O tempo é o remédio: otimismo e memória religiosa em duas narrativas

  • Aline de Caldas Costa dos Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/Universidade Federal do Oeste da Bahia http://orcid.org/0000-0003-1882-0819
  • Edvania Gomes da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
Palavras-chave: Otimismo, Memória, Discursos

Resumo

Este artigo parte do problema da materialização de uma memória coletiva cristã em diferentes narrativas de otimismo. O estudo se insere e busca contribuir para com os estudos multidisciplinares sobre comunicação, cultura, memória e discursos. O recorte deste artigo recai sobre o tema “confiança no tempo”, observado junto a uma narrativa literária e em um pequeno conjunto de narrativas virtuais da rede social Facebook. O estudo é exploratório, realizado por meio de revisão bibliográfica e análise do discurso. O trabalho está dividido em duas etapas: a primeira se dedica às questões ligadas ao conceito de sujeito, de acordo com Foucault, observadas no poema Os trabalhos e os dias, de Hesíodo; a segunda etapa expõe um corpus de narrativas virtuais, analisadas a partir do conceito de efeito metafórico, segundo Pêcheux, somada à identificação dos sujeitos sinalizados na primeira etapa. Os resultados mostraram que existem duas posições de sujeito otimista e diversos deslizamentos de sentido, os quais se materializam por meio da relação entre os dados do corpus e a memória coletiva cristã. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline de Caldas Costa dos Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/Universidade Federal do Oeste da Bahia
Possui graduação em Comunicação Social com habilitação em Rádio e TV (2005) e mestrado em Cultura & Turismo (2008) pela Universidade Estadual de Santa Cruz; possui doutorado em Memória: Linguagem e Sociedade (2017) pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Atualmente é professora da Universidade Federal do Oeste da Bahia. Tem experiência na área de Teorias da Comunicação, Comunicação e cultura, Cultura popular e patrimônio imaterial.
Edvania Gomes da Silva, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Possui Pós-Doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (2010), Doutorado em Linguística (2006) e Mestrado em Linguística (2004) pela mesma instituição e Graduação em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco (2002). Durante a Graduação, foi bolsista de Iniciação Científica pelo CNPq. Atualmente, é Professora Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB); docente do Programa de Pós-Graduação em Memória: Linguagem e Sociedade (CAPES / UESB) e docente do Programa de Pós-Graduação em Linguística (CAPES / UESB). Atua na área de Linguística, área de concentração em Análise de Discurso, com ênfase nos seguintes temas: discurso religioso; polêmica discursiva e interdiscurso; aforização.

Referências

BÍBLIA de Jerusalém. São Paulo: Edições Paulinas, 1985.

ELIADE, M.; COULIANO, I. P. Dicionário das Religiões. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

ELIADE, M. Tratado de História das Religiões. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

HALBWACS, M. Los marcos sociales de la memória. Anthropos Editorial; Concepción: Universidad de la Concepción; Caracas: Universidade Central de Venezuela, 2004a.

_____. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004b.

HESÍODO. Os trabalhos e os dias. Curitiba: Segesta, 2012.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 3. ed. Campinas: Unicamp, 1997.

_____. O discurso: estrutura ou acontecimento. 4. ed. Campinas: Pontes Editores, 2006.

SCHOPENHAUER, Arthur. Aforismos para a sabedoria de vida. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

Publicado
2018-01-02
Como Citar
dos Santos, A. de C. C., & da Silva, E. G. (2018). O tempo é o remédio: otimismo e memória religiosa em duas narrativas. Revista FAMECOS, 25(1), ID26808. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2018.1.26808
Seção
Mídia e Cultura