Circuito produtivo da Agência Pública e as possibilidades para a expansão das liberdades

Palavras-chave: Agência de reportagens, Circuito produtivo, Desenvolvimento como liberdade

Resumo

Experiências de produção jornalísticas alternativas ao modelo hegemônico são registradas há pelo menos um século no Brasil. Entre os representantes contemporâneos dessa prática jornalística está a agência de reportagens investigativas Pública. O artigo busca compreender a proposta de produção da Agência Pública e sua possível autonomia na produção de conteúdos, examinando a possibilidade do conteúdo veiculado pela agência potencialmente contribuir para expansão das liberdades individuais, propostas por Amartya Sen (2010), capazes de levar ao desenvolvimento da sociedade. Utiliza-se como protocolo teórico-metodológico o circuito da cultura, de Richard Johnson (2010), com categorias pré-definidas. Faz-se uso da entrevista e da análise documental. A pesquisa conclui que a estratégia produtiva da Pública, de operar com autonomia em relação à publicidade e sem fins lucrativos, com distribuição gratuita do conteúdo e tendo como foco a exposição das fragilidades da realidade social brasileira, materializada numa reportagem analisada, pode contribuir para a expansão das liberdades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ângela Cristina Trevisan Felippi, Universidade de Santa Cruz do Sul
Doutora em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Docente da Universidade de Santa Cruz do Sul. Santa Cruz do Sul, RS, Brasil. E-mail: [email protected]
Vanessa Costa de Oliveira, Universidade de Santa Cruz do Sul
Doutoranda e Mestra em Desenvolvimento Regional e jornalista, ambos pela Universidade de Santa Cruz do Sul, RS, Brasil. E-mail: [email protected]

Referências

ANUÁRIO BRASILEIRO DO TABACO 2015. Santa Cruz do Sul. Editora Gazeta, 2015. Disponível em: <http://www.editoragazeta.com.br/wpcontent/uploads/2016/12/PDF-TABACO_2016.pdf>. Acesso em: 12 abr. 2017.

AGÊNCIA PÚBLICA. Sobre. 2017. Disponível em <http://PUBLICA.org/quemsomos/#sobre>. Acesso em: 10 abr. 2017.

______. Estatuto do Centro de Jornalismo Investigativo. 2011. Disponível em:<http://PUBLICA.org/quem-somos/#sobre>. Acesso em: 10 abr. 2017.

BORDENAVE, Juan E. Diaz. O que é comunicação rural? São Paulo: Brasiliense, 1985.

______. Novas perspectivas na capacitação em comunicação para o desenvolvimento rural. Rio de Janeiro: INCA, 1974.

BUCCI, Eugênio. Sobre ética e imprensa. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

DORNELLES, Mizael; SILVEIRA, Rogério Leandro Lima da. A produção de tabaco no sul do Brasil: um olhar geográfico sobre a sua dinâmica produtiva e organização territorial. In: SILVEIRA, Rogério Leandro Lima da (Org.). Tabaco, sociedade e território: relações e contradições no sul do Brasil. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2013. p. 23-40.

FELIPPI, Ângela C.T., ESCOSTEGUY, Ana Carolina. Jornalismo e estudos culturais: a contribuição de Jesús Martín-Barbero. Rumores, v. 7, n. 14, p. 8-27, 2013. Disponível em:<http://www.revistas.usp.br/Rumores/article/viewFile/69433/72013>. Acesso em: 15 out. 2015.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? São Paulo: Paz e Terra, 2011.

HEBERLÊ, Antonio. O papel dos Relações Públicas na comunicação para o desenvolvimento. In: GONÇALVES, Gisela; FELIPPI, Ângela. Comunicação, desenvolvimento e sustentabilidade. Covilhã: LabCom, 2014. p. 9-20.

HUNT, E. K.; SHERMAN, Howard J. História do pensamento econômico. Petrópolis: Vozes, 2010.

JOHNSON, Richard. O que é, afinal, os Estudos culturais? In: JOHNSON, Richard; ESCOSTEGUY, Ana Carolina; SCHULMSN, Norma. O que é, afinal, Estudos culturais? Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

LERNER, Daniel; SCHRAMM, Wilbur. Comunicação e mudança nos países em desenvolvimento. São Paulo: Melhoramentos, 1973.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações. Rio de Janeiro: UFRJ, 2003.

MCQUAIL, Denis.Atuação da mídia:comunicação de massa e interesse público. Porto Alegre: Penso, 2012.

MELO. José Marques de. Subdesenvolvimento, urbanização e comunicação. Petrópolis: Editora Vozes, 1977.

MOTA, Jessica. O trabalho jornalístico na Agência Pública. 2016. Arquivo de áudio digital (22min).

PERES, João; SILVA NETO, Moriti. Sob a fumaça, a dependência. Agência Pública. 26 out. 2015. Disponível em: <http://apublica.org/2015/10/sob-a-fumaca-adependencia/>.

Acesso em: 26 fev. 2017.

REGINATTO, Gisele Dotto. As finalidades do jornalismo: o que dizem os veículos, jornalistas e leitores. 2016. 260p. Tese (doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2016.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia de Bolso, 2010.

SILVA NETO, Moriti. A construção da pauta e o planejamento da apuração em campo para a reportagem Fumo, Fogo e Fumaça. Entrevistadora: V. C. Oliveira, 2015a. Arquivo de áudio digital (1h20min). Entrevista concedida à pesquisa A estratégia

produtiva de uma agência de reportagens na perspectiva da informação como fator para o desenvolvimento.

______. A apuração de campo para a reportagem Fumo, Fogo e Fumaça. Entrevistadora: V.C. Oliveira, 2015b. Arquivo de áudio digital (1h14min). Entrevista concedida à pesquisa A estratégia produtiva de uma agência de reportagens na perspectiva da informação como fator para o desenvolvimento.

SILVEIRA, Rogério Leandro Lima da (Org.).Tabaco, sociedade e território: relações e contradições no sul do Brasil. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2013.

VIANA, Natália. 2014. In: MALIN, Mauro. Agência Pública luta pelo bom jornalismo. Disponível em <http://observatoriodaimprensa.com.br/imprensa-emquestao/_

ed783_ agencia_publica_luta_pelo_bom_jornalismo_>. Acesso em: 11 set. 2016.

WILLIAMS, Raymond. Culture is ordinary. In: WILLIAMS, Raymond. Resources of hope: Culture, Democracy, Socialism. London: Verso, 1989, p. 3-14.

Publicado
2018-04-07
Como Citar
Felippi, Ângela C. T., & Oliveira, V. C. de. (2018). Circuito produtivo da Agência Pública e as possibilidades para a expansão das liberdades. Revista FAMECOS, 25(2), ID27593. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2018.2.27593
Seção
Jornalismo