Educação infantil em contexto não urbano: um estudo com educadoras

  • Lucivanda Cavalcante Borges Universidade Federal do Vale do São Francisco
  • Dalila Castelliano Vasconcelos Universidade Federal da Paraíba
  • Nádia Maria Ribeiro Salomão Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Creche, Educador, Contexto não urbano.

Resumo

creche assume um papel cada vez mais relevante na dinâmica familiar e no desenvolvimento infantil. Estes serviços de atendimento à infância, como construções sociais e culturais, são também desenvolvidos a partir de concepções que cada sociedade constrói para as crianças. Neste artigo, buscou-se investigar as concepções de educadoras sobre o papel das creches não urbanas no desenvolvimento infantil. Participaram 21 educadoras de creches não urbanas do interior de Pernambuco. A partir da utilização de uma entrevista semiestruturada, os resultados mostraram que a creche tem como função suprir as necessidades básicas das crianças e estimular seu desenvolvimento. Em relação ao papel do educador, as participantes ressaltaram o estímulo ao desenvolvimento, oferecer afeto e disciplina à criança. Esses resultados apontam para a importância da formação dos educadores e valorização de seu papel profissional, considerando as características do contexto sociocultural não urbano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucivanda Cavalcante Borges, Universidade Federal do Vale do São Francisco
Professora do curso de Psicologia da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Doutoranda do programa de pós graduação em Psicologia Social da Universidade Federal da Paraíba - UFPB
Dalila Castelliano Vasconcelos, Universidade Federal da Paraíba
Mestre em Psicologia Social pela Universidade Católica Dom Bosco - UCDB

Doutoranda do programa de pós-graduação em Psicologia Social da UFPB
Nádia Maria Ribeiro Salomão, Universidade Federal da Paraíba
Pós doutorado pela University of North Carolina – UNCC e Doutorado pela University of Manchester - UK.

Professora do Departamento de Psicologia da Universidade Federal da Paraíba - UFPB

Referências

Almeida, A. M. O. & Cunha, G. G. (2003). Representações sociais do desenvolvimento humano. Psicologia: Reflexão e Critica, 16(1), 147-155. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-79722003000100015

Asbahr, F. S. F. & Nascimento, C. P. (2013). Criança não é Manga, não Amadurece: conceito de maturação na teoria históricocultural. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(2), 414-427. http://dx.doi.org/10.1590/s1414-98932013000200012

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Becker, F. da R. (2008). A educação infantil no Brasil: a perspectiva do acesso e do financiamento. Revista Iberoamericana de Educación, 47, 141-155.

Brasil. (2014). INEP/MEC. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar da Educação Básica – Caderno de Instrução. Disponível em: http: //www.portal.inep.gov.br/básica-censo.

Brasil. (2013). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Conselho Nacional da Educação. Câmara Nacional de Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI.

Brasil. (2009a). Ministério da Educação. Programa Mais Educação – passo a passo por Maria Eliane Santos et al. Brasília: MEC – Secad. Disponível em: http://www.portal.mec.gov.br/dmdocuments/passoapasso_maiseducacao.pdf.

Acesso em 30 de setembro de 2015. Brasil. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 90394/96 de 20 de dezembro. http://www.ffclrp.usp.br/graduacoes/estagio/legislacao/lein9394.pdf. Acesso em 15 de outubro de 2015.

Brasil. (1990). Estatuto da Criança e do Adolescente: Lei Federal nº 8069, de 13 de julho de 1990. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial, 2002.

Campos, M. M., Fullgraf, J., & Wiggers, V. (2006). A qualidade da educação infantil brasileira: alguns resultados de pesquisa. Cadernos de Pesquisa, 36, 127, 87-128. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-5742006000100005

Carvalho, R. S. (2014). O imperativo do afeto na educação infantil: a ordem do discurso de pedagogas em formação. Educação e Pesquisa, 40(1), 1-16. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022013005000026

Coelho, A. (2009). Intencionalização educativa em Creche. Revista Iberoamericana de Educación, 49(5), 1681-5653.

