Repercussões da Aposentadoria na Dinâmica Relacional Familiar na Perspectiva do Casal

  • Marcos Henrique Antunes Universidade Federal de Santa Catarina
  • Dulce Helena Penna Soares Universidade Federal de Santa Catarina
  • Carmen Leontina Ojeda Ocampo Moré Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Aposentadoria, família, relações familiares, relações conjugais.

Resumo

Este estudo de natureza qualitativa foi desenvolvido com o objetivo de compreender as repercussões da aposentadoria na dinâmica relacional familiar na perspectiva do casal. Participaram da pesquisa 06 casais aposentados com estrutura familiar composta pelos subsistemas conjugal/parental e fraternal/filhos. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevistas semiestruturadas. Os dados foram analisados, organizados e integrados em categorias, seguindo os princípios da Grounded Theory. Os resultados evidenciaram que a aposentadoria é um estressor no ciclo vital da família, visto que a iminência deste período ocasiona a reorganização do sistema familiar, afetando os padrões comportamentais e a qualidade dos vínculos estabelecidos entre o casal e destes com seus filhos. Ressalta-se a importância de considerar as regras implícitas e explícitas que foram construídas ao longo dos anos de convívio, pois essa tarefa se constitui um desafio para a família nessa etapa do ciclo vital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Henrique Antunes, Universidade Federal de Santa Catarina
Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina.
Dulce Helena Penna Soares, Universidade Federal de Santa Catarina
Doutora em Psicologia Clínica pela Universidade Luis Pasteur, França. Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina.
Carmen Leontina Ojeda Ocampo Moré, Universidade Federal de Santa Catarina
Doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

Amazonas, M. C. L. A., Vieira, L. L. F., & Pinto, V. C. (2011). Modos de subjetivação femininos, família e trabalho. Psicologia: Ciência e Profissão, 31(2), 314-327. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932011000200009

Andolfi, M. (2003). Manual de psicología relacional: la dimension familiar. Colombia: La Sillueta Ediciones Ltda.

Antunes, M. H., Soares, D. H. P., & Silva, N. (2013). Aposentadoria e Contexto Familiar: um estudo sobre as orientações teóricas da produção científica. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 3, 45-56.

Azevedo, R. P. C., & Carvalho, A. M. (2006). O lugar da família na rede social do lazer após a aposentadoria. Revista brasileira de crescimento e desenvolvimento humano, 16(3), 76-82.

Brasil, C. N. S. (1996). Resolução no 196, de 10 de Outubro de 1996. Retrieved from: 24/05/2012, https://www.conselho.saude.gov.br/resolucoes/1996/reso196.doc

Carter, B., & McGoldrick, M. (1995). As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para terapia familiar (2a ed.). Porto Alegre, Artes Médicas.

Cerveny, C. M. O. (2011). Considerações sobre nossa visita ao ciclo vital. In C. M. O., Cerveny & C. M. E., Berthoud (Eds.). Visitando a família ao longo do ciclo vital (pp. 161-169). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Cerveny, C. M. O., & Berthoud, C. M. E. (1997). Família e Ciclo Vital: nossa realidade em pesquisa. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Coelho, M. R. M. V. P. (2011). Visitando a fase última. In C. M. O., Cerveny & C. M. E., Berthoud. Visitando a família ao longo do ciclo vital (pp. 127-160). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Couto, M. C. P. P., Prati, L. E., Falcão, D. V. S., & Koller, S. H. (2008). Terapia Familiar Sistêmica e idosos: contribuições e desafios. Revista de Psicologia Clínica, 20(1), 135-162. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-56652008000100009

Denton, F. T. & Spencer, B. G. (2009). What is retirement? A review and assessment of alternative concepts and measures. Canadian Journal on Aging, 28(1), 63-76. doi: 10.1017/S0714980809090047

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (2000). Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage.

Duarte, C. M. & Melo-Silva, L. L. (2009). Expectativas diante da aposentadoria: um estudo de acompanhamento em momento de transição. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 10(1), 45-54.

