Adaptação e validação da escala de autoeficácia no uso de preservativo em uma amostra brasileira

  • Josemberg Moura de Andrade Universidade de Brasília
  • Kaline da Silva Lima Universidade Federal da Paraíba
  • Valdiney Veloso Gouveia Universidade Federal da Paraíba
  • Hemerson Fillipy Silva Sales Universidade Federal da Paraíba
  • Élida de Farias Melo Universidade Federal da Paraíba
  • Vivianne Freitas Oliveira Asfora Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Autoeficácia, Prevenção, Validade de construto, Comportamento sexual.

Resumo

A autoeficácia no uso de preservativos está relacionada à saúde, principalmente na prevenção de infecções sexualmente transmissíveis. Objetivou-se adaptar a Escala de Autoeficácia no Uso de Preservativos para o contexto brasileiro. Para isso, foram realizados dois estudos a partir de um questionário online. O Estudo 1 contou com 332 participantes da população geral, a maioria mulheres (63,6%), com média de idade de 25,2 anos (DP = 7,4). A análise fatorial exploratória identificou quatro fatores: Habilidade, Assertividade, Prazer e Drogas e Doenças sexualmente transmissíveis, explicando 66,8% da variância. O Estudo 2 contou com 907 participantes, com média de idade de 23,6 anos (DP = 6,1). A análise fatorial confirmatória apresentou os seguintes indicadores de ajuste: GFI = 0,93; CFI = 0,91; RMSEA = 0,08 (IC90% = 0,07-0,09). Os resultados comprovam a adequação da medida, reunindo evidências de validade. Discute-se a importância desta medida em pesquisas na área de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josemberg Moura de Andrade, Universidade de Brasília
Doutor em Psicologia Social e do Trabalho, professor no Departamento de Psicologia Social e do Trabalho na UNB, professor no PPGMDS da UFPB e no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações (PSTO) na UNB.
Kaline da Silva Lima, Universidade Federal da Paraíba
Psicóloga e Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Modelos de Decisão e Saúde (PPGMDS) da UFPB.
Valdiney Veloso Gouveia, Universidade Federal da Paraíba
Doutor em Psicologia Social e do Trabalho, professor do Departamento de Psicologia da UFPB e professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social da UFPB.
Hemerson Fillipy Silva Sales, Universidade Federal da Paraíba
Psicólogo, Mestre em Neurociência pelo Programa de Pós-Graduação em Neurociência Cognitiva e Comportamento (UFPB) e Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social pela UFPB.
Élida de Farias Melo, Universidade Federal da Paraíba
Graduada em Psicologia pela UFPB.
Vivianne Freitas Oliveira Asfora, Universidade Federal da Paraíba
Mestre em Neurociência pelo Programa de Pós-Graduação em Neurociência Cognitiva e Comportamento da UFPB.

Referências

Álvaro, J. L. & Garrido, A. (2006). Psicologia social – perspectivas psicológicas e sociológicas. São Paulo: McGraw- Hill.

Asante, K. O. & Doku, P. N. (2010). Cultural adaptation of the condom use self efficacy scale (CUSES) in Ghana. BMC public health, 10(1), 227. 10.1186/1471-2458-10-227

Asante, K. O., Osafo, J., & Doku, P. N. (2016). The Role of Condom Use Self-Efficacy on Intended and Actual Condom Use Among University Students in Ghana. Journal of Community Health, 41, 97-104. 10.1007/s10900-015-0073-6

Bandura, A. (1986). Social Foundations of Thought and Actions: A Social Cognitive Theory. Prent ice-Hall, Englewood Cliffs: New Jersey.

Bandura, A. (1994). Social cognitive theory and exercise of control over HIV infection. In Preventing AIDS. Springer US.

