Mussum, Os Originais do Samba e a sonoridade do pagode carioca

  • Felipe Trotta Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Música popular, cultura, samba

Resumo

Durante as décadas de 1960 e 1970, o grupo musical Os Originais do Samba desenvolveu uma sonoridade particular baseada no coro masculino e em uma forte percussão que buscava processar musicalmente uma intenção comercial com autenticidade estética. O grupo, liderado pelo sambista e humorista Mussum, ocupou certo destaque no mercado musical do período participando de shows, gravando discos e atuando na televisão, mas nunca obteve pleno reconhecimento da crítica musical. Com seu coro negro masculino e a performance cênica e sonora de sua batucada, Os Originais sedimentaram uma estética de samba que se tornaria inspiração para gerações futuras que desenvolveram o que batizado posteriormente de “pagode”, inicialmente com o grupo Fundo de Quintal, se desdobrando depois ara os conjuntos do chamado “pagode dos anos 1990”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Trotta, Universidade Federal Fluminense
Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e do Departamento de Estudos Culturais e Mídia da UFF, pesquisador do CNPq. Doutor em Comunicação e MEstre em Musicologia. Foi vice-presidente da IASPM-AL (2010-2014) e editor da Revista E-Compós (2009-2013).

Referências

ARAÚJO, Julia Silveira. A geração do “Samba Sem Sobrenome” pós-1990. 2013. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFF, Niterói, 2013.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento. São Paulo: Huitec, 1987.

BARRETO, Juliano. Mussum forévis: samba, mé e Trapalhões. São Paulo: LeYa, 2014.

BURKE, Peter. Cultura popular na Idade Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

CARVALHO, José Jorge de. Black music of all colors. Série Antropologia 145, Brasília: DAN - UnB, 1993. Disponível em: http://dan.unb.br/corpodocentestart=6 Acesso em: 24 mar. 2008,

CHARTIER, Roger. Cultura popular: revisitando um conceito historiográfico. Estudos Históricos, v. 8, n. 16, Rio de Janeiro: FGV, 1995.

GILROY, Paul. O Atlântico negro. São Paulo: Ed. 34, 2001.

HALL, Stuart. Notas sobre a desconstrução do popular . In: Da diáspora. Liv Sovik (org.). Belo Horizonte: UFMG, 2003.

MARTÍN BARBERO, Jésus. Dos meios às mediações. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2001.

NAPOLITANO, Marcos. A síncope das ideias. São Paulo: Perseu Abramo, 2007.

NAVES, Santuza. Canção popular no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

NKOSI, Deivison Faustino. O pênis sem falo: algumas reflexões sobre homens negros, masculinidade e racismo. In: Feminismos e masculinidades. Eva Alterman Blay (org.). São Paulo: Ed. Cultura Acadêmica, 2014.

PEREIRA, Carlos A. Messeder. Cacique de Ramos: uma história que deu samba. Rio de Janeiro: E-papers, 2003.

RODRIGUES, Aroldo; ASSMAR, Eveline e JABLONSKI, Bernardo. Psicologia social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

SANDRONI, Carlos. Feitiço decente: transformações no samba (1927-1933). Rio de Janeiro: Zahar/Ed.UFRJ, 2001.

SEVERIANO, Jairo e HOMEM DE MELO, Zuza. A canção no tempo. São Paulo: Ed.34, 1998.

SEVERIANO, Jairo. Uma história da música popular brasileira. São Paulo: Ed.34, 2008.

TAGG, Philip. Music meanings. Huddersfield, UK: MMM, 2014.

TROTTA, Felipe. O samba e suas fronteiras: samba de raiz e pagode romântico nos anos 1990. Rio de Janeiro: Ed.UFRJ, 2011.

TROTTA, Felipe; OLIVEIRA, Luciana. O subúrbio feliz do pagode carioca. Revista Intercom (RBCC). São Paulo: Intercom, no prelo.

VICENTE, Eduardo. Segmentação e consumo: a produção fonográfica brasileira 1965-1999. ArtCultura, v.10, n.16. Uberlândia, MG: UFU, 2008.

WISNIK, José Miguel. O som e o sentido. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

Publicado
2016-03-21
Como Citar
Trotta, F. (2016). Mussum, Os Originais do Samba e a sonoridade do pagode carioca. Revista FAMECOS, 23(2), ID22325. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2016.2.22325
Seção
Mídia e Cultura