Identidades femininas indígenas em movimento na poética de Eliane Potiguara

Palavras-chave: Literatura indígena, Identidade feminina, Eliane Potiguara, Diáspora indígena.

Resumo

Neste artigo, busca-se compreender de que forma o processo diaspórico em território brasileiro interfere na constituição identitária, sobretudo feminina, dos povos originários, a partir da leitura e análise crítico-literária do livro Metade Cara, Metade Máscara (2004), da precursora escritora indígena brasileira Eliane Potiguara. Sob essa mesma perspectiva analítica, propõe-se investigar também as complexas implicações dessas movimentações migratórias forçadas nas dinâmicas de violência e de silenciamento das vozes e das subjetividades indígenas. Na poética dessa escritora, as identidades têm sustentação na prática da afirmação da memória e conhecimentos ancestrais, como expressão das subjetividades, principalmente femininas, de diferentes etnias, constituindo-se lugares de conflitos e de materialização do entrelugar das vozes indígenas. Este é um texto que, muitas vezes, apoiado nas perspectivas teóricas dos Estudos Culturais, envolve uma metodologia de análise de caráter qualitativo e bibliográfico. Por fim, vale dizer que este trabalho dialoga com importantes conceitos teórico-metodológicos, recorrentes nas discussões contemporâneas dos Estudos Culturais, como os de diáspora, de desterritorialização, de transculturação, de poética de movimento, à luz dos textos de Stuart Hall, Bhabha, Ette, Ortiz, entre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heliene Rosa da Costa, Universidade Federal de Uberlândia

Professora licenciada em Língua Portuguesa e Literaturas, com atuação na Educação Básica e Superior. Mestra em Linguística Textual e doutoranda em Estudos Literários pela Universidade Federal de Uberlândia. Recebeu prêmios em concursos literários e participou de antologias. Organizou a coletânea Flores e Aromas: inspirações poéticas, com textos de professores e de estudantes de escolas públicas de Uberlândia.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

BHABHA, H. Locations of Culture. In: RICHTER, D. H. The Critical Tradition. Boston: Bedford Books, 1998.

CAMPATO JR., João Adalberto. Manual de literaturas de língua portuguesa: Portugal, Brasil, África Lusófona e Timor Leste. Curitiba: CRV, 2016.

COSME, Leonel. As impossíveis renúncias de Agostinho Neto e Eliane Potiguara. Revista ECOS, v. 11, n. 2, 2015.

Disponível em: http://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/715. Acesso em: 26 set. 2016.

ETTE, Ottmar. Pensar o futuro: a poética do movimento nos Estudos. Alea, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 192-209, maio-ago. 2016.

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1517-106X/182-192

HALL, Stuart. Pensando a Diáspora: reflexões sobre a terra no exterior. In: Da Diáspora: identidades e mediações culturais (Org. Liv Sovik). Belo Horizonte: Editora UFMG, Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

GRAÚNA, Graça. Contrapontos da literatura indígena contemporânea no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2013.

LAMAS, Fernando. Os indígenas de Minas Gerais: guerra, conquista da terra, colonização e deslocamentos. Projeto História. São Paulo, v. 44, p. 227-257, 2012.

MANDAGARÁ, Pedro. Uma forma de ver as literaturas das mulheres indígenas. Suplemento Cultural do Diário Oficial do Estado de Pernambuco. Publicado em 06 de junho de 2018.

Disponível em: http://www.suplementopernambuco.com.br/artigos/2100-

uma-forma-de-ver-as-literaturas-das-mulheres. Acesso em: 08 jun. 2018.

MOITA LOPES, Luis Paulo da. Identidades fragmentadas: a construção discursiva de raça, gênero e sexualidade em sala de aula. Campinas: Mercado das Letras, 2002.

MUNDURUKU, Daniel. Mundurukando. São Paulo: Ed. do Autor, 2010.

OLIVIERI-GODET, Rita. Graça Graúna: a poesia como estratégia de sobrevivência. Revista Interfaces Brasil-Canadá. Florianópolis/Pelotas/São Paulo, v. 17, n. 3, 2017.

Disponível em: <https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/interfaces/article/download/>. Acesso em: 14 abr. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.15210/interfaces.v17i3.12569

ORTIZ, F. Contrapunteo cubano del tabaco y del azúcar. La Habana: Editorial de Ciencias Sociales, 1983.

POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara. São Paulo: Global, 2004.

POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara. 2 ed. Lorena: DM Projetos Especiais, 2018.

POTIGUARA, Eliane. Metade Cara, Metade Máscara. 3. ed. Rio de Janeiro: Grumin, 2018.

SCHNEIDER, Liane. Escritoras indígenas e a literatura contemporânea dos EUA. João Pessoa: Ideia, 2008.

Publicado
2018-12-19
Como Citar
da Costa, H. R., & de Melo, C. A. (2018). Identidades femininas indígenas em movimento na poética de Eliane Potiguara. Letrônica, 11(3), 361-374. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2018.3.31235