RECONTEXTUALIZAÇÕES DO –ISMO: Disputas em torno do jornalismo "em crise"

  • Nuno Manna Universidade Federal da Bahia
  • Phellipy Jácome Universidade Federal de Minas Gerais
  • Thiago Ferreira Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Jornalismo, crise, contexto

Resumo

Este artigo tem por objetivo problematizar, através de um exercício historicizante, a ideia de uma “crise” do jornalismo diagnosticada por vários autores e agentes midiáticos contemporâneos. Para tanto, nos dedicamos a compreender e a inquerir uma série de discursos autorreferentes buscando, num primeiro momento, traçar as características desse “contexto de crise”. Como perceberemos, elas partem de um regime de crenças moderno que, sob a tutela de um –ismo, almeja delimitar as fronteiras do exercício jornalístico, a partir de um conjunto de valores, institucionalidades, que estariam, agora, sofrendo uma série de questionamentos e reiterações. Em seguida, analisamos algumas das respostas – advindos de mídias de “referência” e “alternativas” – que nos permitem perceber que concepções de jornalismo são atualizadas nesse contexto, e de que maneira diferentes agentes da mídia informativa reivindicam um lugar nessa recontextualização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nuno Manna, Universidade Federal da Bahia
Professor adjunto na Faculdade de Comunicação da UFBA
Phellipy Jácome, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor pelo PPGCom da UFMG e membro do Núcleo de Pesquisa Trama Comunicacionais

Thiago Ferreira, Universidade Federal da Bahia
Doutorando pela UFBA, membro do TRACC/Póscom-UFBA

Referências

ALBUQUERQUE, Afonso de. A modernização autoritária do jornalismo brasileiro. Revista Alceu, Rio de Janeiro, v. 10, n. 20, p. 100-115, jan./jun. 2010.

ALBUQUERQUE, Afonso de; GAGLIARDI, Juliana.The copy desk and the dilemmas of the institutionalization of the “modern journalism” in Brazil. Journalism Studies, London, v. 12, p. 80-91, 2011. https://doi.org/10.1080/1461670X.2010.511956

ALCIDES, Jota. O papel do jornal. Observatório da Imprensa, São Paulo, n. 841, 10 mar. 2015. Disponível em: http://observatoriodaimprensa.com.br/imprensa-em-questao/_ed841_o_papel_do_jornal Acesso em: mai. 2015.

ALMIRON, Núria. Journalism in crisis: corporate media and financialization. Cresskill: Hampton Press, 2010.

ANDERSON, Christopher. W.; BELL, Emily; SHIRKY, Clay. Jornalismo pós-industrial. Revista de Jornalismo da ESPM, São Paulo, n. 5, p. 30-89, abr./jun. 2013. Disponível em: http://www.espm.br/download/2012_revista_jornalismo/Revista_de_Jornalismo_ESPM_5/files/assets/common/downloads/REVISTA_5.pdf. Acesso em: 1 dez. 2016.

BABREU, Alzira Alves. A modernização da imprensa: 1970-2000. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

BARBOSA, Marialva. História cultural da imprensa: Brasil, 1900-2000. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

CHALABY, Jean K. Journalism as an anglo-american invention: a comparison of the development of french and anglo-american journalism, 1830s-1920s. European Journal of Communication, Thousand Oaks, v. 11, n. 3, p. 303-326, set. 1996. https://doi.org/10.1177/0267323196011003002

DAHLGREN, Peter. The troubling evolution of journalism. In: ZELIZER, Barbie (org.). The changing faces of journalism: tabloidization, technology and truthyness. New York: Routledge, p. 146-160, 2009.

DAHLGREN, Peter. Trazando la evolución del periodismo: el horizonte de la democracia. Revista Iberoamericana de Comunicación Infoamérica, Málaga, n. 2, p. 21-38, jan./abr. 2010

DINES, Alberto. O papel do jornal: tendências da comunicação e do jornalismo no mundoem crise. Rio de Janeiro: Artenova, 1974.

FERREIRA, Thiago. Mídia Ninja e juventude: corpos e afetos na disputa política e nas narrativas audiovisuais. In: JESUS, Eduardo; TRINDADE, Eneus; JANOTTI Jr., Jéder; ROXO, Marco (org.). Reinvenção comunicacional da política: modos de habitar e desabitar o século XXI. Salvador: EDUFBA; Brasília: Compós, p. 129-145, 2016.

FULLER, Jack. What is happening to news: the information explosion and the crisis in journalism. Chicago: University of Chicago Press, 2010. https://doi.org/10.7208/chicago/9780226268996.001.0001

GILLMOR, Dan. The end of objectivity. 20 Jan. 2005. Disponível em: http://dangillmor.typepad.com/dan_gillmor_on_grassroots/2005/01/the_end_of_obje.html. Acesso em: 4 dez. 2016.

GOMES, Itania e outros. Porque o jornalismo faz rir: matrizes midiáticas do programa Sensacionalista, do Multishow. In: LISBOA FILHO, Flavi Ferreira; BAPTISTA, Maria Manuel (org.). Estudos culturais e interfaces: objetos, metodologias e desenhos de investigação. Universidade de Aveiro, Programa Doutoral em Estudos Culturais. Santa Maria: UFSM, Programa de Pós-Graduação em Comunicação, 2016.

GROSSBERG, Lawrence. Cultural studies in the future tense. Durham and London: Duke University Press, 2010.

GRUPO O Globo. Disponível em: http://g1.globo.com/principios-editoriais-do-grupo-globo.html. Acesso em: 30 abr. 2010.

