A técnica contra o acaso: os corpos inter-hiperativos da contemporaneidade

  • Paula Sibilia Universidade Federal Fluminense.
Palavras-chave: Subjetividade, corpo contemporâneo, interatividade

Resumo

Existe, na cultura contemporânea, uma tendência que poderia ser nomeada como “o imperativo da interatividade”. Com uma insistência crescente, tanto no campo das artes como no das mídias, os espectadores costumam ser convocados para “participar ativamente”. Trata-se de um movimento afinado com certa ansiedade e inquietação que toma conta dos corpos contemporâneos, compassados pelos vertiginosos ritmos da atualidade e sempre instados a se sentirem conectados, antenados e ligados, sob a exigência de melhorarem sua performance e de serem pró-ativos ou empreendedores nos âmbitos mais diversos. Além disso, espalha-se uma crença muito assentada na cultura contemporânea: o “mito cientificista”. Cabe indagar quais são os sentidos desses fenômenos, por quais motivos se desenvolvem neste momento histórico, e o que tais processos evidenciam acerca das experiências corporais e das configurações subjetivas contemporâneas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Sibilia, Universidade Federal Fluminense.
Graduação em Ciências da Comunicação e em Antropologia na Universidad de Buenos Aires (UBA, 1992), mestrado em Comunicação na Universidade Federal Fluminense (UFF, 2002), doutorado em Comunicação na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ, 2007) e doutorado em Saúde Coletiva na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ, 2006). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal Fluminense, no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e no Departamento de Estudos Culturais e Mídia.

Referências

BEJAMIN, Walter. Obras escolhidas: Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1986.

BEZERRA, Benilton. O ocaso da interioridade e suas repercussões sobre a clínica. In: PLASTINO (org.). Transgressões. Rio de Janeiro: Ed. Contracapa, 2002. p. 229-239.

BISHOP, Claire. Paticipation: Documents of contemporary art. Cambridge: The MIT Press, 2006.

BORGES, Jorge Luis. Siete noches. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 1987.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética relacional. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2006.

BREA, José Luis. Algunos pensamientos sueltos acerca de arte y técnica. Disponível em: http://aleph-arts.org/pens/arttec.html.

DELEUZE, Gilles. Post-Scriptum sobre as sociedades de controle. In: DELEUZE, Gilles. Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

EHRENBERG, Alain. Le sujet cerebral. Esprit, n. 309, p. 130-155, nov. 2004.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1977.

JAY GOULD, Stephen. O que é vida? Como um problema histórico. In: MURPHY, Michael P.; O’NEILL, Luke A. J. (Org.). O que é a vida? 50 anos depois: Especulações sobre o futuro da Biologia. São Paulo: UNESP, 1997. p. 35-51.

LISPECTOR, Clarice. Felicidade clandestina. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

MARTINS, Hermínio. Hegel, Texas e outros ensaios de teoria social. Lisboa: Edições Século XXI, 1996.

PAZ, Octavio. El arco y la lira. México: Fondo de Cultura Económica, 1956.

PROUST, Marcel. Sobre la lectura. Buenos Aires: Libros del Zorzal, 2003.

SIBILIA, Paula. O homem pós-orgânico: corpo, subjetividade e tecnologias digitais. Rio de Janeiro: Ed. Relume Dumará, 2002.

SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

SIBILIA, Paula. O artista como performer: Dilemas do eu espetacular nas artes contemporâneas. In: LABRA, Daniela (Org.). Performance presente futuro, vol. II. Rio de Janeiro: Ed. Aeroplano e Oi Futuro, 2010. p. 14-20.

SLOTERDIJK, Peter. La mobilisation infinie: vers une critique de la cinétique politique. Paris: Seuil, 2003.

WOOLF, Virgínia. Um teto todo seu. São Paulo: Círculo do livro, 1990.

ZIZEK, Slavoj. Como ler Lacan. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

Como Citar
Sibilia, P. (2011). A técnica contra o acaso: os corpos inter-hiperativos da contemporaneidade. Revista FAMECOS, 18(3), 638-656. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2011.3.10373
Seção
Representação