O livro de mesa como dispositivo de reconhecimento sociocultural

  • Francisco S. Barbosa da Silva PUC-SP
Palavras-chave: livro de mesa, coffee table book, Taschen

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar o livro de mesa (também chamado de coffee table book) como parte de uma rede de dispositivo de reconhecimento sociocultural. A hipótese considerada é a de que, por serem dotados, sobretudo, de apelos visuais, esses títulos, a princípio, são colocados em evidência no ambiente como um recurso meramente decorativo, mas, de fato, o que se pretende é valer-se de tais obras emblemáticas para promover uma série de representações envolvendo aspectos estéticos, e assim revelar a persona de quem os exibe. O objeto, aqui simbolizado pelas obras da editora alemã Taschen, é interpretado a partir do conceito de dispositivo de Agamben. Para destacar as especificidades nos livros que despertam reconhecimento sociocultural, recorremos a estudos sobre o sistema de objetos, consumo, luxo e capital cultural. As obras são analisadas ainda como mercadorias com valores simbólicos e fetichistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco S. Barbosa da Silva, PUC-SP
Doutor e mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, jornalista, escritor e ditor. É coautor de "Sobre Fibras e Gente (2015, Sextante) e de “Carnes e Churrasco, por Marcos Bassi - Entrevista a Chico Barbosa” (SENAC-SP, 2012), prêmio “Gourmand World Awards 2013”, e autor de “A Chave do Sucesso - Como a Audi se Tornou Cult” (CBNEWS, 2004), Prêmio Jabuti em 2005, categoria Projeto/Produção editorial.

Referências

ANDERSON, Perry. As origens da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2010.

ARQUIVO MARXISTA NA INTERNET. Disponível em: http://www.marxists.org/portugues/marx/1867/ocapital-v1/vol1cap01.htm#c1s4 Acesso em: 5 abr. 2011.

BARTHES, Roland. Mitologias. São Paulo: Difel, 1982.

BAUDRILLARD, Jean. O sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva, 2009.

_____. A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. São Paulo: Brasiliense, 2011.

BOURDIEU, Pierre. As Regras da arte. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

_____. Os três estados do capital cultural” In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afranio. Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 2006.

_____. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

_____. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre, Zouk, 2011.

CARRIÈRE, Jean Claude; ECO, Umberto. Não contem com o fim do livro. São Paulo: Record, 2010.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso das mídias. Contexto: São Paulo, 2006.

DARTON, Robert. A questão do livro. Passado, presente, futuro. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2009.

DELEUZE, Gilles. ¿Que és un dispositivo? In: Michel Foucault, filósofo. Barcelona: Gedisa, 1990.

EAT & TRAVEL WEEKLY. Disponível em: http://www.taschen.com/pages/en/search/result.1.htm?show_all=catalogue&search_string=the+king+of+coffee+table+book&submit_search=GO. Acesso em: 10 jun. 2012.

FLUSSER, Vilém. O mundo codificado. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

FLAVORWIRE. Disponível em: http://www.flavorwire.com/254434/the-20-mostbeautiful-bookstores-in-the-world. Acesso em: 10 jun. 2012.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. São Paulo: Graal, 1995.

______. Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

GORZ, André. O imaterial - conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume, 2005.

HAUG, Wolfgang Fritz. Crítica da estética da mercadoria. São Paulo: Unesp, 1997.

ISTOÉ DINHEIRO. Disponível em: http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/42888_LIVROS+PARA+LER+E+EMOLDURAR. Acesso em: 3 dez. 2010.

KATZ, Helena. Por uma Teoria do Corpomídia. In: GREINER, Christine. O Corpo. Pistas para estudos indisciplinares. São Paulo: Editora Annablume, 2005.

KUMAR, Krishan. Da sociedade pós-industrial à pós-moderna. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006.

LIPOVETSKY, Gilles; ROUX, Elyette. O luxo eterno. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

______. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

______. Gilles; SERROY, Jean. A Cultura-Mundo. A resposta a uma sociedade desorientada.São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

McLUHAN, Marschall. Os meios de comunicação como extensão do homem. São Paulo: Cultrix, 2007.

PAIVA, Ana Paula M. A aventura do livro experimental. Belo Horizonte: Autêntica/São Paulo: Edusp, 2010.

PERNIOLA, Mario. Do sentir. Lisboa: Presença, 1993.

PROKOP, Dieter. Sociologia. São Paulo: Ática, 1986.

SUDJIC, Deyan. A linguagem das coisas. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2010.

TASCHEN. Disponível em: http://www.taschen.com Acesso em: 5 abr. 2011.

TORIBA. Disponível em: http://www.toribaeditora.com.br/ Acesso em: 3 mai. 2011.

Publicado
2015-07-02
Como Citar
Barbosa da Silva, F. S. (2015). O livro de mesa como dispositivo de reconhecimento sociocultural. Revista FAMECOS, 22(3), 198-214. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2015.3.19290
Seção
Consumo