Os “camaleões” e a história da ditadura militar: a memória sobre a militância arenista de Dercy Furtado

  • Eduardo dos Santos Chaves Doutorando em História pela UFRGS
Palavras-chave: ditadura militar – memória - ARENA

Resumo

O artigo pretende discutir a memória construída pós-ditadura militar por políticos gaúchos da extinta Aliança Renovadora Nacional (ARENA). Nesse sentido, o texto pretende discorrer sobre a trajetória política de Dercy Furtado, ex-vereadora e deputada estadual pela Aliança Renovadora Nacional (ARENA) do Rio Grande do Sul entre 1972 e 1979, a partir de um conjunto de memórias elaboradas pela ex-arenista após o final da ditadura brasileira. A proposta é verificar como e por que Furtado construiu sua trajetória política distante de quaisquer cumplicidades com o "regime dos militares", descrevendo sua carreira parlamentar voltada para a defesa de ideais democráticos e de esquerda. O objetivo, nesse sentido, não é o de "corrigir" nem apontar as falsidades e os erros da memória, mas o de procurar entender como e por que antigos defensores da ditadura silenciam a respeito de sua atuação ao longo do regime. Ou seja, busco entender a historicidade dessas narrativas, suas permanências, mudanças, omissões, seleções e esquecimentos. Sendo assim, para a elaboração deste trabalho, enfatizo os depoimentos como novas metodologias que passaram a fazer parte do universo da história política, o que trouxe uma revalorização de suas concepções. Essa revalorização perpassa também a ideia de que a história política deve ser pensada como um campo mutável através do tempo e do espaço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo dos Santos Chaves, Doutorando em História pela UFRGS

Professor de História do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) desde 2013. Possui Graduação (2005) e Mestrado (2011) em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Tem experiência em pesquisas nas áreas de História do Brasil Contemporâneo e História do Rio Grande do Sul nos contextos do pré-golpe de 1964 e da ditadura militar. Atualmente é doutorando em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e pesquisa a trajetória da Aliança Renovadora Nacional (ARENA) no Rio Grande do Sul. 

Referências

CASTELLO BRANCO, Carlos. Os militares no poder. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1976.

CORDEIRO, Janaina Martins. Anos de chumbo ou anos de ouro? A memória social sobre o governo Médici. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v.22, n.43, p.85-104, 2009.

Entrevista concedida ao autor em 09 de novembro de 2012, na cidade de Porto Alegre.

FLACH, Ângela, HEINZ, Flávio Madureira, VARGAS, Jonas Moreira, MILKE, Daniel Roberto. O Parlamento nem tempos interessantes: breve perfil da Assembléia Legislativa e de seus deputados (1947-1982). Porto Alegre: CORAG, 2005, p. 55-56.

FURTADO, Dercy. Orações que mamãe me ensinou. Porto Alegre: Editora da FEPLAN, 1984.

______________. Construindo catedrais: ideias para viver bem. Porto Alegre: Badejo Editorial, 2009.

______________. “Cortando as amarras” – depoimento. Porto Alegre: Editora Thesaurus, 1977.

______________. Opinião. Porto Alegre: Editora FEPLAM, 1974.

GREEN, James N. Apesar de vocês: a oposição a ditadura militar brasileira nos Estados Unidos. São Paulo: Cia. das Letras, 2009.

GRINBERG, Lucia. Partido Político ou bode expiatório: um estudo sobre a Aliança Renovadora Nacional – ARENA – (1965-1979). Rio de Janeiro: Mauad/FAPERJ, 2009.

________________. Uma memória política sobre a Arena: dos “revolucionários de primeira hora” ao “partido do sim, senhor”. In: REIS FILHO, Daniel Aarão (Org.). O golpe e a ditadura militar: quarenta anos depois (1964-2004). Bauru, SP: Edusc, 2004.

KINZO, Maria D’Alva Gil. “Novos partidos: o inicio do debate”. LAMOUNIER, Bolívar (org.). Eleições e mudança política no Brasil (1970-1979). São Paulo: Vozes, Cebrap, 1980, p. 219.

MELO, Jorge José de. Boilesen, um empresário da ditadura: a questão do apoio do empresariado à OBAN/Operação Bandeirante. Niterói, 2012. Dissertação de Mestrado em História – Universidade Federal Fluminense (UFF).

PRESOT, Aline Alves. As Marchas da Família com Deus pela Liberdade e o Golpe de 1964. Rio de Janeiro, 2004. Dissertação de Mestrado em História Social – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

REIS FILHO, Daniel Aarão. Ditadura militar, esquerdas e sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. p.70.

_______________________. Ditadura, anistia e reconciliação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v.23, n.45, p.171-186, jan./jun. 2010. p.171.

XAVIER, Denise. “Cortando as amarras”: análise da trajetória de Dercy Furtado (1942-1986). Porto Alegre: UFRGS, 2009. Trabalho de Conclusão em História (TCC).

Publicado
2016-06-29
Como Citar
Chaves, E. dos S. (2016). Os “camaleões” e a história da ditadura militar: a memória sobre a militância arenista de Dercy Furtado. Oficina Do Historiador, 9(1), 23-37. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2016.1.22996