França, L. H. F. P. (2009). Influências sociais nas atitudes dos 'Top' executivos em face da aposentadoria: um estudo transcultural. Revista de Administração contemporânea, 13(1), 17-35. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552009000100003

França, L. H. F. P., Menezes, G. S., & Siqueira, A. R. (2012). Planejamento para aposentadoria: a visão dos garis. Revista brasileira de geriatria e gerontologia, 15(4), 733-745. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232012000400012

França, L. H. F. P., Menezes, G. S., Bendassolli, P. F., & Macedo, L. S. S. (2013). Aposentar-se ou continuar trabalhando? O que influencia essa decisão? Psicologia: Ciência e Profissão, 33(3), 548-563. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932013000300004

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2011). Censo Demográfico 2010: resultados preliminares da amostra. Retrivied from: 10/05/2012, ftp://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/Resultados_Pre liminares_Amostra/t abelas_de_resultados.zip

Johnson, R. W. (2009). Family, Public Policy, and Retirement Decisions: Introduction to the Special Issue. Research on Aging, 31(2), 139- 152. doi: 10.1177/0164027508328307

Magalhães, M. O., Krieger, D. V., Vivian, A. G., Straliotto, M. C. S., & Poeta, M. P. (2004). Padrões de ajustamento na aposentadoria. Aletheia, 19, 57-68.

McCullough, P. & Rutenberg, S. (1995). Lançando os filhos e seguindo em frente. In B. Carter & M. McGoldrick. As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para terapia familiar (pp. 248-268). Porto Alegre: Artes Médicas.

Minuchin, S. (1982). Famílias: funcionamento & tratamento. Porto Alegre: Artes Médicas.

Nahum-Shani, I. & Bamberger, P. A. (2011). Work hours, retirement, and supportive relations among older adults. Journal of Organizational Behavior, 32(1), 345-369. doi: 10.1002/job.662

Nichols, M. & Schwartz, R. (2007). Terapia Familiar: conceitos e métodos. Porto Alegre: Artmed.

Oliveira, A. L. & Cerveny, C. M . O. (2011). Visitando a família madura. In C. M. O., Cerveny & C. M. E., Berthoud. Visitando a família ao longo do ciclo vital (pp. 85-126). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Rodrigues, C. L. (2001). Homem de pijama: o imaginário masculino em relação à aposentadoria. Revista Kairós, 4(2), 69-82.

Soares, D. H. P., Costa, A. B., Rosa, A. M., & Oliveira, M. L. (2007). Aposenta-Ação: Programa de Preparação para Aposentadoria. Revista Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, 12, 143-161.

Strauss, A. & Corbin, K. (2008). Pesquisa Qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Artmed.

Szinovacz, M. E. (2003). Contexts and pathways: Retirement as institution, process, and experience. In G. E. Adams & T. A. Beehr (Eds.). Retirement: Reasons, processes and outcomes (pp. 6-52). New York: Springer.

Szinovacz, M. E., Ekerdt, D. J., Butt, A., Barton, K., & Oala, C. R. (2012). Families and Retirement. In R. Blieszner & V. H. Bedford (Eds.). Handbook of families and aging (pp. 461-488). Califórnia: ABC-CLIO LLC.

Walsh, F. (1995). A família no estágio tardio da vida. In B. Carter & M. McGoldrick. As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para terapia familiar (pp. 269-290). Porto Alegre: Artes Médicas.

Walsh, F. (2005). Fortalecendo a resiliência familiar. São Paulo: Roca.

Zanelli, J. C. (2012). Processos Psicossociais, bem-estar e estresse na aposentadoria. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 12(3), 329-340.

Zanelli, J. C., Silva, N., & Soares, D. H. P. (2010). Orientação para aposentadoria nas organizações de trabalho: construção de projetos para o pós-carreira. Porto Alegre: Artmed.

Publicado
2015-12-08
Como Citar
Antunes, M. H., Soares, D. H. P., & Moré, C. L. O. O. (2015). Repercussões da Aposentadoria na Dinâmica Relacional Familiar na Perspectiva do Casal. Psico, 46(4), 432-441. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2015.4.19495
Seção
Artigos