Variação discursiva e gramaticalização: o controle de condicionamentos semântico-pragmáticos e o princípio da persistência

Palavras-chave: Variação discursiva, Gramaticalização, Princípio da persistência

Resumo

À luz da sociolinguística variacionista e de estudos sobre a gramaticalização, considero os conectores sequenciadores e, aí e então como variantes da variável discursiva “sequenciação retroativo-propulsora de informações”. Os dados são oriundos de 24 entrevistas sociolinguísticas provenientes do Banco de Dados FALA-Natal. Tenho os seguintes objetivos: (i) analisar os padrões de distribuição dos conectores sequenciadores e, aí e então quanto a um grupo de fatores de natureza semântico-pragmática; (ii) relacionar indícios diacrônicos referentes ao processo de gramaticalização sofrido por cada conector a seus padrões de distribuição sincrônica. Os resultados revelam que o grupo de fatores “relação semântico-pragmática” é bastante significativo no condicionamento da variável discursiva investigada. Com base nesses resultados, observei que o uso  dos conectores sequenciadores parece ser motivado pelo princípio da persistência, uma vez que esses conectores são, em geral, favorecidos por relações semântico-pragmáticas que manifestam alguns traços em comum a suas fontes diacrônicas de gramaticalização. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Alice Tavares, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Doutorado em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora associada II do Departamento de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e da Pós-Graduação em Estudos da Linguagem da mesma instituição.

Referências

ABREU, Maria Teresa V. Elementos conjuntivos: sua variação em narrativas orais e escritas. 1992. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1992.

Alphonse X – Primeyra Partida. Edição e estudo de José de Azevedo Ferreira. Braga, Instituto Nacional de Investigação Científica. 1980. p. 120-123, 144, 409-414. (Obra do século XIV).

ANDRADE, Maria Lúcia C. V. O. Digressão: uma estratégia na condução do jogo textualinterativo. In: KOCH, Ingedore V.; BARROS, Kasue S. M. (Org.). Tópicos em linguística de texto e análise da conversação. Natal: EDUFRN, 1997. p. 180-184.

AUTRAN DOURADO, Valdomiro Freitas. O risco do bordado. 3. ed. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1974. (1. ed.: 1970).

BARRETO, Therezinha M. M. Gramaticalização das conjunções na história do português. 1999. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1999.

CHESHIRE, Jenny. Discourse variation, grammaticalisation and stuff like that. Journal of Sociolinguistics, v. 11, n. 2, p. 155-193, 2007. https://doi.org/10.1111/j.14679841.2007.00317.x

Crónica Geral de Espanha de 1344. Edição crítica de Luís Filipe Lindley Cintra. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1990. (Obra do século XIV).

CUNHA, Antônio G. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

D’ARCY, Alexandra; HADDICAN, Bill; RICHARDS, Hazel; TAGLIAMONTE, Sali; TAYLOR, Ann. Asymmetrical trajectories: the past and present of –body/-one. Language Variation and Change, v. 25, p. 287-310, 2013. https://doi.org/10.1017/S0954394513000148

FREITAG, Raquel Meister K. et al. Gramática, interação e ensino de língua materna: procedimentos discursivos na fala de Itabaiana/SE. Interfaces Científicas (Educação), v. 1, n. 3, p. 71-84, 2013.

Foro Real de Afonso X. Edição e estudo linguístico de José de Azevedo Ferreira. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1987. (Tradução do foro espanhol feita nos fins do século XIII ou início do século XIV).

GÖRSKI, Edair; GIBBON, Adriana de Oliveira; VALLE, Carla Regina M.; DAL MAGO, Diane; TAVARES, Maria Alice. Fenômenos discursivos: resultados de análises variacionistas como indícios de gramaticalização. In: RONCARATI, Claúdia; ABRAÇADO, Jussara (Org.). Português brasileiro: contato linguístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: 7Letras, 2003. p. 106-122.

GUY, Gregory Riordan; ZILLES, Ana Maria Stahl. Sociolinguística quantitativa: instrumental de análise. São Paulo: Parábola, 2007.

HOPPER, Paul J. On some principles of grammaticization. In: TRAUGOTT, Elizabeth C.;

HEINE, Bernd (Ed.). Approaches to grammaticalization. Amsterdam: John Benjamins, 1991. Vol. 1. p. 17-35.

_HOPPER, Paul J.; TRAUGOTT, Elizabeth C. Grammaticalization. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

ITO, Rika; TAGLIAMONTE, Sali. Well weird, right dodgy, very strange, really cool: layering and recycling in English intensifiers. Language in Society, v. 32, p. 257-279, 2003.

LABOV, William. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008 [1972].

LEVEY, Stephen; GROULX, Karine; ROY, Joseph. A variationist perspective on discoursepragmatic change in a contact setting. Language Variation and Change, v. 25, p. 225-251, 2013. https://doi.org/10.1017/S0954394513000100

Livro das Aves. Edição crítica de Jacira Andrade Mota, Rosa Virgínia Mattos e Silva, Vera Lúcia Sampaio e N. Rossi. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro/MEC, 1965. (Obra do século XIV).

