Historicidade e Contexto em perspectiva Histórica e Comunicacional

Palavras-chave: Historicidade, Contexto, Comunicação

Resumo

O presente artigo se dedica a abordar sobre os conceitos de Historicidade e Contexto e sua aplicabilidade no ambiente da historiografia e da comunicação. Parte-se de uma revisão de literatura para desvendar os caminhos do conceito de historicidade a partir da Fenomenologia no ambiente da Filosofia e sua visualização, compreensão e aplicabilidade pelos historiadores. Posteriormente, explicitamos o conceito de contexto na história e na comunicação e, por fim, chegamos aos modos de comunicação dos escravos brasileiros, como ponto inflexivo de aplicabilidade da questão histórica e conceitual. Seu mundo, suas sociabilidades, formas e agir comunicativo, assim como, manifestações culturais dão visualidade aos conceitos mencionados. O processo metodológico é qualitativo e pautado na potencialidade de interseção entre os campos teóricos visitados e o espaço empírico observado. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marialva Carlos Barbosa, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFRJ. Presidente da INTERCOM
Ana Regina Rego, Universidade Federal do Piauí
Professora e Coordenadora do Progama de Pós-Graduação em Comunicação da UFPI. Presidente da ALCAR.

Referências

BARBOSA, Marialva. Escravos e o mundo da comunicação. Oralidade, leitura e escrita no século XIX. Rio de Janeiro: Mauad, 2016.

______. História da comunicação no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2013.

BURKE, Peter. O que é história cultural? Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

CARDOSO, Ciro Flamarion. Ensaios racionalistas. Rio de Janeiro: Campus, 1988.

CERTEAU, Michel. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense, 2011.

GADAMER, Hans-Georg. Hegel, Husserl, Heidegger. Petropólis: Vozes, 2012.

GINZBURG, Carlos. A micro-história e outros ensaios. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

HABSBURGO, Maximiliano de. Bahia 1869: esboços de viagem. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1982.

HAVELOCK, Eric. A equação oralidade-cultura escrita: uma fórmula para a mente moderna. In: OLSON, David Richard; TORRANCE, Nancy. Cultura escrita e oralidade. São Paulo: Ática,1995.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Filosofia da história. Brasília: UNB, 2008.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Petrópolis: Vozes, 2005.

HELLER, Agnes. Uma teoria da história. São Paulo: Brasiliense, 1993.

IBER, Christian. Historicidade da filosofia em Hegel e Heidegger. Revista Opinião Filosófica, Porto Alegre, v. 4, n. 2, p. 24-33, 2013.

KOSELLECK, Reinhart. Estratos do tempo: estudos sobre história. Rio de Janeiro: Contrapondo, PUC-RJ, 2014.

LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. História: novos objetos. Rio de Janeiro: Francisco Aires, 1974.

OLIVEIRA, Klebson. Textos de escravos no Brasil oitocentista: os tempos de uma edição filológica e de uma antologia comentada de alguns fatos linguísticos. Revista de Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, n. 10-11, p. 189-220, 2009.

RÊGO, Ana Regina. História, cultura e identidade. In: RÊGO, Ana Regina; MENDES, Cecília e QUEIROZ, Teresinha (Orgs.). Piauí. História, cultura e patrimônio. Teresina: Ed.ICF, 2010.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa. v. 3. Campinas: Papirus, 1997.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa. v. 1. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

RICOEUR, Paul. A memória, a história e o esquecimento. Campinas-SP: Ed. UNICAMP, 2012.

RICOEUR, Paul. O conflito das interpretações: ensaios de Hermenêutica. Porto: Rés-Editora, s/a.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada. Petrópolis: Vozes, 2015.

TAYLOR, Charles. Hegel: sistema, método e estrutura. São Paulo: Realizações, 2014.

WALSH, Robert. Notícias do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1985.

WISSENBACH, Maria Cristina Cortez. Sonhos africanos, vivências ladinas. São Paulo: HUCITEC,1998.

Publicado
2017-08-01
Como Citar
Barbosa, M. C., & Rego, A. R. (2017). Historicidade e Contexto em perspectiva Histórica e Comunicacional. Revista FAMECOS, 24(3), ID26989. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2017.3.26989
Seção
Dossiê