Por uma exploração sensorial e afetiva do real: esboços sobre a dimensão háptica do cinema contemporâneo

  • Erly Vieira Jr Universidade Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: Cinema contemporâneo, Realismo sensório, Visualidade háptica

Resumo

Este artigo pretende investigar a dimensão háptica (tanto visual quanto sonora) presente no chamado “cinema de fluxo”, vertente transnacional do cinema das duas últimas décadas, marcada pela emergência de um realismo sensório. Trata-se de um cinema cujas narrativas são calcadas em ambiências e por uma experiência audiovisual conduzida pela sobrevalorização de uma sensorialidade multilinear e dispersiva, ampliadas pela presença de um complexo desenho de som. Nossa abordagem será centrada em dois aspectos: de um lado, a conceituação do realismo sensório dentro do panorama do cinema contemporâneo; do outro, as manifestações de uma visualidade háptica, mais tátil do que óptica (Marks, 2000; Bruno, 2010) e de uma escuta háptica, capaz de instalar um estado de ambiguidade na percepção sonora (Marks, 2000) na construção narrativa dos filmes do “cinema de fluxo”. Tais conceitos serão aplicados na análise de obras de cineastas como Naomi Kawase, Claire Denis, Apichtatpong Weerasethakul e Hou Hsiao-Hsien.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erly Vieira Jr, Universidade Federal do Espírito Santo
Doutor em Comunicação e Cultura (UFRJ) e professor do Programa de Pós-Graduação em Artes (Ufes). Linha de pesquisa: Práticas e Processos Comunicacionais. Áreas de interesse: Cinema e corpo. Cinema, globalização e transculturalidade. Cinema mundial contemporâneo.

Referências

ANDERSON, Benedict. The strange story of a strange beast: Receptions in Thailand of Apichatpong Weerasethakul’s Sud Pralaat. In: QUANDT, James. Apichatpong Weerasethakul. Viena: Synema, 2009.

BAECQUE, Antoine de. Mister Hou e a experiência do olhar. In: MARQUES, Luisa (Org.). Hou Hsiao-Hsien e o cinema de memórias fragmentadas. Rio de Janeiro: CCBB RJ, 2010.

BALÁZS, Bela. O homem visível. In: XAVIER, Ismail (Org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Graal/Embrafilme, 1983.

BAREA, MIllagros Expósito. El sonido enel cine de Apichatpong Weerasethakul. In: Frame– Revista de Cine de la Biblioteca de la Facultad de Comunicación, Sevilla (Espanha): Universidad de Sevilla, n. 3, 2008. Disponível em:http://fama2.us.es/fco/frame/new_portal/textos/num3/Elsonidoenelcine.pdf. Acesso em: 15 out. 2013.

BARKER, Jennifer. The tactile eye: Touch and the cinematic experience. Berkeley/Los Angeles/London: University of California Press, 2009.

BEUGNET, Martine. Claire Denis. Manchester/New York: Manchester University Press, 2004.

BRUNO, Giuliana. Atlas of Emotion: Journeys in Art, Architecture and Film. New York: Verso, 2002.

______. “Motion and emotion: Film and haptic space”. In: ECO-Pós, Rio de Janeiro: Eco-UFRJ, v. 13, n. 2, 2010.

CHION, Michel. A audiovisão: Som e imagem no cinema. Lisboa: Texto & Grafia, 2008.

JONES, Kent. Evidencia Física: Escritos selectos sobre cine. Santiago (Chile): Uqbar, 2009.

LUCAS, Gonzalo de. El cine tiembla. In: LÓPEZ, José Manuel (Org.). Naomi Kawase: El cine en el umbral. Madrid: T&B Editores, 2008.

MARKS, Laura. The Skin of Film. Londres/Durham: Duke University Press, 2000.

MURILLO, Manuel Yanéz. Dialécticas de un cine habitable: La hibridación del documental y la ficción en el cine de Naomi Kawase. In: LÓPEZ, José Manuel (Org.). Naomi Kawase: El cine en el umbral. Madrid: T&B Editores, 2008.

OLIVEIRA JR, Luiz Carlos. A mise-en-scène no cinema: do clássico ao cinema de fluxo.Campinas: Papirus, 2013.

SCHØLLHAMMER, Karl-Erik. Realismo afetivo: evocar realismo além da representação. In: Estudos de literatura brasileira contemporânea, Brasília, UnB, n.39, jan.-jun. 2012.

Publicado
2015-02-04
Como Citar
Vieira Jr, E. (2015). Por uma exploração sensorial e afetiva do real: esboços sobre a dimensão háptica do cinema contemporâneo. Revista FAMECOS, 21(3), 1219-1240. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2014.3.15919
Seção
Cinema