Sintomas depressivos, de ansiedade e de estresse em habitantes de munícipio realocado por barragem

  • Franciele Luísa Pozzebon CRAS Itá
  • Vinícius Renato Thomé Ferreira IMED
Palavras-chave: Barragem, Sintomas depressivos, Sintomas de ansiedade, Sintomas de estresse, Avaliação psicológica.

Resumo

O aumento da necessidade de energia elétrica faz com que a instalação de usinas hidrelétricas seja um investimento importante; entretanto, os impactos ambientais e humanos decorrentes da instalação de barragens precisam ser apropriadamente avaliados. Buscou-se investigar a prevalência de sintomas depressivos, de ansiedade e de estresse de uma população que passou pelo processo de realocação devido à construção de uma barragem para usina hidrelétrica (n = 50) em comparação com um município onde não houve este processo (n = 50). Foi identificado que, vinte anos após a instalação da barragem e realocação do município, os escores de sintomas depressivos, de ansiedade e de estresse estão na faixa da população não clínica, e foram mais elevados no município de comparação do que no município onde a barragem foi instalada. Estudos sobre a instalação de barragens e realocação humana precisam considerar, além dos impactos ambientais, seus reflexos sobre a saúde mental das pessoas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius Renato Thomé Ferreira, IMED
Doutor em Psicologia pela pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2008), graduado em Psicologia pela Universidade de Passo Fundo (1998), especialista em Relações Familiares pela UPF (2002), e mestre em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2003). Coordena a Escola de Psicologia da Faculdade Meridional (IMED). Foi professor da Universidade do Contestado e da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, campi Erechim e Santo Ângelo em nível de graduação. Realizou atendimentos psicológicos na clínica de 2000 a 2009. Tem experiência na área de psicologia, com ênfase em intervenção terapêutica, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde, bioética, psicopatologia, psicologia evolucionista, psicologia cognitiva, avaliação psicológica e psicoterapia. Desenvolve trabalhos de divulgação científica e da psicologia e é membro da Sociedade Brasileira de Psicologia e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência.

Referências

American Psychiatric Association. (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (DSM-5). Porto Alegre: Artmed.

Beck, A. T., Rush, A. J., Shaw, B. F., & Emery, G. (1997). Terapia cognitiva da depressão. Porto Alegre: Artmed.

Borges, R. S. & Silva, V. P. (2011). Usinas hidrelétricas no Brasil: a relação de afetividades dos atingidos com os lugares inundados pelos reservatórios. Caminhos da geografia, 12(40), 222-231.

Bronfenbrenner, Urie. (2002). A Ecologia do Desenvolvimento Humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artmed.

Carvalho, O. A. D. (2006). Água sobre terra: lugar e territorialidade na implantação de grandes hidrelétricas (Dissertação de mestrado). Recuperado de <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12041>.

Celestino, V. S. & Phillips, J. W. & Rocha, R. S. (2008). O Reordenamento Territorial em Grandes Obras: O Caso da Cidade de Itá. II Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação. Recuperado de <https://www.ufpe.br/cgtg/SIMGEOII_CD/Organizado/cad/212.pdf>.

Costa, G. B., Locks, R., & Matos, D.. (2010). Análise do Relatório do Impacto Ambiental das Usinas Hidrelétricas no Rio Madeira no Município de Porto Velho/RO. V Encontro Nacional da Anppas. Recuperado de <http://www.anppas.org.br/encontro5/cd/artigos/GT14-344-287-20100902124004.pdf>.

Dancey, C. P. & Reidy, J. (2013). Estatística sem matemática para psicologia. Porto Alegre: Penso.

Elementos Culturais da Área do Reservatório da Usina Hidrelétrica Itá – Ecau. (2001). O Trabalho e os Dias – histórias de vida de antigos moradores da área da barragem da UHE – Itá. Programa Arca de Noé – Eletrosul, 10-60.

Fioravanti, A. C. M., Santos, L. D. F., Maissonette, S., Cruz, A. P. D. M., & Landeira-Fernandez, J. (2006). Avaliação da estrutura fatorial da Escala de Ansiedade-Traço do IDATE. Avaliação Psicológica, 5(2), 217-224.

Ferreira, V. R. T. (2012). Levantamento da Intensidade de Sintomas Depressivos – LIS-D. Passo Fundo: não publicado.

Ferreira, V. R. T. (2015). Levantamento da Intensidade de Sintomas de Ansiedade – LIS-A. Passo Fundo: não publicado

Ferreira, V. R. T. (2015). Levantamento da Intensidade de Sintomas de Estresse – LIS-E. Passo Fundo: não publicado.

Fleck, M. P., Lousada, S., Xavier, M., Chachamovich, E., Vieira, G., Santos, L. & Pinzon, V. (2000). Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida WHOQOL-bref. Revista de Saúde Pública, 34(2), 178-183. http://dx.doi.org/10.1590/s0034-89102000000200012

Hall, F. & Mattos, T. (1984). Memória Itá. Itá, s/e.

Hauck, N. F. & Teixeira, M. A. P. (2011). A estrutura fatorial da Escala CES-D em estudantes universitários brasileiros. Avaliação Psicológica, 10(1), 91-97.

