A solidão difusa das sociedades da (in) comunicação

  • Tarcyanie Cajueiro dos Santos Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Subjetividade, solidão, sociabilidade

Resumo

Este texto discute os resultados da tese de doutorado por uma cartografia da solidão, que delineia o aparecimento de uma solidão difusa e de difícil apreensão nas sociedades da comunicação. A solidão e os temas que lhe são próximos parecem ser vivenciados de uma forma diferente de outrora. Supõe-se que a solidão atualmente esteja ligada ao processo de fragmentação social e a um novo tipo de sociabilidade associados a um maior impacto da vivência técnica em nossas vidas por meio dos media e de uma nova subjetividade. No regime mediocrático do já sentido emerge uma nova forma de subjetivação baseada no indivíduo incerto, cansado de ter que ser si mesmo. Neste sentido, a solidão, outrora vista como um tipo libertação, passa agora a ser vivenciada como depressão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tarcyanie Cajueiro dos Santos, Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo
Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo

Referências

BATAILLE. O Erotismo. Porto Alegre: L&pm, 1987.

BAUDRlLLARD,J. [1978). À sombra das maiorias silenciosas: o fim do social e o surgimento das massas. São Paulo, Brasiliense, 1985.

BAUDRlLLARD, Jean & GUILLAUME, M. Figures de l'auterité. Paris: Descartes & Cie, 1994.

BOSS,Medard. "Solitude et communauté". ln: Solitude et communication: textes de conférences et des entretiens organisés par les vingt-cinquiemes. Rencontres Intemationales de Geneve, Neudtâte: L'éditions de la Baconniere, 1975.

BRUCKNER, Pascal. A euforia perpétua: ensaio sobre a felicidade e o dever da felicidade. Rio de Janeiro: Difel, 2002.

COLETIVO NTC. Pensar-pulsar: cultura comunicacional, tecnologias, velocidade. Coletivo NTC, São Paulo: Ed. NTC, 1996.

DELEUZE, Gilles. Conversações,1972-1990. Rio de Janeiro, 2000.

______. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, 34 Ed., v.2. Rio de Janeiro, 1995.

DOLTO, Françoise. Solidão. São Paulo: Martins Fonte, 1998.

EHRENBERG, Alain. La fatigue d'être saí: dépression et société. Paris: Editions Odile Jacob, 1998.

______. L'individu incertain. Paris: CalmanLévy, 1995.

FERRY, Luc. L'Homme-Dieu ou le sens de la vie. Paris: Grasset. & Fasquelle, 1996.

FIGUEIREDO, Luís C. M. A invenção do psicológico: quatro séculos de subjetivação (1500- 1900). São Paulo: Educ, 1994.

GIDDENS, Anthony. As conseqüências da modernidade. São Paulo: UNESP, 1991.

______. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: Ed Unesp, 1993.

______. Modem idade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

GILES, Thomas Ransom. História do existencialismo. São Paulo: Ed. Da Universidade de São Paulo, 1975.

GUATI ARI. "Da produção da subjetividade". ln: Imagem-máquina: a era das tecnologias do virtual. PARENTE, André (org.). Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1996.

HANDKE, Peter. A mulher canhota. São Paulo: Brasiliense, 1985.

HANNOUN, Michel. Solitudes et Sociétés. Paris: Presses Universitaires de France, 1993.

HARVEY, David. A condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, 1992.

J AMESON, Frederic. Pós -modernismo. A lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1996.

KRISTEVA, Julia. As novas doenças da alma. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

______. Sol Negro: depressão e melancolia. Rio de Janeiro: Rocco, 1989.

KROKER, Arthur & COOK, David. The postmodern scene: excremental culture and hyperaesthesis. Hound mills: MacMillan Education, 1991.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio: ensaio sobre o individualismo contemporâneo. Lisboa: Relógio D' Água, 1988.

______. O crepúsculo do dever: a ética indolor dos novos tempos democráticos. Lisboa: Publicações Don Quixote, 1994.

MARCONDES FILHO, Ciro. Sociedade Frankstein. São Paulo: mimeo, 1991.

______. Superciber: a civilização místicotecnológica do século 21: sobrevivência e ações possíveis : texto introdutório. São Paulo: Ática/ ECA-USP, 2000.

MARC, Augé. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas, São Paulo, Papirus, 1994.

MARCUSE. Ideologia da sociedade industrial: o homem unidimensional. Rio de Janeiro, Zahar, 1982.

MOUTAKAS, Oark. Loneliness. Englewood Oifs, N. J: Prentice Hall, 1961.

PAZ, Octávio. O labirinto da solidão e post scriptum. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

PERNIOLA, Mario. Do sentir. Lisboa: Presença, 1993.

SALOMON, Andrew. O demônio do meio dia: uma anatomia da depressão. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

SFEZ, Lucien. Crítica da comunicação. São Paulo: Loyola, 1994.

STORR, Anthony. Solidão. São Paulo: Paulus, 1996.

TURKLE, Sherry. "Fronteiras do Real e do Virtual". ln: revista FAMECOS. Porto Alegre, no. 11, dez. 1999.

______. The second self: computers and the human spirit. New York: Simon and Schuster, 1984.

Publicado
2008-04-14
Como Citar
Santos, T. C. dos. (2008). A solidão difusa das sociedades da (in) comunicação. Revista FAMECOS, 14(33), 115-123. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2007.33.3442
Seção
O Mal Contemporâneo