A igualdade em paradoxo: uma abordagem enunciativa

Palavras-chave: Enunciação, Igualdade, Formação nominal.

Resumo

Este estudo realiza uma análise semântica do termo igualdade. Utilizou-se como fundamento a teoria da enunciação de linha francesa, desenvolvida no Brasil por Guimarães (1995; 2002). A análise tomou como objeto textos jurídicos produzidos por ministros do Supremo Tribunal Federal, nos quais aparecem os usos da palavra igualdade. Os resultados da análise indicam que a significação dessa palavra não está fundamentada na relação “A igual a B”. Esse novo sentido está fundamentado na relação “A deve ser igual a B”. Assim, os ministros justificam a decisão de adotar cotas raciais nos processos de seleção para as universidades, no intuito de transformar em realidade esse novo conceito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Francisco Dias, Universidade Federal de Minas Gerais
Professor Titular da Faculdade de Letras da UFMG. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPQ.
Thalita Nogueira de Souza, Universidade Federal de Minas Gerais
Mestre em Linguística. Pesquisadora do Núcleo de Estudos da Enunciação (UNUNCIAR) da UFMG.

Referências

ACHARD, P. Memória e produção discursiva do sentido. In: ACHARD, P. et al. Papel da memória. Campinas: Pontes, 1999. p. 11-21.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. ADPF n. 186 SL/DF. Suspenção Liminar na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental. Relator: Min. Ricardo Lewandowski. 20 de julho de 2009. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/geral/verPdfPaginado.asp?id=400108&tipo=TP&descricao=ADPF%2F186>. Acesso em: fev. 2016.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Acórdão da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental. Brasília, 2014. 233 p. Disponível em: <http://redir.stf.djus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=6984693>. Acesso em: jan. 2016.

DIAS, L. F. Formações nominais designativas da língua do Brasil: uma abordagem enunciativa. Letras, Santa Maria, v. 23, n. 46, p. 11-22. jan./jun. 2013.

DIAS, L. F. Língua e nacionalidade no Brasil na primeira metade do século XX. Polifonia (UFMT), Cuiabá, v. 22, p. 11-31, 2015.

DIAS, L. F. Nomes de cidades de Mato Grosso: uma abordagem enunciativa, In: KARIM, T. M.; DI RENZO, A. M.; BRESSANIN, J. A.; KARIM, J. M. (Org.). Atlas dos nomes que dizem histórias das cidades brasileiras: um estudo semântico-enunciativo do Mato Grosso (Fase I). Campinas: Pontes, 2016. p. 33-49.

DIAS, L. F.; ZATTAR, N. O funcionamento do vocativo: uma abordagem da enunciação. Domínios de [email protected] Uberlândia, v. 11, n. 4, 2017. (no prelo)

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1986.

FREGE, G. Sobre o sentido e a referência. In: FREGE, G. Lógica e filosofia da linguagem. São Paulo: Cultrix/Ed. da USP, 1978. p. 59-86.

GUIMARÃES, E. Os limites do sentido. Campinas: Pontes, 1995.

GUIMARÃES, E. Semântica do acontecimento. Campinas: Pontes, 2002.

PÊCHEUX, M. [1982] Lecture et mémoire: projet de recherche. In: MALDIDIER, D. L’inquiétude du discours: textes de Michel Pêcheux. Paris: Éditions des Cendres, 1990. p. 285-293.

PÊCHEUX, M. [1983] Papel da memória. ACHARD, P. et al. Papel da memória. Campinas: Pontes, 1999. p. 49-57.

Publicado
2018-07-19
Como Citar
Dias, L. F., & Souza, T. N. de. (2018). A igualdade em paradoxo: uma abordagem enunciativa. Letrônica, 11(2), 181-191. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2018.2.28707