Hermes, J. (2013). Aspectos Históricos e Culturais do Município de Itá/SC – Capacitação de Monitores Casa da Cultura. Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Departamento de Cultura. Itá, SC.

IBGE (2007). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística: Contagem da população (2007). Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/contagem2007/populacao_2007_DOU_05_10_2007.xls>.

Kedia, S. & Van Willigen, J. (2001). Effects of forced displacement on the mental health of older people in north India. Haley International Journal of Aging, 3(1), 81-83. <http://dx.doi.org/10.2190/CAAC-X21P-112R-Q5P3>.

Lancetti, A. & Amarante, P. (2006). Saúde mental e saúde coletiva. In Campos, G. W. D. S., Minayo, M. D. S., Akerman, M., Drumond Júnior, M., & Carvalho, Y. D. Tratado de saúde coletiva (pp. 615-634). São Paulo: Hucitec.

Lentine, E. C., Sonoda, T. K., & Biazin, D. T. (2003). Estresse de Profissionais de Saúde das Unidades Básicas do Município De Londrina. Terra e Cultura, 37, 103-123.

Levin, J. & Fox, J. A. (2004). Estatística para ciências humanas. São Paulo: Pearson.

Lopes, P. A. (1999). Probabilidade e estatística. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso.

Luft, C., Sanches, S., Mazo, G., & Andrade, A. (2007). Versão brasileira da escala de estresse percebido: tradução e validação para idosos. Rev. Saúde Pública, 41(4), 606-15. <http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102007000400015>.

Magalhães, S. C. G. (2006). Estudo dos Impactos sociais e ambientais decorrentes dos projetos hidrelétricos de Jirau e Santo Antônio – Reflexões preliminares. Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente. Rondônia: Unir. PGDRA, 1-15.

Mendonça, L. (2011). O legado das hidrelétricas. O Setor Elétrico (São Paulo), (68), 1.

Passos, R. M. & Praxedes, N. (2013). Reinserção em Nova Mutum Paraná e Condições de Vida dos Atingidos pela Construção da Hidrelétrica de Jirau em Rondônia. Revista de Administração e Negócios da Amazônia, 5(1), 1-12.

Pinto, L. C. (2012). Os projetos hidrelétricos como causa dos deslocamentos populacionais: migrações forçadas

em nome do desenvolvimento. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa. (pp. 1-123).

Pirta, R., Chandel, N., & Pirta, C. (2014). Attachment and Displacement: The Resettlers of Bhakra Dam are Hurt. Psychological Studies, 59(1), 1-10. http://dx.doi.org/10.1007/s12646-013-0211-0

Relocação da Sede Municipal de Itá. (1984). Plano de Mudança. Itá.

Rodrigues, A. L. & França, A. C. L. (2010). Uma perspectiva psicossocial em psicossomática via estresse e trabalho. In Mello Filho, J. (Org.). Psicossomática Hoje (Cap. 10, pp. 112-134). Rossouw, N. (2008). Verifying the social impacts of the Berg river dam: An ex-post analysis. International Association of Impact Assessment. Recuperado de: <https://www.researchgate.net/profile/Nigel_Rossouw/publication/228759999_VERIFYING_THE_SOCIAL_IMPACTS_OF_THE_BERG_RIVER_DAM_AN_EX-POST_ANALYSIS/links/5565928e08aec4b0f485a2b6.pdf>.

Sadock, B. J., Sadock, V. A., & Ruiz, P. (2017). Compêndio de Psiquiatria: Ciência do Comportamento e Psiquiatria Clínica. Porto Alegre: Artmed.

Sequeira, A. & Silva, M. N. (2002). O bem estar da pessoa idosa no meio rural. Análise Psicológica, 20(3), 505-516.

Skinner, B. F. (2003). Ciência e comportamento humano. São Paulo: Martins Fontes.

Silveira, D. X. da & Jorge, M. R. (1998). Propriedades psicométricas da escala de rastreamento populacional para depressão CES-D em populações clínica e não-clínica de adolescentes e adultos jovens. Revista de Psiquiatria Clínica, 25(5), 251-261.

Souza, W. L. (2000). Impacto Ambiental de Hidrelétricas: Uma Análise Comparativa de Duas Abordagens. Rio de

Janeiro: UFRJ. Tractebel Energia – GDF Suez. (2015). UHE Itá. Itá.

Vainer, C. & Vieira, F. B. (2005). Movimento dos Atingidos por Barragens. Manual do atingido: Uma história de organização e luta. Laboratório Estado, Trabalho, Território e Natureza/ Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional. Rio de Janeiro: UFRJ.

Viana, R. M. (2003). Grandes Barragens, Impactos e Reparações: Um Estudo De Caso Sobre A Barragem De Itá. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional. Rio de Janeiro: UFRJ.

Publicado
2018-08-24
Como Citar
Pozzebon, F. L., & Ferreira, V. R. T. (2018). Sintomas depressivos, de ansiedade e de estresse em habitantes de munícipio realocado por barragem. Psico, 49(2), 187-195. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2018.2.26984
Seção
Artigos