Desempenho cognitivo e motor manual de idosos

  • Michele Marinho da Silveira Faculdade Meridional
  • Mirna Wetters Portuguez Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Cognição, Destreza da mão, Avaliação em saúde, Idoso.

Resumo

O desempenho cognitivo e a habilidade motora manual de idosos foram avaliados. A amostra foi constituída por 120 idosos. Os instrumentos utilizados foram: Exame Cognitivo de Addenbrooke Revisado (ACE-R) que avalia domínios como atenção e orientação, memória, fluência, linguagem, habilidades visuo-espaciais; dinamômetro Saehan Corporation® para verificar a força de preensão manual e o painel de habilidades manuais para motricidade fina. Como resultado observou-se que neste estudo a força de preensão manual, a motricidade fina e a cognição dos idosos apresentaram piores desempenhos com o avançar da idade. Houve diferença estatisticamente significativa entre as faixas etárias e os domínios cognitivos memória (p = 0,022), visual-espacial (p = 0,014) e total (p = 0,012) e associação entre os domínios cognitivos de memória (p = 0,0280), fluência (p = 0,003), linguagem (p < 0,001), visual-espacial (p < 0,001) e motricidade fina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michele Marinho da Silveira, Faculdade Meridional
Professora na Faculdade Meridional - IMED. Pós-Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Doutora em Gerontologia Biomédica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Mestre em Envelhecimento Humano pela Universidade de Passo Fundo. Graduada em Fisioterapia pela Universidade de Passo Fundo.
Mirna Wetters Portuguez, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Professora na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul na Faculdade de Medicina e no Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica. Doutora em Neurociência pela Universidade Federal de São Paulo.

Referências

Andreotti, R. A. & Okuma, S. S. (1999). Validação de uma bateria de testes de atividades devida diária para idosos fisicamente independentes. Revista Paulista de Educação Física, 13(1), 46-66.

https://doi.org/10.11606/issn.2594-5904.rpef.1999.137759

Altermann, C. D. C., Martins, A. S., Carpes, F. P., & Mello-Carpes, P. B. (2014). Influência da prática mental e observação do movimento sobre a memória motora, função cognitiva e desempenho motor em idosos. Brazilian Journal of Physical Therapy, 18(2), 201-209.

https://doi.org/10.1590/S1413-35552012005000150

Argimon, I. L., & Stein, L. M. (2005). Habilidades cognitivas em indivíduos muito idosos: um estudo longitudinal, Cadernos de saúde Pública, 21(1), 64-72.

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2005000100008

Auyeung, T. W., Kwok, T., Lee, J., Leung, P. C., Leung, J., & Woo, J. (2008). Functional decline in cognitive impairment – the relationship between physical and cognitive function. Neuroepidemiology, 31(3), 167-173.

https://doi.org/10.1159/000154929

Blankevoort, C. G., Scherder, E., J., Wieling, M. B., Hortobágyi, T., Brouwer, W. H., Geuze, R. H., &van Heuvelen, M. J. (2013). Physical predictors of cognitive performance in healthy older adults: a cross-sectional analysis. PLoSOne, 8(7).

https://doi.org/10.1371/journal.pone.0070799

Belmonte, L. M., Lima, I. A. X., Belmonte, L. A. O., Gonçalves, V. P., Conrado, J. C., & Ferreira, D. A. (2014). Força de preensão manual de idosos participantes de grupos de convivência. Revista Brasileira de Promoção de Saúde, 27(1), 85-91.

https://doi.org/10.5020/18061230.2014.p85

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. (2010). Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Busato, M. A., Gallina, L. S., Téo, C. R. P. A., Ferretti, F., & Pozzagnol, M. (2014). Autopercepção de saúde e vulnerabilidade em idosos. Revista Baiana de Saúde Pública, 38(3), 625-635.

https://doi.org/10.5327/Z0100-0233-2014380300010

Carvalho, V. A., & Caramelli, P. (2007). Brazilian adaptation of the Addenbrooke’s Cognitive Examination-Revised (ACE-R). Dementia & Neuropsychologia, 1(2), 212-216.

