Evidências de validade do Zulliger-sc para avaliação do relacionamento interpessoal de crianças

  • Fabiola Cristina Biasi Universidade São Francisco
  • Anna Elisa Villemor-Amaral Universidade São Francisco
Palavras-chave: Avaliação Psicológica, Zulliger-SC, Crianças, Evidência de Validade

Resumo

Objetivou-se examinar evidências de validade de critério para o teste de Zulliger-Sistema Compreensivo (ZSC), tendo como foco os indicadores de relacionamento interpessoal. 119 crianças, de ambos os sexos, do quarto ao sexto ano do ensino fundamental, responderam a um sociograma para a seleção de dois grupos de participantes: o primeiro contendo 26, classificadas como mais populares e 22 classificadas como menos populares. Esses dois grupos responderam ao ZSC. Considerou-se para a análise as seguintes variáveis: M, FM, m; a e p; COP e AG; GHR e PHR; FT, TF e T; Food; PER; PureH, SumH e Índice de Isolamento. Os indicadores, mais frequentes nas crianças mais populares com diferenças estatisticamente significativas, foram Mp (p=0,04), p (p=0,05) e marginalmente significativa PureH (p=0,06). No grupo de crianças menos populares a maior frequência estatisticamente significativa foi H<(H)+Hd+(Hd) (x2=4,16, p=0,04). Conclui-se que quatro variáveis contribuíram para discriminar os grupos, o que evidencia validade de critério.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiola Cristina Biasi, Universidade São Francisco
Psicóloga, mestre pelo Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Psicologia da Universidade São Francisco (área de concentração em Avaliação Psicológica), Campus Itatiba. Docente do curso de graduação de Psicologia da mesma universidade nos Campi de Campinas e Itatiba.
Anna Elisa Villemor-Amaral, Universidade São Francisco
Graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1981), com mestrado (1990) e doutorado (1996) em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM), tendo desenvolvido suas teses na área de Disturbios da Comunicação e da Avaliação Psicológica por meio de métodos projetivos, no contexto de saúde, atendimento hospitalare psicossomática. Fez pós-doutorado na Universidade da Savoia na França em 2003, trabalhando na perspectiva da Psicopatologia Fenômeno-estrutural. Psicóloga clínica com atuação em Psicanálise e Psicodiagnóstico. Foi membro do Instituto de Psicanálise da Sociedade Brasileira de Psicanálise e fez diversos cursos de aperfeiçoamento em psicodiagnóstico. Atualmente é Professora Associada Doutora do Programa de Pós-Graduação Strico Sensu em Psicologia da Universidade São Francisco e líder do grupo de pesquisa Avaliação Psicológica em Saude Mental. É também professora da Faculdade de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Desenvolve pesquisas na área de Psicologia da saúde e psicopatologia com Métodos Projetivos, especialmente o Rorschach, Pfister e Zulliger, sendo Bolsista Produtividade CNPq. Presidiu a Associação Brasileira de Rorschach e Métodos Projetivos no período de 2002 a 2006 e hoje é membro de seu conselho consultivo. Foi coordenadora do GT de Métodos Projetivos da ANPEPP de 2008 a 2012. Membro da International Rorschach Society e da Society for Personality Assessment

Referências

American Educational Rersearch Association, American Psychological Association National Council On Measurement In Education. (1999). Standards for Educational and Psychological Testing. Washington, DC: AERA.

Anzieu, D. (1989). Os métodos projetivos (5ª ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Balbi Neto, R. R. Q. & Queiroz, S. S. (2012). Indícios de validade do déficit relacional no Método de Rorschach para população adulta não paciente. Psico-USF, 17(3), 475-484. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712012000300014

Bandeira, D. R, Trentini, C. M., Winck, G. E. & Lieberknecht, L. (2006) Considerações sobre as técnicas projetivas no contexto atual. In A. P. Noronha, A. A. A. Santos, & F. F. Sisto (Org.). Facetas do Fazer em Avaliação Psicológica (pp. 125-138). São Paulo: Vetor.

