Concepções de identidade nacional, a ditadura civil-militar, a conciliação e o “homem cordial”

  • Thiago Aguiar de Moraes PUCRS
Palavras-chave: ditadura civil-militar, guerra da memória, identidade nacional.

Resumo

Resumo: este artigo tem como objetivo analisar as concepções de identidade nacional no livro Brasil: sempre, de Marco Pollo Giordani, e relacionar estas concepções com seu contexto de produção pautado pela guerra da memória entre militares e militantes, a Lei da Anistia de 1979, e a redemocratização. O autor enfatizou o “coração grande” como essência do povo brasileiro, caracterizando a ideia de “homem cordial” preconizada por Sérgio Buarque de Holanda. A mobilização desta ideia remete à conciliação e à concórdia, que acabaram por justificar, no livro de Giordani, a vitória dos militares sobre os “comunistas” em 1964 devido ao fato da essência do brasileiro ser contrária ao “comunismo”, pois seria um regime baseado no “ódio”. A concórdia também pautou a recente opção do Supremo Tribunal Federal (STF) por não revisar a Lei da Anistia, contemplando a ideia de conciliação através do voto de Cezar Peluso, atual presidente do STF.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Aguiar de Moraes, PUCRS
Mestrando do Curso de Pós-Graduação em História pela PUCRS
Publicado
2010-11-09
Como Citar
Moraes, T. A. de. (2010). Concepções de identidade nacional, a ditadura civil-militar, a conciliação e o “homem cordial”. Oficina Do Historiador, 2(1), 1-19. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/oficinadohistoriador/article/view/7860
Seção
Artigos