Ajudar o próximo ou ser recompensado? Comportamento distributivo infantil em situações envolvendo mérito e altruísmo

Palavras-chave: Partilha, Crianças, Jogo, Mérito, Altruísmo.

Resumo

Crianças usam diferentes princípios para partilhar bens, a depender de suas idades e das informações disponíveis no contexto de distribuição, com uma tendência ao igualitarismo e altruísmo maiores à medida que suas idades avançam. No presente estudo o comportamento distributivo infantil foi avaliado em uma situação experimental na qual questões envolvendo o mérito pessoal e o cuidado com o próximo eram manipuladas. Foi utilizado um jogo computacional no qual a criança nomeava animais e podia decidir como a recompensa deveria ser dividida entre ela e seu adversário. Foi observado que as crianças entre 11 e 12 anos e aquelas que receberam informações sobre como o seu adversário de jogo ficaria após perder a partida tenderam a ser mais generosas. Ademais, crianças com maiores níveis de empatia foram menos egoístas. Esses resultados são discutidos a partir da teoria de Martin Hoffman e de achados empíricos recentes no campo da justiça distributiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Rodrigues Sampaio, Universidade Federal do Vale do São Francisco
Colegiado de Psicologia. Laboratório de Desenvolvimento-Aprendizagem e Processos Psicossociais - LDAPP. Doutor em Psicologia Cognitiva.
Cleonice Pereira dos Santos Camino, Universidade Federal da Paraíba - UFPB.
Núcleo de Pesquisas sobre Desenvolvimento Sociomoral - NPDSM. Departamento de Psicologia. Doutora em Psicologia.

Referências

Batson, C. D., Klein, T. R., Highberger, L., & Shaw, L. L. (1995). Immorality from Empathy-Induced Altruism: When Compassion and Justice Conflict. Journal of Personality and Social Psychology, 68(6), 1042-1054. https://doi.org/10.1037/0022-3514.68.6.1042

Batson, C. D., Thompson, E., Seuferling, G., Whitney, H., & Strongman, J. A. (1999). Moral Hypocrisy: appearing moral to oneself without being so. Journal of Personality and Social Psychology, 77(3), 525-537. https://doi.org/10.1037/0022-3514.77.3.525

Batson, C. D., Lishner, D. A., Carpenter, A., Dulin, L., Harjusola-Webb, S., Stocks, E. L., Gale, S., Hassan, O., & Sampat, B. (2003) “… As you would have them do unto you”: imagining yourself in the other’s place stimulate moral action? Personality and Social Psychology Bulletin, 29(9), 1190-1201. https://doi.org/10.1177/0146167203254600

Blake, P. R. & Rand, D. G. (2010). Currency value moderates equity preference among young children. Evolution and Human Behavior, 31, 210-218. https://doi.org/10.1016/j.evolhumbehav.2009.06.012

Blake, P. R. & McAuliffe, K. (2011). “I had so much it didn’t seem fair”: Eight-year-olds reject two forms of inequity. Cognition, 120, 215-224. https://doi.org/10.1016/j.cognition.2011.04.006

Brasil. (2012). Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde (dispõe sobre a ética na pesquisa com seres humanos). Brasília: Ministério da Saúde.

Bryant, B. K. (1982). An index of empathy for children and adolescents. Child development, 53, 413-425. https://doi.org/10.2307/1128984

Conselho Federal de Psicologia. (2000). Resolução 0016/2000 (dispõe sobre a pesquisa em Psicologia com seres humanos). Brasília.

Fehr, E., Bernhard, H., & Rockenbach, B. (2008). Egalitarianism in young children. Nature, 454, 1079-1083. https://doi.org/10.1038/nature07155

Hoffman, M. (2000). Empathy and moral development: implications of caring and justice. New York: Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9780511805851

Piaget, J. (1994). The Moral Judgment of the Child. New York: Free Press (originalmente publicado em 1932).

Piazza, J., Bering, J. M., & Ingram, G. (2011), “Princess Alice is watching you”: Children's belief in an invisible person inhibits cheating. Journal of Experimental Child Psychology, 109, 311-320. https://doi.org/10.1016/j.jecp.2011.02.003

Posid, T., Fazio, A., & Cordes, S. (2015). Being sticker rich: numerical context influences children’s sharing behavior. PLoS ONE, 10(11), 1-18. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0138928

Ribeiro, J., Koller, S. H., & Camino, C. (2002). Adaptação e validação de duas escalas de empatia para uso no Brasil. Estudos de Psicologia (Campinas), 18(3), 43-53.

Sampaio, L. R., Camino, C., & Roazzi, A. (2007). Justiça distributiva em crianças de 5 a 10 anos de idade. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20 (2), 195-202. https://doi.org/10.1590/S0102-79722007000200004

Sampaio, L., Camino, C. P., & Roazzi, A. (2009) Justiça distributiva: uma revisão da literatura psicossocial e desenvolvimentista. Psicologia em Estudo, 14(4), 631-640. https://doi.org/10.1590/S1413 73722009000400003

Sampaio, L. R. & Pires, M. F. D. N. (2015). Sharing in Private and Public Situations: does this really Matter for Children? Spanish Journal of Psychology, 18(42), 1-7. https://doi.org/10.1017/sjp.2015.45

Shaw, A. & Olson, K.R. (2013). All inequality is not equal: children correct inequalities using resource value. Frontiers in Psychology, 4, 1-9. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2013.00393

Smith, C. E., Blake P. R., & Harris P. L. (2013). I should but I won’t: Why young children endorse norms of fair sharing but do not follow them. PloS One, 8, e59510. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0059510

Wong, M. M. A. & Nunes, T. (2003). Hong Kong children’s concept of distributive justice. Early Child Development and Care, 173(1), 119-129. https://doi.org/10.1080/0300443022000022477

Publicado
2017-09-29
Como Citar
Sampaio, L. R., & Camino, C. P. dos S. (2017). Ajudar o próximo ou ser recompensado? Comportamento distributivo infantil em situações envolvendo mérito e altruísmo. Psico, 48(3), 186-194. https://doi.org/10.15448//1980-8623.2017.3.25746
Seção
Artigos