Bartholomeu, D., Carvalho, L. F., Silva, M. C. R., Miguel, F. K., & Machado, A. A. (2011). Aceitação e rejeição entre pares e habilidades sociais em universitários. Estudos de Psicologia, 16(2), 155-162. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2011000200006

Bartholomeu, D., Montiel, J. M., & Pessotto, F. (2011). Sociometria e habilidades sociais em alunos do ensino médio. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 2(2), 211-228. http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2011v2n2p211

Davoglio, T. R., Gauer, G. J. C., Jaeger, J. V. H., & Tolotti, M. D. (2012). Personalidade e psicopatia: implicações diagnósticas na infância e adolescência. Estudos de Psicologia, 17(3), 453-460. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2012000300014

Exner, J. E. & Sendin, C. (1999). Manual de interpretação do Rorschach para o sistema compreensivo. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Grazziotin, J. B. D. & Scortegagna, S. A. (2012). Zulliger e habilidade social: evidências de validade no contexto empresarial. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25(1), 69-78. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-79722012000100009

Hisatugo, C. L. & Custódio, E. M. (2013). Avaliação psicológica e da personalidade e o estudo normativo do Rorschach para o uso em crianças brasileiras. Psicólogo inFormação, 17, 79-86. http://dx.doi.org/10.15603/2176-0969/pi.v17n17p79-86

Landis, J. R. & Koch, G. G. (1977). The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics, 33(1), 159-174. http://dx.doi.org/10.2307/2529310

Lis, A., Magro, T. & Rossi, G. (1990). A comparison between the Zulliger Test individually administered and the Rorschach Test in children aged 6 11. British Journal of Projective Psychology, 35(2), 35-48.

Moreno, J. L. (2008). Quem sobreviverá? Fundamentos da sociometria, da psicoterapia e do sociodrama [Who shall survive? Foundations of sociometry group psychotherapy and sociodrama] (M. Aguiar, Trad.). São Paulo: Daimon (Trabalho original publicado em 1953).

Nunes, M. L. T, Teixeira, R. P., & Deakin, E. K. (2010). Técnicas projetivas e avaliação de psicoterapia psicanalítica com crianças. In M. L. T. Nunes (Org.). Técnicas projetivas com crianças (pp. 145-169). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Perez-Ramos, A. L. Q (2000). Avaliação prospectiva: o exame precoce da criança. In J. A. Cunha. Psicodiagnóstico V (pp. 151-157). Porto Alegre: Artmed.

Primi, R., Muniz, M., & Nunes, C. H. S. S. (2009). Definições contemporâneas de validade de testes psicológicos. In C. S. Hutz (Org.). Avanços polêmicos em avaliação psicológica (pp. 243-265). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Resende, A. C., Carvalho, T. C. R., & Martins, W. (2012). Desempenho Médio de Crianças e Adolescentes no Método de Rorschach Sistema Compreensivo. Avaliação Psicológica, 11(3), 375-394.

Sandahl, C., Mattlar, C. E, Carlsson, A., Vesala, P., & Rosenqvist, A. (1990) The personality structure for the normal adults, as revealed by the Zulliger. British Journal of Projective Psychology, 35(2), 54-60.

Schelini, P. W., Gomes, V. L. T., & Wechsler, S. M. (2006). Avaliação psicológica infantil: aspectos cognitivos e neuropsicológicos. In A. P. Noronha, A. A. A. Santos, & F. F. Sisto (Org.). Facetas do Fazer em Avaliação Psicológica (pp. 81-94). São Paulo: Vetor.

Tavares, M. (2003). Validade clínica. Psico-USF, 8(2), 125-136.

Tavella, R. R. & Villemor-Amaral, A. E. (2014). O teste de Zulliger-SC: avaliação da criatividade em crianças. Estudos de Psicologia, 31(4) , 489-497. http://dx.doi.org/10.1590/0103-166X2014000400003

Uhinki, A., Mattlar, C. E., Sandahl, P., Vesala, A., & Carlsson (1990). Personality traits characteristic for adolescents highlighted by the Zulliger. British Journal of Projective Psychology, 35(2), 49-53.

Urbina, S. (2007). Fundamentos da testagem psicológica. Porto Alegre: Artmed.

Vaz, C. E. (1998). Z-teste: técnica de Zulliger – forma coletiva. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Viglione, D. J., Perry, W., & Meyer, G. J. (2003). Refinements in the Rorschach Ego Impairment Index incorporating the Human Representational Variable. Journal of Personality Assessment, 81, 149 156. http://dx.doi.org/10.1207/S15327752JPA8102_06

Villemor-Amaral, A. E. & Primi, R. (2009). O Teste de Zulliger no Sistema Compreensivo (ZSC): forma individual. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Weiner, I. B. (2000). Princípios da interpretação do Rorschach. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Zulliger, H. & Salomon, F. (1970). El test de Zulliger: un test individual y colectivo. Buenos Aires: Kapelusz.

Publicado
2016-01-26
Como Citar
Biasi, F. C., & Villemor-Amaral, A. E. (2016). Evidências de validade do Zulliger-sc para avaliação do relacionamento interpessoal de crianças. Psico, 47(1), 13-23. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2016.1.19990
Seção
Artigos