As representações do preso em “Estação Carandiru”

  • Márcia Pedroso Universidade Luterana do Brasil
  • Pedrinho Guareschi Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Representação, preso, ideologia

Resumo

A Casa de Detenção de São Paulo, conhecida pelo nome do bairro onde se localizava, o Carandiru era o maior conjunto prisional da América Latina. Em 02 de outubro de 1992, a Casa de Detenção sofreu o trágico episódio que ficaria conhecido mundialmente como o “Massacre do Carandiru”. Diante da inegável exposição da miséria humana, no dia 08 de dezembro de 1992 parte do Complexo do Carandiru, após ter sido progressivamente desativado, foi implodido. Em 1999, o médico Drauzio Varella lançou o livro “Estação Carandiru”, contando sua experiência de 12 anos como médico na Casa de Detenção. A proposta do presente trabalho é tentar problematizar as ideias que integram a obra de Drauzio Varella como prováveis ratificadoras do massacre e naturalizadoras do sistema prisional. Há, neste trabalho, uma tentativa de incursão no conteúdo do livro “Estação Carandiru”, tomando-o como um dos elementos cruciais na história da Casa de Detenção de São Paulo, como propulsor de sua visibilidade e, ao mesmo tempo, difusor de ciladas ideológicas a respeito da prisão e de seus personagens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Pedroso, Universidade Luterana do Brasil
Graduação em Psicologia e mestrado em Desenvolvimento Regional, ambos pela Universidade de Santa Cruz do Sul. Doutorado em psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
Pedrinho Guareschi, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Graduação em Filosofia pela Faculdade de Filosofia Imaculada Conceição, graduação em Teologia pelo Instituto Redentorista de Estudos Superiores de São Paulo, Pós Graduação em Sociologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. O Mal-estar da Pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e Ambivalência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1999.

CHALHOUB, Sidney. Cidade Febril: cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

FORGHIERI, Yolanda C. Psicologia Fenomenológica: fundamentos, métodos e pesquisas. São Paulo: Pioneira, 1993.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 1988.

GUARESCHI, Pedrinho. Os construtores da informação: meios de comunicação, ideologia e ética. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

GUARESCHI, Pedrinho. Psicologia Social Crítica: como prática de libertação. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

JODELET, Denise. Loucuras e Representações Sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. 3ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

THOMPSON, John. Ideologia e cultura moderna: teórica crítica na era dos meios de comunicação de massa. 6ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

VARELLA, Drauzio. Estação Carandiru. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

Como Citar
Pedroso, M., & Guareschi, P. (2010). As representações do preso em “Estação Carandiru”. Revista FAMECOS, 17(1), 94-111. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2010.1.6884
Seção
Representação e Produção de Sentidos