Pandemia e biografia no jornalismo: uma análise dos relatos pessoais da experiência com a Influenza H1N1 em O Dia

  • Igor Sacramento ECO/UFRJ
  • Kátia Lerner Fiocruz
Palavras-chave: jornalismo, autobiografia, Influenza H1N1

Resumo

Este artigo analisa os relatos pessoais da experiência com a Influenza H1N1 publicados em O Dia entre maio e agosto de 2009. Sob dois formatos distintos – Viva Voz e Carta Aberta –, tais relatos se constituíram como uma forma de alargamento do discurso direto e da presença do “outro” dentro das reportagens sobre o assunto, ganhando um espaço específico e destacado para pequenas narrativas autobiográficas (“autobiografemas”) ancoradas na experiência com a então nova doença. Nesses espaços autobiográficos, identificamos uma oscilação entre a vitimização, a vergonha, a culpa e a indignação. Concluímos que essa maior abertura à subjetividade e à alteridade garantiram reforços do pacto de referencialidade e da autoridade, próprios à enunciação jornalística.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Sacramento, ECO/UFRJ
Bolsista de pós-doutorado da Escola de Comunicação da UFRJ, onde atua como professor de cursos de graduação e de pós-graduação.
Kátia Lerner, Fiocruz
Graduada em Sociologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), mestre em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), doutora em Sociologia e Antropologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e doutora em Sociologia pela Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos. Atualmente é pesquisadora do Laboratório de Comunicação e Saúde do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Laces/Icict), onde coordena o Observatório de Saúde na Mídia. É membro permanente do corpo docente do Programa de Pós-Graduação em Informação e Comunicação em Saúde (PPGICS).

Referências

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2010.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2004.

BENJAMIN, Walter. O narrador. Considerações sobre a obra de Nicolai Leskov. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Editora Brasiliense, 1996.

CASADEI, Eliza Bachega. A construção de personagens no jornalismo: entre a matriz de verdade presumida e a imaginação das urdiduras de enredos. Ciberlegenda, Rio de Janeiro, v. 1, n. 22, p. 77-91, mar. 2010.

COELI, Humberto de Lemos Medina. O novo jornalismo popular: a reforma do jornal O DIA e suas consequências. 2003. 152 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Faculdade de Comunicação, UnB, Brasília, 2003.

DUMONT, Louis. O individualismo. Rio de Janeiro: Ed. Rocco, 1985.

______. Homo Hierarchicus: o sistema de castas e suas implicações. São Paulo: EDUSP, 1992.

FAUSTO NETO, Antônio. Mortes em derrapagem: os casos Corona e Cazuza no discurso da comunicação de massa. Rio de Janeiro: Rio Fundo, 1992.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008.

MAUSS, Marcel. Uma categoria do espírito humano: a noção de pessoa, a noção de eu. In: _____. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária (E.P.U.), 1974.

SELIGMANN-SILVA, M. Testemunho e a política da memória: o tempo depois das catástrofes. In: Projeto História, São Paulo, v. 1, n. 30, p. 71-98, jun. 2005.

TURNER, Victor. O Processo ritual: estrutura e antiestrutura. Petrópolis: Editora Vozes Ltda, 1974.

VELHO, Gilberto. Memória, identidade e projeto. In: ____. Projeto e metamorfose. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1994.

Publicado
2015-09-08
Como Citar
Sacramento, I., & Lerner, K. (2015). Pandemia e biografia no jornalismo: uma análise dos relatos pessoais da experiência com a Influenza H1N1 em O Dia. Revista FAMECOS, 22(4), 55-70. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2015.4.19552
Seção
Jornalismo