https://doi.org/10.1590/s1980-57642008dn10200015

Faria, C. A., Lourenço, R. A., Ribeiro, P. C. C., &Lopes, C. S. (2013). Desempenho cognitivo e fragilidade em idosos clientes de operadora de saúde. Revista de Saúde Pública, 47(5), 923-930.

https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004451

Fidelis, L. T., Patrizzi, L. J., &Walsh, I. A. P. (2013). Influência da prática de exercícios físicos sobre flexibilidade, força muscular e mobilidade funcional em idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 16(1), 109-116.

https://doi.org/10.1590/S1809-98232013000100011

Gallucci, M., Mazzuco, S., Ongaro, F., Di Giorgi, E., Mecocci, P., Cesari, M., ... Regini, C. (2013). Bodymass index, lifestyles, physical performance and cognitive decline: the “Treviso Longeva (TRELONG)” study. Journal Nutrition Health Aging, 17(4), 378-384.

https://doi.org/10.1007/s12603-012-0397-1

Holz, A. W., Nunes, B. P., Thumé, E., Lange, C., & Facchini, L. A. (2013). Prevalence of cognitive impairment and associated factors among the elderly in Bagé, Rio Grande do Sul, Brazil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 16(4), 880-888.

https://doi.org/10.1590/S1415-790X2013000400008

Katzer, J. I., Antes, D. L., & Corazza, S. T. (2012). Coordenação motora de idosas. Conscientiae Saúde, 11(1), 159-163.

https://doi.org/10.5585/conssaude.v11n1.3085

Leite, M. T., Winck, M. T., Hildebrandt, L. M., Kirchner, R. M., & Silva, L. A. A. (2012). Qualidade de vida e nível cognitivo de pessoas idosas participantes de grupos de convivência. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 15(3), 481-492.

https://doi.org/10.1590/S1809-98232012000300009

Lenardt, M. H., Grden, C. R. B., Sousa, J. A. V., Reche, P. M., Betiolli, S. E., & Ribeiro, D. K. M. N. (2014). Fatores associados à diminuição de força de preensão manual em idosos longevos. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48(6), 1006-1012.

https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000700007

Lin, C. H., Chou, L. W., Wei, S. H., Lieuc, F. K., Chiangd, S. L., & Sung, W. H. (2014). Influence of aging on bimanual coordination control. Experimental Gerontology, 53, 40-47.

https://doi.org/10.1016/j.exger.2014.02.005

Lindôso, Z. C. L., Cammarota1, M. P., Argimon, I. I. L., Gomes, I., & Schwanke, C. H. A. (2011). Percepção subjetiva de memória e habilidade manual em idosos de uma oficina de inclusão digital. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 14(2), 303-317.

https://doi.org/10.1590/S1809-98232011000200011

Macedo, D. O., Freitas, L. M., &Scheicher, M. E. (2014). Preensão palmar e mobilidade funcional em idosos com diferentes níveis de atividade física. Fisioterapia e Pesquisa, 21(2), 151-155.

https://doi.org/10.1590/1809-2950/47321022014

McGough, E. L., Cochrane, B. B., Pike, K. C., Logsdon, R. G., McCurry, S. M., & Teri, L. (2013). Dimensions of physical frailty and cognitive function in older adults with amnestic mild cognitive impairment. Ann Phys RehabilMe, 56(5), 329-341.

https://doi.org/10.1016/j.rehab.2013.02.005

Minúscoli, A. V. F., Meneghini, G. O., Oltramari, J. D., Wolpat A., & Melatti, J. (2013). Síndrome da Fragilidade: elucidando conceitos e propostas de avaliação e tratamento. In C. P. Dias & J. C. F. Guimarães (Org.). Desvendando o envelhecimento (pp. 45-55). Caxias do Sul, RS: Faculdade da Serra Gaúcha.

