Jayme Moreira da Silva: escritas do cotidiano

  • Alexandre Barcelos Silveira PPGH PCRS
Palavras-chave: Biografia. Ascensão. Memória.

Resumo

A desde os anos 1960 que a historiografia faz uso de diversos tipos de fontes de pesquisa para a sua análise: imagens, depoimentos, diários, romances, periódicos, correspondências e biografias, muito utilizada pela micro história, para complementar o estudo mais detalhado do seu objeto. A fonte biográfica, transformada em escrita epistolar, muitas vezes demonstra particularidades, relações e silêncios existentes entre o sujeito estudado e os demais atores contemplados na história. Este artigo vai ao encontro destes pressupostos: apresentar o livro “O Lobisomem do Morro Santana” escrito por Jayme Moreira da Silva em 2005 como importante fonte de pesquisa, analisando, ascensão/e ou entraves a isso de seus contemporâneos afrodescendentes. Suas memórias estão gravadas neste livro, como um ex-morador da Colônia Africana, fala com propriedade de seu cotidiano em relação a outros atores, como seu avô, o Sr Abel de Souza que lhe contava histórias carregadas de silêncio, mas com muitos sentidos de um homem influente e misterioso em Porto Alegre, no início do século XIX, denominado de Lobisomem do Morro Santana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Barcelos Silveira, PPGH PCRS
Possui graduação em HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA -(2009). Especialização em História Africana e Afro Brasileira (2011). Mestrando em História - Linhas de pesquisa: escravidão, religiosidade e mobilidade urbana do povo da ex Colônia Africana em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Outras linhas de pesquisa concentram-se nas questões raciais como o conceito de branqueamento, exclusão de populações oriundas da escravidão ou seus descendentes. Fator preponderante da sua pesquisa é a história oral temática, coletando dados e cotejando informações relevantes ao tema.

Referências

ASSUMPÇÃO, Jorge Eusébio. Pelotas: Escravidão e Charqueadas (1780 – 1888). Porto Alegre: FCM Editora, 2013. p. 279

BOHER, Felipe Rodrigues. Breves Considerações Sobre os Territórios Negros Urbanos de Porto Alegre na Pós-abolição. Iluminuras. Porto Alegre, v.12, n. 29,p.121-152, jul./dez.2011 – Disponível em: http://seer.ufrgs.br/iluminuras/article/view/25348

BOSI, Ecléa.Memória e sociedade lembrança de velhos. Companhia das Letras. 3. ed. São Paulo, SP, 1994, p. 484

BANTON, Michael.A ideia de raça. Trad. Antônio Marques Bessa. Edições 70. Lisboa, 1979. p. 326

BAKOS, Margaret Marchiori. Porto Alegre e seus eternos intendentes.EDIPUCRS. 2ª Edição. Porto Alegre/RS. 2013. p.220

BORGES, Vavy Pacheco.O historiador e se personagem: algumas reflexões em torno da biografia. Horizontes, Bragança Paulista, v.19. p. 01-10, jan/ dez, 2001 – Disponível em: http://cat.inist.fr/?aModele=afficheN&cpsidt=13462819

FANON, Frantz.Pele negra máscaras brancas. EDUFBA. Salvador, Bahia. 2008, p. 191

GAMALHO, Nola Patrícia. A produção da periferia: das representações do espaço de representação no Bairro Restinga – Porto Alegre/RS.Porto Alegre/RS. 2009. Disponível em meio digital no endereço http://www.lume.ufrgs.br/10183/16658

GUIMARÃES, Gleny Duro.Aspectos da Teoria do Cotidiano: Agnes Heller em perspectiva.Porto Alegre: EDUPUCRS. 2002, 147 p.

KERSTING, Eduardo Henrique de Oliveira. Negros e a Modernidade Urbana em Porto Alegre: Colônia Africana (1890-1920). Porto Alegre: PUCRS. 1998. 220 p.

MATHIAS, Marcello Duarte.Autobiografias e diários/ Marcello Duarte Mathias. In: RevistaColóquio/Letras. Ensaio, n.º 143/144, Jan. 1997, p. 41-62.

MATTOS, Jane Rocha de.Que arraial que nada, aquilo lá é um areal o areal da Baronesa: imaginário e História (1879-1921). Porto Alegre. 2000. 152 p.

MIGNOT, Ana Cristina Venâncio. BASTOS,MariaHelena Câmara. CUNHA, Maria Teresa Santos. Refúgios do Eu: educação história e escrita autobiográfica. Ed. Mulheres. Florianópolis. 2000. 240 p.

ORLANDI, Eni Puccinelli. As formas de silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas/SP: Editora da Unicamp, 6ªEd. 2010. p. 181

PESAVENTO, Sandra. Jatahy. Uma Outra Cidade:o mundo dos excluidos no final do século XIX. SP: Companhia Ed Nacional, 2001. 256 p.

PORTELLI, Alessandro. O que faz a história oral diferente. São Paulo, 1997, p. 15– Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/viewFile/11233/8240

PORTELLI, Alessandro.A Filosofia e os Fatos: Narração, interpretação e significado nas memórias e nas fontes orais, Rio de Janeiro, vol., 1, nº. 2 1996, p. 59-72 – Disponível em: https://grupos.moodle.ufsc.br/pluginfile.php/156924/mod_resource/content/3/PORTELLI%20-A%20filosofia%20e%20os%20fatos.pdf

ROSA, Marcus Vinicius de Freitas.Colônia Africana, arrabalde proletário: o cotidiano de negros e brancos, brasileiros e imigrantes num bairro de Porto Alegre durante as primeirasdécadas de século XX, Disponível em: http://www.escravidaoeliberdade.com.br/site/images/Textos5/rosa%20marcus%20vinicius%20de%20freitas.pdf

SANHUDO, Ary Veiga. Porto Alegre: Crônicas da minha cidade.Ed Movimento, 1915. 286 p.

SANTOS, Irene, SILVA da Cidinha, FIALHO, Dorvalina Elvira P. , BARCELLOS, Vera Daisy, BETTIOL, Zoravia. Colonos e Quilambolas:Memória fotagráfica das colônias africanas de Porto Alegre. Porto Alegre RS: Nova Letra Grafica, 2010. 124 p.

SILVA, Jaime Moreira.Colônia Africana: Lobisomem do Morro Santana, Morro da Piedade. Porto Alegre: Edição independente. 2005. 81 p.

SOUSA, Celia Ferraz de, MULLER Dóris Maria. Porto Alegre e sua evolução urbana. 2 ed.Porto Alegre: Ed d UFRGS, 2007. 123 p.

ZANETTI, Valéria. Calabouço Urbano: escravos e libertos em Porto Alegre (1840 – 1860). Passo Fundo/RS: UPF Editora. 2002. p. 236.

Publicado
2014-12-04
Como Citar
Silveira, A. B. (2014). Jayme Moreira da Silva: escritas do cotidiano. Oficina Do Historiador, 7(2), 40-61. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2014.2.16314