Águas que desenham Moçambique

  • Cláudia Mentz Martins FURG
  • Neiva Kampff Garcia (FURG)
Palavras-chave: Mia Couto, Poesia, Águas moçambicanas.

Resumo

Nos poemas escritos por Mia Couto, assim como na sua produção literária em geral, verificamos a presença da água como um fio condutor. Em nossa percepção, a água é símbolo e/ou metáfora de múltiplos sentidos. Ela conduz o conhecimento, o tempo e a memória, renova e reestrutura a realidade do homem e do meio em que este vive. É o elemento transitório de que fala Gaston Bachelard, sendo ainda o símbolo cosmogônico da eternidade. Na poesia, em especial, se presencializa como personagem, cenário e tema. Sob a ótica do que designamos como águas moçambicanas, tomamos a produção poética do autor e constatamos que das águas eternas, passageiras, criadoras, destruidoras, reais ou simbólicas se nutrem vários poemas de Mia Couto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Mentz Martins, FURG
Professora Adjunta do Instituto de Letras e Artes da Universidade Federal do Rio Grande
Neiva Kampff Garcia, (FURG)
Pesquisadora do GP "Literatura, Imaginário e Poéticas da Contemporaneidade"

Referências

BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BRUGIONI, Elena. Mia Couto: representação, história[s] e pós colonialidade. Vila Nova de Famalicão, PT: Húmus, 2012.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alan. Dicionário de símbolos. 10. ed. Coordenação de Carlos Sussekind. Tradução de Vera da Costa e Silva et al. Rio de Janeiro: José Olympio, 1996.

COUTO, Mia. Cronicando. 7. ed. Lisboa: Caminho, 2003c.

COUTO, Mia. E se Obama fosse africano? e outras interinvenções. 2. ed. Lisboa: Editorial Caminho, 2009.

COUTO, Mia. Estórias abensonhadas. 7. ed. Lisboa: Caminho, 2003a.

COUTO, Mia. Jornal Expresso, Portugal. 12.04.2015. Disponível em: <http://expresso.sapo.pt/cultura/mia-couto-o-conto-que-ele-escreveu-para-o-expresso=f918758>. Acesso em: 12 set. 2017.

COUTO, Mia. Idades cidades divindades. 1. ed. Lisboa: Caminho, 2007.

COUTO, Mia. O outro pé da sereia. São Paulo: Companhia das Letras, 2006a.

COUTO, Mia. Pensageiro frequente. 3. ed. Lisboa: Caminho, 2010.

COUTO, Mia. Poemas escolhidos. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

COUTO, Mia. Raiz de orvalho. 1. ed. Maputo: Cadernos Tempo, 1983.

COUTO, Mia. Raiz de orvalho e outros poemas. 3. ed. Lisboa: Caminho, 1999.

COUTO, Mia. Repensar o pensamento, redesenhando fronteiras. In: MACHADO, Cassiano Elek (Org.). Pensar a cultura. Série Fronteiras do Pensamento. Vol. 1. Porto Alegre: Arquipélago, 2013. p. 195-206.

COUTO, Mia. Tradutor de chuvas. 1. ed. Lisboa: Caminho, 2011.

COUTO, Mia. Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra. São Paulo: Companhia das Letras, 2003b.

COUTO, Mia. Vagas e lumes. 1. ed. Lisboa: Caminho, 2014.

COUTO, Mia. Vozes anoitecidas. 8. ed. Lisboa: Caminho, 2006b.

GIRON, Luís Antônio. Mia Couto: “O português do Brasil vai dominar”. Revista Época, 18.04.2014. Disponível em: < http://epoca.globo.com/ideias/noticia/2014/04/bmiacoutob-o-portugues-do-brasil-vai-dominar.html>. Acesso em: 12 set. 2017.

LABAN, Michel. Encontro com escritores. III v. Porto: Fundação Eng. António de Almeida, 1998.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Tradução de Olga Savary. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

SECCO, Carmen Lucia Tindó Ribeiro. Mia Couto e a “incurável doença de sonhar”. In: SEPÚLVEDA, Maria do Carmo; SALGADO, Maria Tereza. África & Brasil: letras e laços. São Caetano do Sul, SP: Yendis, 2006. p. 267-298.

Publicado
2018-06-27
Como Citar
Martins, C. M., & Garcia, N. K. (2018). Águas que desenham Moçambique. Letrônica, 11(1), 30-44. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2018.1.28690