Padubidri, A., Snih, S. A., Samper-Ternent, R., Markides, K. S., Ottenbacher, K. J., & Raji, M. A. (2014). Falls and cognitive decline in Mexican Americans 75 years and older. Clinical Interventions Aging, 9, 719-726.

https://doi.org/10.2147/CIA.S59448

Reis, M. M., & Arantes, P. M. (2011). Medida da força de preensão manual – validade e confiabilidade do dinamômetro Saehan. Fisioterapia e Pesquisa, 18(2), 176-181.

https://doi.org/10.1590/S1809-29502011000200013

Reis Filho, A. D., Santini, E., Neves, T., Fett, W. C. R., & Fett, C. A. (2012). Análise do estado nutricional e da força de preensão palmar, lombar e escapular em mulheres de meia idade e idosas. Brazilian Journal of Biomotriciy, 6(4), 245-253.

Ribeiro, L. H. M., & Neri, A. L. (2012). Exercícios físicos, força muscular e atividades de vida diária em mulheres idosas. Ciências e Saúde Coletiva, 17(8), 2169-2180.

https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000800027

Rodrigues, J. L., Ferreira, F. O., & Haase, V. G. (2008). Perfil do desempenho motor e cognitivo na idade adulta e velhice. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 1(1), 20-33.

Silveira, M. M. (2015). Desempenho cognitivo, estado emocional, qualidade de vida e habilidade motora manual de idosos participantes de oficinas de informática (Tese de Doutorado). Instituto de Geriatria e Gerontologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Sugiura, Y., Tanimoto, Y., Watanabe, M., Tsuda, Y., Kimura, M., Kusabiraki, T., & Kono, K. (2013). Handgrip strength as a predictor of higher-level competence decline among community-dwelling Japanese elderly in an urban area during a 4-year follow-up.Archives of Gerontology and Geriatrics, 57(3), 319-324.

https://doi.org/10.1016/j.archger.2013.06.006

Ukegbu, U., Maselko, J., Malhotra, R., Perera, B.,& Østbye, T. (2014). Correlates of Handgrip Strengt hand activities of daily living in elderly Sri Lankans. Journal of the American Geriatrics Society, 62(9), 1800-1801.

https://doi.org/10.1111/jgs.13000

Virtuoso, J. F., Balbé, G. P., Hermes, J. M., Amorim Júnior, E. E., Fortunato, A. R., & Mazo, G. Z. (2014). Força de preensão manual e aptidões físicas: um estudo preditivo com idosos ativos. Revista Brasileira deGeriatria e Gerontologia, 17(4), 775-784.

https://doi.org/10.1590/1809-9823.2014.13183

Viveiro, L. A. P., Almeida, A. S., Meira, D. M., Lavoura, P. H., Carmo, C. M., Silva, J. M., & Tanaka, C. (2014). Declínio de atividades instrumentais de vida diária associado à perda de força de preensão palmar em idosos internados em enfermaria geriátrica. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 17(2), 235-242.

https://doi.org/10.1590/S1809-98232014000200002

Won, H., Singh, D. K., Din, N. C., Badrasawi, M., Manaf, Z.A., Tan, S.T., … Shahar, S. (2014). Relationship between physical performance and cognitive performance measures among community-dwelling older adults. Journal of Clinical Epidemiology, 6, 343-350.

https://doi.org/10.2147/CLEP.S62392

Yassuda, M. S., Lopes, A., Cachioni, M., Falcao, D. V., Batistoni, S. S., Guimaraes, V. V., & Neri, A. L. (2012).Frailty criteria and cognitive performance are related: data from the FIBRA study in Ermelino Matarazzo, São Paulo, Brazil. Journal Nutrition Health Aging, 16(1), 55-61.

https://doi.org/10.1007/s12603-012-0003-6

Publicado
2018-10-16
Como Citar
Silveira, M. M. da, & Portuguez, M. W. (2018). Desempenho cognitivo e motor manual de idosos. Psico, 49(3), 249-256. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2018.3.26916
Seção
Artigos