Barkley, T. W. & Burns, J. L. (2000). Factor analysis of the Condom Use Self-efficacy Scale among multicultural college students. Health Education Research, 15(4), 485-489. 10.1093/her/15.4.485

Berquó, E., Barbosa, R. M., & Lima, L. P. (2008). Uso do preservativo: tendências entre 1998 e 2005 na população brasileira. Revista de Saúde Pública, 42 (suppl. 1), 34-44. 10.1590/S0034-89102008000800006

Borsa, J. C., Damásio, B. F., & Bandeira, D. R. (2012). Adaptação e validação de instrumentos psicológicos entre culturas: Algumas considerações. Paidéia (Ribeirão Preto), 22(53), 423-432. 10.1590/1982-43272253201314

Brafford, L. J. & Beck, K. H. (1991). Development and validation of a condom self-efficacy scale for college students. Journal of American College Health, 39(5), 219-225. 10.1080/07448481.1991.9936238

Brien, T. M., Thombs, D. L., Mahoney, C. A., & Wallnau, L. (1994). Dimensions of self-efficacy among three distinct groups of condom users. Journal of American College Health, 42, 167-174. abs/10.1080/07448481.1994.9939665.

Byrne, B. M. (2010). Structural equation modeling with Amos: basic concepts, applications, and programming (2ª ed.). Ottawa: Routledge.

Brum, M. M., Carrara, K. (2012). História individual e práticas culturais: efeitos no uso de preservativos por adolescentes. Estudos de Psicologia (Campinas), 29(supl. 1), 689-697. 10.1590/S0103-166X2012000500005

Davis, K. C., Masters, N. T., Eakins, D., Danube, C. L., George, W. H., Norris, J., & Heiman, J. R. (2014). Alcohol intoxication and condom use self-efficacy effects on women's condom use intentions. Addictive Behaviors, 39, 153- 158. 10.1016/j.addbeh.2013.09.019

Dourado, M. I. C., MacCarthy, S., Reddy, M., Calazans, G., & Gruskin, S. (2015). Revisitando o uso do preservativo no Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 18 (suppl. 1), 63-88. 10.1590/1809-4503201500050006

Cohen, S. E., Liu, A. Y., Bernstein, K. T., & Philip, S. (2013). Preparing for HIV pre-exposure prophylaxis: lessons learned from post-exposure prophylaxis. American journal of preventive medicine, 44(102), S80-S85. 10.1016/j. amepre.2012.09.036

Garson, G. D. (2010). PA 765 Statnotes: an online textbook. Disponível em: <http://faculty.chass.ncsu.edu/garson/PA765/statnote.htm> Acessado em: 07 ago. 2015.

Guadagnoli, E. & Velicer, W. F. (1988). Relation of sample size to the stability of component patterns. Psychological Bulletin, 103, 265-275. 10.1037/0033-2909.103.2.265

Gubert, F. do A., Vieira, N. F. C., Damasceno, M. M. C., Lima, F. E. T., & Ximenes, L. B. (2010). Escalas para medida de comportamento preventivo em meninas adolescentes frente às DST/HIV: revisão integrativa. Revista Gaúcha de Enfermagem, 31(4), 794-802. 10.1590/S1983-14472010000400025

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados (6ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hayton, J. C., Allen, D. G., & Scarpello, V. (2004). Factor retention decisions in exploratory factor analysis: A tutorial on parallel analysis. Organizational research methods, 7(2), 191-205. 10.1177/1094428104263675

International Test Commission. (2017). The ITC Guidelines for Translating and Adapting Tests (Second edition). Recuperado em: 02 nov. 2017, de <https://www.intestcom.org/files/guideline_test_adaptation_2ed.pdf>.

International Test Commission (2010). International Test Commission guidelines for translating and adapting tests. Recuperado em 24 jul. 2012, de <http://www.intestcom.org/upload/sitefi les/40.pdf>.

Lima, M. D. S., Martins-Melo, F. R., Heukelbach, J., Alencar, C. H., Boigny, R. N., & Ramos Júnior, A. N. (2016). Mortality related to tuberculosis-HIV/AIDS co-infection in Brazil, 2000-2011: epidemiological patterns and time trends. Cadernos de saúde publica, 32(10), 1-11. 10.1590/1414-462X2016000100x1

Longo, L. A. D. B. (2013). Juventude e contracepção: um estudo dos fatores que influenciam o comportamento contraceptivo das jovens brasileiras de 15 a 24 anos. Revista Brasileira de Estudos de População, 19(2), 229-247. Recuperado de <https://www.rebep.org.br/revista/article/viewFile/320/pdf_301>.

