Mulheres negras

Ecos na historiografia

Palavras-chave: Mulher, Negra, Historiografia

Resumo

O presente artigo tem por objetivo evidenciar as mulheres negras na história do Brasil a partir de uma análise historiográfica, tendo como ponto de partida a premissa de que nosso país é marcado por violências empreendidas a essa parcela da população que se vê empurrada à realidade da subalternização desde a época da colonização. Ao mapearmos essas narrativas criadas que se centram na mulher negra enquanto sujeito histórico, iremos entender quais foram os caminhos e os percalços enfrentados e, também, como se desenvolveram as formas de resistência encontradas para garantir a sua sobrevivência, de suas famílias e comunidades. Contudo, evidenciamos que não é possível pensar a mulher negra sem inseri-la nos marcadores de gênero e de raça, salientando sobre este último que os estudos históricos podem e devem encarar os grupos raciais como heterogêneos, levando em consideração a existência de múltiplas identidades etnicorraciais e, assim, buscando a compreensão de suas especificidades
que devem ser observadas à luz do regime de historicidade do qual grupos racializados estão entrepostos. Deste modo, a perspectiva decolonial e o feminismo negro nos auxiliará a refletir aspectos inerentes ao movimento das mulheres negras brasileiras que ao longo do tempo jamais se conformaram com o lugar da opressão e que por meio de enfrentamentos e de lutas visaram transformar suas realidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Taynara Rafaela dos Santos, Universidade Estadual Paulista (UNESP), São Paulo, SP, Brasil.

Graduada em História pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), em São Paulo, SP, Brasil.

Referências

BLOCH, Marc. Apologia da História ou o Ofício do Historiador. Jorge Zahar: Rio de Janeiro, 2012.

CARBONIERI, Divanize. Pós-colonialidade e decolonialidade: rumos e trânsitos. Revista Labirinto, Porto Velho, v. 24, n. 1, p. 280-300, jan./jun. 2016.

CARNEIRO, Suely. Enegrecer o feminismo: A situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: Ashoka Empreendimentos Sociais & Takano Cidadania (org.). Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano, 2003. p. 49-58.

COLLINS, Patricia Hill. O poder da autodefinição ‘’. In: Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. Traduzido por Natália Luchini. Seminário Teoria Feminista, Cebrap, 2013 [1990].

CORRÊA, Mariza. Sobre a invenção da mulata. Cadernos Pagu, n. 6-7, p. 35-50, 1996.

COSTA, Renata Jesus. Subjetividades femininas: mulheres negras sob o olhar de Carolina Maria de Jesus, Maria Conceição Evaristo e Paulina Chiziane. 2007. Dissertação (Mestrado em História Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

DO NASCIMENTO, Abdias. O genocidio do Negro Brasileiro: Processo de um racismo mascarado [The genocide of the Black Brazilian: Processof a masked racism]. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

DOMINGUES, Petrônio. Frentenegrinas: notas de um capítulo da participação feminina na história da luta anti-racista no Brasil. Cadernos Pagu, Campinas, n. 28, 2007.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes: o legado da raça branca. 5. ed. São Paulo: Globo, 2008. v. 1.

FIGUEIREDO, Angela. Epistemologia insubmissa feminista negra decolonial. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 12, n. 29, e0102, jan./abr. 2020.

FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Rio de Janeiro: Record, 1992.

GIACOMINI S, Maria. Mulher e escrava, uma introdução histórica ao estudo da mulher. Petrópolis: Vozes, 1988

GOMES, Camilla de Magalhães. Gênero como categoria de análise decolonial. Civitvol, [S. I.], v. 18, n. 1, p. 65-82, jan./abr. 2018.

GONZALEZ, Lélia. Mulher Negra “The Black Woman’s Place in the Brazilian Society”, apresentada na “1985 and Beyond: A National Conference”, promovida pelo African - American Political Caucus e pela Morgan State University (Baltimore, 9-12 ago. 1984). Disponível em: http://www.leliagonzalez.org.br. Acesso em: 2 jun. 2017.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: Ciências Sociais Hoje. Brasília: ANPOCS, 1983. p. 223-244.

GONÇALVES, Ana Maria. Um defeito de cor. Rio de Janeiro: Record, 2009.

HOOKS, Bell. Não sou eu uma mulher. Mulheres negras e feminismo. 1. ed. 1981.

MOREIRA, Núbia Regina. O feminismo negro brasileiro: um estudo do movimento de mulheres negras no Rio de Janeiro e São Paulo. 2006. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria (org). Nova História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012.

RAGO, Margareth. Feminizar é preciso: por uma cultura filógina. São Paulo em perspectiva, [S. I.], v. 15, n. 3, p. 53-66, 2001.

SOIHET, Rachel; PEDRO, Joana Maria. A emergência da pesquisa da História das Mulheres e das Relações de Gênero. Revista Brasileira de História, [S. I.], v. 27, n. 54, 2007.

Publicado
2021-09-03
Como Citar
dos Santos, T. R. (2021). Mulheres negras: Ecos na historiografia. Oficina Do Historiador, 14(1), e40419. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2021.1.40419
Seção
Dossiê: Mulheres Atlânticas