O Negrinho do Pastoreio e a escravidão no Rio Grande do Sul: Historiografia e Identidade

  • Rafael Petry Trapp Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC
Palavras-chave: Negrinho do Pastoreio, Escravidão, Historiografia,

Resumo

O presente artigo busca analisar aspectos da história da escravidão no Rio Grande do Sul, através do estudo da lenda do Negrinho do pastoreio. Realizou-se um breve relato da lenda, observando o contexto de seu surgimento, suas diferentes versões e as maneiras como alguns dos principais folcloristas brasileiros e sul-rio-grandenses perceberam o seu significado. Constatou-se que a lenda é objeto de uma disputa historiográfica maior, ainda que velada, pelo estatuto da escravidão no Rio Grande do Sul, constituída por parte da historiografia gaúcha em torno do mito da “democracia pastoril”. Enfatiza-se, acima de tudo, que, para além das disputas historiográficas e identitárias, a lenda diz respeito ao sofrimento real de incontáveis “negrinhos do pastoreio” na história da escravidão no Rio Grande do Sul. Palavras-chave: Negrinho do Pastoreio. Escravidão. Historiografia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Petry Trapp, Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC
Acadêmico do 7º semestre do Curso de História da UNISC e bolsista PUIC voluntário, vinculado ao projeto “Movimentos Sociais Anti-racismo e Políticas Educacionais no Brasil (1970-2009): História do discurso racial e Educação como estratégia identitária”, coordenado pelo Dr. Mozart Linhares da Silva, no PPGEDU/UNISC. E-mail [email protected]
Publicado
2011-08-02
Como Citar
Trapp, R. P. (2011). O Negrinho do Pastoreio e a escravidão no Rio Grande do Sul: Historiografia e Identidade. Oficina Do Historiador, 3(2), 45-59. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/oficinadohistoriador/article/view/8884
Seção
Artigos