JÁCOME, P.; LEAL, B. S. ; MANNA, Nuno . Mudar para permanecer o mesmo: marcas de um discurso de autolegitimação jornalística na história. Galáxia (São Paulo. Online), v. 1, p. 149-162, 2017.

JOBIM, Danton. French and U.S. influences upon the latinamerican press. Journalism Quarterly, v.31. n. 1, p. 61-66, dez. 1954.

JORNALISTAS LIVRES. Quem Somos. Disponível em: https://jornalistaslivres.org/quem-somos. Acesso em: 06 de fev. 2017.

KAPLAN, Richard Lee. Politics and the American Press: the rise of objectivity, 1865-1920. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

__________________.The origins of objectivity in american journalism. In: ALLAN, Stuart (org.). The Routledge Companion to News and Journalism. London: Routledge, 2010. p. 25-37.

KOVACH, Bill; ROSENSTIEL, Tom. Os elementos do jornalismo: o que os jornalistas devem saber e o público exigir. 2. ed. São Paulo: Geração Editorial, 2004.

LAGE, Nilson Lemos; FARIA, Tales; RODRIGUES, Sérgio. Diário Carioca: o primeiro degrau para a modernidade. Estudos em Jornalismo e Mídia: Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 132-144, 2004.

LISBOA FILHO, Flavi Ferreira; BAPTISTA, Maria Manuel (org.). Estudos culturais e interfaces: objetos, metodologias e desenhos de investigação. Aveiro: Universidade de Aveiro, Programa Doutoral em Estudos Culturais. Santa Maria: UFSM, Programa de Pós-Graduação em Comunicação, 2016.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.

MÍDIA NINJA. Quem somos. Disponível em: https://ninja.oximity.com/partner/ninja/about. Acesso em 06 de fev. 2017.

MOTTA, Luiz Gonzaga. Crise nos paradigmas do jornalismo. Observatório da Imprensa, São Paulo, 21 ago. 2002. Disponível em: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos/da210820022.htm. Acesso em: 01 fev. 2014.

NERONE, John. The historical roots of the normative model of journalism. Journalism, Thousand Oaks, v.14, n.4, p. 446-458, 2013.

_____________.The journalism tradition. In: EADIE, Wilian F. 21st Century Communication: a reference handbook. Thousand Oaks: Sage, p. 31-38, 2009.

NOBLAT, Ricardo. A arte de fazer um jornal diário. São Paulo: Contexto, 2008.

O JORNAL do futuro. Direção Fernando Andrade. Trilha, Edição e Mixagem de Som: B, A, START!. São Paulo: Spray Filmes, 2010. (18 min), som., color., arquivo digital.

OXIMITY. Perfil Mídia Ninja no Oximity. Disponível em: https://ninja.oximity.com/partner/ninja/about. Acesso em: 6 fev. 2017.

PORTAL IMPRENSA. Mídia Ninja ultrapassa grandes veículos em engajamento no Facebook. Disponível em: http://portalimprensa.com.br/noticias/brasil/78276/midia+ninja+ultrapassa+grandes+veiculos+em+engajamento+no+facebook. Acesso em: 26 abr. 2017.

Redação Portal Imprensa. Mídia Ninja ultrapassa grandes veículos em engajamento no Facebook. 9 set. 2016. Disponível em: http://portalimprensa.com.br/noticias/brasil/78276/midia+ninja+ultrapassa+grandes+veiculos+em+engajamento+no+facebook.Acesso em: 26 abr. 2017.

RIBEIRO, Ana Paula Goulart. Imprensa e história no Rio de Janeiro dos anos 50. Rio de Janeiro: E-papers, 2007.

ROSEN, Jay. Para além da objectividade. Revista de Comunicação e Linguagens, Lisboa, n. 27, 2003.

SANT’ANNA, Lourival. O destino do jornal: a Folha de S. Paulo, O Globo e O Estado de São Paulo na sociedade da informação. Rio de Janeiro: Record, 2008.

SCHILLER, Dan. Objectivity and the news: the public and the rise of commercial journalism. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1981.

SCHLESINGER, Philip. Is there a crisis in british journalism? Media, Culture & Society, London,v. 28, n. 2, p. 299-307, mar., 2006.

SCHUDSON, Michael. Descobrindo a notícia. Uma história social dos jornais nos Estados Unidos. Petrópolis: Vozes, 2010.

______.The objectivity norm in american journalism. Journalism, Thousand Oaks, v. 2, n. 2, p.149-170, 2001.

STARR, Paul. An unexpected crisis: the news media in postindustrial democracies.International Journal of Press/Politics, v. 17, n. 2, p. 1-9, fev., 2012.

YOUNG, Sally. The Journalism “crisis”: is Australia immune or just ahead of its time? Journalism Studies, London, v. 11, n. 4, p. 610-624, mar. 2010. https://doi.org/10.1080/14616701003638517

ZELIZER, Barbie. Public spheres, imagined communities, and the underdeveloped historicalunderstanding of journalism. In: ZELIZER, Barbie (org.). Explorations in communicationand history. New York: Routledge, p. 181-189, 2008.

ZELIZER, Barbie. Why journalism’s changing faces matter. In: ZELIZER, Barbie (org.). The changing faces of journalism: tabloidization, technology and truthyness. New York: Routledge, p. 1-10, 2009.

Publicado
2017-08-01
Como Citar
Manna, N., Jácome, P., & Ferreira, T. (2017). RECONTEXTUALIZAÇÕES DO –ISMO: Disputas em torno do jornalismo "em crise". Revista FAMECOS, 24(3), ID26991. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2017.3.26991
Seção
Dossiê