Alma e destino do povo português. O fado como identidade nacional lusa no limiar do Estado Novo (1927 – 1933)

  • Lucas André Gasparotto PUCRS
Palavras-chave: Fado. Nação. Identidade nacional.

Resumo

O fado, gênero musical considerado canção nacional em Portugal, apresenta trajetória histórica cuja origem remonta ao início da segunda metade do século XIX. Desde pelo menos o último terço dos oitocentos, observa-se, nas primeiras obras dedicadas à história do fado, o aparecimento de um debate acerca do status de símbolo nacional atribuído ao gênero. É, contudo, no final dos anos 1920 e início dos 1930 que se observa uma série de elementos responsáveis por atribuir carga simbólica e identitária ao fado, capaz de consolidá-lo como identidade nacional portuguesa. Através de conjunto de fontes que contempla legislação, obras literárias e jornalísticas e jornais de temática específica, este trabalho analisa as características do cenário musical fadista em Portugal durante o período de 1927 a 1933, destacando um processo de ritualização das práticas artísticas que objetivava dignificar o gênero mediante às diversas camadas da sociedade. A pesquisa sustenta-se na discussão em torno dos conceitos de nação e identidade nacional, a fim de definir o fado como alma e destino do povo português, enquanto canção popular com status de canção nacional capaz de credenciá-lo como uma cultura comum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDERSON, B. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BAUMER, F. L. O Pensamento Europeu Moderno. Volume II, Séculos XIX e XX. Lisboa: Edições 70, 1990.

BRITO, J. P. de. “O fado: etnografia na cidade”. In: VELHO, G. (org.). Antropologia urbana: cultura e sociedade no Brasil e em Portugal. Rio de Janeiro: Zahar, 1999, p. 24-42.

_______________. “Sobre o fado e a História do Fado”. In: CARVALHO, P. de. História do Fado. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1982.

CATROGA, F. Nação, mito e rito: religião civil e comemoracionismo (EUA, França e Portugal). Fortaleza: Edições NUDOC / Museu do Ceará, 2005.

CATROGA, F; CARVALHO, P. A. de. Sociedade e Cultura Portuguesas II. Lisboa: Universidade Aberta, 1996.

FICHTE, J. G. Discursos à Nação Alemã. Lisboa: Círculo de leitores, 2009.

GASPAROTTO, L. A. “Silêncio que se vai cantar o Fado”: a identidade nacional portuguesa no processo de profissionalização do fadista (1927 – 1933). In: IX Congresso Internacional de Estudos Ibero-Americanos – IX CIEIA, 2013, Porto Alegre. Anais eletrônicos. Porto Alegre: PUCRS, [no prelo].

HERDER, J. G. Ideas para una filosofia de la humanidad. Buenos Aires: Editorial Losada, 1959.

HOBSBAWM, E. J. “Introdução: a invenção das tradições”. In: HOBSBAWM, E. J.; RANGER, T. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

KOSELLECK, R. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2006.

LLOBERA, J. R. O Deus da Moderindade: o desenvolvimento do nacionalismo na Europa Ocidental. Oeiras: Celta Editora, 2000.

LOURENÇO, E. Portugal como Destino seguido de Mitologia da Saudade. Lisboa: Gradiva, 1999.

MARQUES, A. H. de Oliveira. História de Portugal. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1991.

MORAES, J. G. V. História e música: canção popular e conhecimento histórico. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 20, n. 39, p. 203-221, 2000.

NERY, R. V. Para uma história do fado. Lisboa: Público: Corda Seca, 2004.

SARAIVA, A. J. A cultura em Portugal: teoria e história. Livro 1. Lisboa: Gradiva, 1994.

SMITH, A. D. Identidade Nacional. Lisboa: Gradiva, 1997.

THIESSE, A-M. Ficções criadoras: as identidades nacionais. Anos 90, Porto Alegre: UFRGS, n. 15, 2001/2002, p. 7-23.

FONTES

Cartaz A Voz do Operário, Lisboa, 1930.

Cartaz Cervejaria Jansen, Lisboa, 1930.

Cartaz Coliseu de Coimbra, Coimbra, 1931.

CARVALHO, P. de. História do Fado. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1982 [1903].

_______________. Lisboa D’Outros Tempos, v. 2: os cafés. Lisboa: Livraria de Antonio Maria Pereira, 1899.

_______________. Lisboa D’Outros Tempos, v. 1: figuras e scenas antigas. Lisboa: Livraria de Antonio Maria Pereira, 1898.

Guitarra de Portugal, Lisboa, de 1927 a 1933 (edições descontínuas).

Guitarra de Portugal, Lisboa, 15 de julho de 1922.

Licença profissional de Sebastião Caetano Pires, Lisboa, 1939. Disponível em: www.museudofado.pt. Acesso em: 26 jul. 2013.

PIMENTEL, A. A Triste canção do Sul (subsídios para a história do fado). Lisboa: Livraria Central de Gomes de Carvalho, 1904.

PORTUGAL. Decreto nº 13.564, de 6 de maio de 1927. Diário do Govêrno, Lisboa, 6 mai. 1927. I Série, n. 92, pp. 689-704. Disponível em: http://dre.pt/. Acesso em: 26 jul. 2013.

_______________. Constituição Política da República Portuguesa, de 22 de fevereiro de 1933. Diário do Govêrno, Lisboa, 22 fev. 1933. I Série, n. 43, pp. 227-236. Suplemento. Disponível em: http://dre.pt/. Acesso em: 26 jul. 2013.

QUEIROZ, E. de. O Primo Basílio. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, [1878].

______. A Ilustre Casa de Ramires. São Paulo: Brasiliense, 1973 [1900].

SOUSA, A. de. O fado e os seus censores: artigos colligidos da Voz do Operario: critica aos detractores da canção nacional; com uma carta do illustre poeta e dramaturgo Dr. Julio Dantas. Lisboa: 1912.

Publicado
2014-12-04
Como Citar
Gasparotto, L. A. (2014). Alma e destino do povo português. O fado como identidade nacional lusa no limiar do Estado Novo (1927 – 1933). Oficina Do Historiador, 7(2), 80-96. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2014.2.16455