O fascínio da simulação da vida: por que as crianças jogam (e gostam) do game The Sims

  • Dulce Márcia Cruz Universidade Regional de Blumenau (FURB)
  • Fernando Luiz Krüger Universidade Regional de Blumenau (FURB)
Palavras-chave: Comunicação, videogames, cibercultura

Resumo

Este artigo discute o fascínio infanto-juvenil pelos games de simulação, a partir do estudo do jogo mais vendido no mundo, o The Sims, e do Fórum The Sims Brasil (TSB), uma comunidade virtual formada por seus jogadores no Brasil. Inicialmente, é feita uma breve revisão sobre a função social do jogo e sua in- fluência sobre a criança e são descritas as características do The Sims, analisando a função de cada elemento e a forma como foi transcrita a realidade para a simulação. A seguir, são analisados os resultados da pesquisa de campo a partir da observação da discussão sobre o jogo e da resposta a questionários enviados aos participantes do TSB, numa amostra composta por 67 crianças, a maioria na faixa etária entre 11 e 15 anos. Concluise que o The Sims atrai pelo alto grau de personalização e o controle total dos elementos do game, permitindo à criança testar hipóteses, tomar decisões, expressar seus sentimentos e desenvolver sua criatividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dulce Márcia Cruz, Universidade Regional de Blumenau (FURB)
Professora Associada da Universidade Federal de Santa Catarina no Departamento de Metodologia de Ensino (MEN), Universidade Aberta do Brasil e no Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro de Ciências da Educação (CED). Líder do Grupo de Pesquisa EDUMÍDIA: Educação, Comunicação e Mídias no CNPq. Pesquisa na área de Educação e Mídias, na interface entre a Comunicação, a Educação e a Linguagem: Letramentos (digital e midiático) e pedagogia dos multiletramentos. Games e educação. Mestrado em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (1994), doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001)
Fernando Luiz Krüger, Universidade Regional de Blumenau (FURB)
Professor da Universidade Regional de Blumenau.

Referências

ALVES, Ellen Desiderati. Jogos, Exercícios e Atividades na Educação Infantil. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Avançadas na Educação, 1997.

CHATEAU, Jean. O Jogo e a Criança. São Paulo: Summus, 1987.

ERIKSON, Erik Homburguer. Infância e Sociedade. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1971.

HAGEL, John. Vantagem Competitiva na Internet: como criar uma nova cultura empresarial para atuar nas comunidades virtuais. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. 4a ed. São Paulo: Perspectiva, 1993.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O Jogo e a Educação Infantil. São Paulo: Pioneira, 1994.

KRÜGER, Fernando Luiz, CRUZ, Dulce Márcia. “Os Jogos Eletrônicos de Simulação e a Criança”. Revista Fronteiras Estudos Midiáticos, São Leopoldo-RS, v. IV, n. 1, p. 65-80, 2002a.

KRÜGER, Fernando Luiz, CRUZ, Dulce Márcia. “The Sims e Crianças: a percepção do real e do imaginário”. In: Anais XXV Intercom – Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Salvador, 2002b.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

PAPERT, Seymour. A Máquina das Crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

PIAGET, Jean. A Formação do Símbolo na Criança: imitação, jogo e sonho. 3ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

POPCORN, Faith e MARIGOLD, Lys. Click: 16 tendências que irão transformar sua vida, seu trabalho e seus negócios no futuro. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

RHEINGOLD, Howard. “Comunidades Virtuais”. In A Comunidade do Futuro. São Paulo: Futura, 1998.

ROSAMILHA, Nelson. Psicologia do jogo e aprendizagem infantil. São Paulo: Pioneira, 1979.

TURKLE, Sherry. A Vida no Ecrã: a identidade na era da internet. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 1997.

ULRICH, Dave. “Seis práticas para criar comunidades de valores e não de proximidade”. In A Comunidade do Futuro. São Paulo: Futura, 1998.

WRIGHT, Will. “Bastidores dos Jogos: Maxis”. In Gamespot, 2001. Disponível em: http://zdnet.terra.com.br/pt/gamespot/stories/behindgames/1,,8018282,00.html Acesso em: 1 abr. 2001.

Publicado
2008-04-12
Como Citar
Márcia Cruz, D., & Luiz Krüger, F. (2008). O fascínio da simulação da vida: por que as crianças jogam (e gostam) do game The Sims. Revista FAMECOS, 11(23), 59-69. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2004.23.3249
Seção
Cibercultura