Netativismo: novos aspectos da opinião pública em contextos digitais

  • Massimo Di Felice ECA/USP
Palavras-chave: Comunicação digital, opinião pública, netativismo

Resumo

Este artigo tem como objetivo refletir sobre os aspectos teóricos da ação social em contextos digitais, onde a expressão “netativismo” busca sintetizar os novos aspectos da opinião pública delineada pelo agenciamento dos objetos técnicos e pelos ecossistemas informativos. Por meio da análise das principais teorias do campo da comunicação e das ciências sociais, serão discutidos os significados da ação (em e nas) redes digitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARAN, P. Rand memoranda on distributed communication. 1964. Disponível em: http://www. rand.org/publications/RM/baran.list.html Acesso em: 23 jul. 2011.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2002a.

______. O poder da identidade. (A era da informação: economia, sociedade e cultura). 1 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002b.

______. A Galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 1995.

DI FELICE, Massimo. Paisagens pós-urbanas: o fim da experiência urbana e as formas comunicativas do habitar. São Paulo: Annablume, 2009.

______. (Org.). Do público para as redes. A comunicação digital e as novas formas de participação social. São Paulo: Difusão, 2008.

DI FELICE, Massimo; MUNOZ, Cristobal. A revolução invencível. Subcomandante Marcos e o EZLN. São Paulo: Boitempo, 1998.

DI CORINTO, Arturo; TOZZI, Tommaso. Hacktivism – La libertà nelle maglie della rete. Roma: Manifestolibri, 2002.

HABERMAS, Jürgen. Teoria de la acción comunicativa I –

Racionalidad de la acción y racionalización social. Madri: Taurus, 1987.

HIMANEN, Pekka. The hacker ethic and the spirit of the information age. Nova York: Random House, 2001.

LAKATOS, Eva Maria. Sociologia geral. São Paulo: Atlas, 1991.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de uma antropologia simétrica. São Paulo: Editora 34, 1994.

______. Ciência em ação – como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora Unesp, 2000.

LEMOS, André. “Ciberativismo”. In: Correio Brasiliense, 15 nov. 2003. Caderno Pensar, LEVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

KEINERT , Fábio Cardoso. A questão do social em Hannah Arendt. Teoria & Pesquisa, v. XVI, n. 01, p. 199-214, jan./jun. 2007.

MCLUHAN, Marshall. Understanding Media – the extensions of man. MIT Press, 1994.

MCCAUGHEY, Martha; AYERS, Michael D. Cyberactivism – Online activism in theory and practice. EUA: Routledge, 2003.

MEYROWITZ, Joshua. No sense of place. The impact of electronic media on social behaviour. Oxford University Press, 1985.

PARSONS, Talcott e SHILS, Edward A. Hacia una teoría general de la acción. Buenos Aires: Editorial Kapelusz, 1971.

PERNIOLA, Mario. Miracoli e traumi della comunicazione. Roma: Giulio Einaudi, 2009.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na Internet. Porto Alegre: Editora Sulina, 2009.

RENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981.

SERRES, Michel. Filosofia mestiça. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

SCHWARTZ, Ed. NetActivism: How Citizens Use the Internet. O’Reilly Media, 1996.

WEBER, Max. Economia e sociedade. Fundamentos da Sociologia Compreensiva. 4. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2004.

Como Citar
Di Felice, M. (2012). Netativismo: novos aspectos da opinião pública em contextos digitais. Revista FAMECOS, 19(1), 27-45. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2012.1.11339
Seção
Metodologias