. American Journal of Public Health, 98(1), 9-10. https://doi.org/10.2105/AJPH.2007.126847

Sterne, J. A., Hernán, M. A., Reeves, B. C., Savović, J., Berkman, N. D., Viswanathan, M., Henry, D., Altman, D. G., Ansari, M. T., Boutron, I., Carpenter, J. R., Chan, A.-W., Churchill, R., Deeks, J. J., Hróbjartsson, A., Kirkham, J., Jüni, P., Loke, Y. K., Pigott, T. D., … Higgins, J. P. (2016). ROBINS-I: a tool for assessing risk of bias in non-randomised studies of interventions. BMJ, 355, 1-7, i4919. https://doi.org/10.1136/bmj.i4919

Sukekava, F., Marcelino, S. L., Ragghianti, M. S., & Lima, L. A. P. A. de. (2008). Ensaios clínicos multicêntricos: Uma revisão de literatura. Revista Periodontia, 18(1), 26-30.

Thomas, J. R., Nelson, J. K., & Silverman, S. J. (2007). Métodos de pesquisa em atividade física (5th ed.). Artmed. Vaz-Carneiro, A. (2002). Aplicação ao doente individual dos resultados dos ensaios clínicos: Regras práticas. Revista Portuguesa de Cardiologia, 22(2), 259-268.

Publicado
2021-12-31
Como Citar
Rosa, C. D., & Delabrida, Z. (2021). Método experimental e ensaios clínicos: Metassíntese de artigos de revisão publicados em português. Psico, 52(4), e36259. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2021.4.36259
Seção
Revisão Sistemática