Matseke, G., Peltzer, K., Mchunu, G., & Louw, J. (2012). Correlates of Condom Use among Male and Female aged 18-24 Years in South Africa. Gender & Behaviour, 10(2), 4627 -4644. Recuperado de <https://www.researchgate.net/publication/291975212_Correlates_of_Condom_Use_among_Male_and_Female_aged_18-24_Years_in_South_

Africa>.

Ministério da Saúde (2016). Boletim Epidemiológico – Aids e DST. Ministério da Saúde – Secretaria de Vigilância em Saúde – Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Brasília, DF. Recuperado de: <http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2016/59291/boletim_2016_1_pdf_16375.pdf>.

Myers, D. G. (2000). Psicologia Social (6ª ed.). Rio de Janeiro: LTC.

Parent, M. C. & Moradi, B. (2015). Self-Objectification and Condom Use Self-Efficacy in Women University Students. Archives of Sexual Behavior, 44, 971-981. 10.1007/s10508-014-0384-1

Pasquali, L. (2010). Instrumentação psicológica: fundamentos e práticas. Porto Alegre: Artmed.

Pereira, B. S., Costa, M. C. O., Amaral, M. T. R., da Costa, H. S., da Silva, C. A. L., & Sampaio, V. S. (2014). Fatores associados à infecção pelo HIV/AIDS entre adolescentes e adultos jovens matriculados em Centro de Testagem e Aconselhamento no Estado da Bahia, Brasil. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 19(3), 747-758. 10.1590/1413-81232014193.16042013

Pinheiro, T. F., Calazans, G. J., & Ayres, J. R. D. C. M. (2013). Uso de Camisinha no Brasil: um olhar sobre a produção acadêmica acerca da prevenção de HIV/Aids (2007-2011). Temas em Psicologia, 21(3), 815-836. 10.9788/TP2013.3- EE07PT

Ribeiro, K. C. S., Silva, J. D., & Saldanha, A. A. W. (2011). Querer é poder? A ausência do uso de preservativo nos relatos de mulheres jovens. DST-Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissiveis, 23(2), 84-89. 10.5533/2177-8264-201123206

Santos, M. J., Ferreira, E., Duarte, J., & Ferreira, M. (2017). Adaptação portuguesa e validação da versão reduzida da Condom Use Self-efficacy Scale. Revista Internacional de Andrología, 15(1), 23-30. 10.1016/j.androl.2016.06.002

Shaweno, D. & Tekletsadik, E. (2013). Validation of the condom use self-efficacy scale in Ethiopia. BMC international health and human rights, 13(1), 22. 10.1186/1472-698x-13-22

Sousa, C. S. P., Martins, E. S., Menezes, A. V. B., Pereira, M. L. D., Cordeiro, L. I., Pinheiro, A. K. B., & Barbosa, R. C. M. (2016). Evaluation of instruments for the use of a condom. International Archives of Medicine, 232(9), 1-8, 10.3823/2103

Unaids (2016). Global Report: When Women Lead, Change Happens. Recuperado de: <http://www.unaids.org/sites/default/files/media_asset/when-women-lead-change-happens_en.pdf>.

Thompson, B. (2000). Ten Command ments of structural equation modeling. In L. Grim & G. P. Yarnold (Orgs.). Reading and understanding more multivariate statistics (pp. 261-284). Washington: APA.

Tronco, C. B. & Dell'Aglio, D. D. (2012). Caracterização do comportamento sexual de adolescentes: iniciação sexual e gênero. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 5(2), 254-269. Recuperado de: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/gerais/v5n2/v5n2a06.pdf>.

Ullman, J. B. (2007). Structural Equation Modeling. In B. G. Tabachnick & L. S. Fidell (Orgs.). Using multivariate statistics (5ª ed.). Boston: Pearson Education.

Wulfert, E., & Wan, C. K. (1993). Condom use: a Self-efficacy Model. Health Psychology, 12(3), 346-353. http://dx.doi.org/10.1037/0278-6133.12.5.346

Publicado
2018-08-24
Como Citar
Andrade, J. M. de, Lima, K. da S., Gouveia, V. V., Sales, H. F. S., Melo, Élida de F., & Asfora, V. F. O. (2018). Adaptação e validação da escala de autoeficácia no uso de preservativo em uma amostra brasileira. Psico, 49(2), 167-177. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2018.2.27803
Seção
Artigos