Cró, M. L. & Pinho, A. M. (2011). A primeira infância e a avaliação do desenvolvimento pessoal e social. Revista Iberoamericana de Educación, 56(1), 1681-5653.

Gomes, R. C. O. (2008). Concepções de mães e professoras de educação infantil. In V. Vasconcellos, L. Aquino, & A. Dias (Ed.). Psicologia e educação infantil (p. 147-166). Araraquara: Junqueira & Marin Editores.

Gomes, V. L. O., Silva, A. L., & Ern, E. (2003). O cuidado de crianças em creche: um espaço para a enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, 24(2), 147.

Harkness, S. & Super, C. (2013). Cultura e política no desenvolvimento na primeira infância. In R. E. Tremblay, M. Boivin, & R. D. V. Peters (Eds), Enciclopédia sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância [on-line]. Montreal, Quebec: Centre of Excellence for Early Childhood Development e Strategic Knowledge Cluster on Early Child Development. Disponível em: http://www.enciclopedia-crianca.com/documents/Harkness-SuperPRTxp1.pdf

Harkness, S. & Super, C.M. (1992). The developmental

niche: A theoretical framework for analyzing the household production of health. Social Science and Medicine, 38, 217-226. http://dx.doi.org/10.1016/0277-9536(94)90391-3

Jorge, A S., Reis, A. C., & Nascimento, C. S. P. (2008). Práticas cotidianas e concepções de desenvolvimento de professoras da educação infantil. In V. Vasconcellos, L. Aquino, & A. Dias (Ed.), Psicologia e educação infantil (pp. 71-94). Araraquara: Junqueira & Marin Editores.

Musatti, T. (2003). Programas educacionais para a pequena infância na Itália. Revista Brasileira de Educação, 24, 66-77. http://dx.doi.org/10.1590/s1413-24782003000300006

Maranhão, D. G. (2000). O cuidado como elo entre saúde e educação. Cadernos de Pesquisa, 111, 115-133. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742000000300006

Moreira, L. V. C. & Lordelo, E. R. (2002). Creche em ambiente urbano pobre: ressonâncias no ecossistema desenvolvimental. Interação em Psicologia, 6(1), 1-13. http://dx.doi.org/10.5380/psi.v6i1.3189

Pacheco, A. L. P. & Dupret, L. (2004). Creche: Desenvolvimento ou sobrevivência? Psicologia USP, 15(3), 103-116. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642004000200006

Ramos, D. D. & Salomão, N. M. R. (2012). Interação educadora-criança em creches públicas: estilos linguísticos. Psicologia em Estudo, 17(1), 15-25. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722012000100003

Rosemberg, F. & Artes, A. (2012). O rural e o urbano na oferta de educação para crianças de até 6 anos. In Barbosa, M. C. S. et al. (Org.), Oferta e demanda de educação infantil no campo (pp. 13-69). Porto Alegre: Evangraf.

Silva, A. P. S. & Souza, T. N. (2014). Educación de ni-os y ni-as de 0 a 5 a-os em brasil: retos para la política y práctica de la educación infantil en el medio rural. Tabanque Revista pedagógica, 27, 65-82.

Silva, A. P. S., Pasuch, J., & Silva, J. B. (2012). Educação infantil do campo. São Paulo: Cortez.

Volpato, C. F. & Melo, S. A. (2005) Trabalho e Formação dos Educadores de creche em Botucatu: Reflexões críticas. Cadernos de Pesquisa, 35(126), 723-745. http://dx.doi.org/10.1590/s0100-15742005000300010

Vygotsky, L. S. (1984/2015). A formação social da mente (7ª ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Publicado
2016-06-23
Como Citar
Borges, L. C., Vasconcelos, D. C., & Salomão, N. M. R. (2016). Educação infantil em contexto não urbano: um estudo com educadoras. Psico, 47(3), 238-247. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2016.3.22567
Seção
Artigos