MARTELOTTA, Mário E. T. Os circunstanciadores temporais e sua ordenação: uma visão funcional. 1994. 238 fls. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1994.

PICHLER, Heike. Methods in discourse variation analysis: reflections on the way forward. Journal of Sociolinguistics, v. 14, n. 5, p. 581-608, 2010. https://doi.org/10.1111/j.1467- 9841.2010.00455.x

______. The structure of discourse-pragmatic variation. Amsterdam: John Benjamins, 2013.

PICHLER, Heike; LEVEY, Stephen. In search of grammaticalization in synchronic dialect data: general extenders in northeast England. English Language and Linguistics, v. 15, n. 3, p. 441-471, 2011. https://doi.org/10.1017/S1360674311000128

POPLACK, S. Grammaticalization and linguistic variation. In: NARROG, Heiko; HEINE, Bernd (Ed.). The Oxford handbook of grammaticalization. Oxford: Oxford University Press, 2011. p. 209-224. https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780199586783.013.0017

RAMAT, Anna Giacalone; MAURI, Caterina. The grammaticalization of coordinating interclausal connectives. In: NARROG, Heiko; HEINE, Bernd (Ed.). The Oxford handbook of grammaticalization. Oxford: Blackwell, 2011. p. 656-667.

RISSO, Mercedes Sanfelice. O articulador discursivo “então.” In: CASTILHO, Ataliba T.; BASÍLIO, Margarida (Org.). Gramática do português falado. Campinas: UNICAMP/FAPESP, 1996. Vol. IV. p. 423 -451.

Sankoff , David; Tagliamonte , Sali A.; Smith , Eric. Goldvarb X: a multivariate analysis application. Toronto: Department of Linguistics; Ottawa: Department of Mathematics. 2005.

SANTOS, Leonor W. Articulação textual na literatura infantil e juvenil. Rio de Janeiro: Lucerna, 2003.

SCHIFFRIN, Deborah. Discourse markers. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

SILVA, Giselle M. de Oliveira; MACEDO, Alzira V. T. Análise sociolinguística de alguns marcadores conversacionais. In: MACEDO, Alzira V. T.; RONCARATI, Claúdia; MOLLICA, Maria Cecília (Org.). Variação e Discurso. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. p. 11-49.

______. Os marcadores conversacionais em português. Rio de Janeiro, UFRJ, 1992. Impresso.

SILVEIRA BUENO, Francisco. Grande dicionário etimológico-prosódico da língua portuguesa. São Paulo: Saraiva, 1965.

SOUZA, Laralis N. E, AÍ e ENTÃO: uma questão de complexidade. In: Anais da XVIII Semana de Humanidades, UFRN, Natal, 2010.

STEINBECK, John. As Vinhas da Ira. Tradução brasileira por Ernesto Vinhaes e Herbert Caro. Porto Alegre: Livraria do Globo, 1940.

TAGLIAMONTE, Sali A. Analysing sociolinguistic variation. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

______. Variationist sociolinguistics: change, observation, interpretation. Cambridge: Wiley-Blackwell, 2012.

TAGLIAMONTE, Sali A.; D’ARCY, Alexandra. Peaks beyond phonology: adolescence, incrementation, and language change. Language, v. 85, n. 1, p. 58-107, 2009. https://doi.org/10.1353/lan.0.0084

TAVARES, Maria Alice. Um percurso de abstração gradual: então nos séculos XIV, XVI, XVIII e XX. Afrikasien Brasilien Portugal. Zeit schrift zur portugiesisch sprachigen Welt, v. 2 p. 81-92, 2000.

______. Condicionamentos linguísticos e sociais sobre a sequenciação de informações no português oral d’aquém e d’além mar: mudança em progresso? SIGNUN: Estudos da Linguagem, v. 6, n. 2, p. 219-251, 2002.

______. A gramaticalização de E, AÍ, DAÍ e ENTÃO: estratificação/variação e mudança no domínio funcional da sequenciação retroativo-propulsora de informações – um estudo sociofuncionalista. 2003. 411 fls. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

______. Gramática emergente: recorte de uma construção gramatical. In: SOUZA, E. R. F. (Org.). Funcionalismo linguístico: análise e descrição. São Paulo: Contexto, 2012a. p. 33-51.

______. E em cartas escritas por Câmara Cascudo: primeiras considerações versando o conector E. In: MARTINS, Marco Antonio; TAVARES, Maria Alice (Org.). História do português brasileiro no Rio Grande do Norte: análise linguística e textual da correspondência de Luis da Câmara Cascudo a Mário de Andrade – 1924-1944. Natal: EDUFRN, 2012. p. 265-292.

______. A gramaticalização de E, AÍ, DAÍ e ENTÃO: variação e mudança em uma perspectiva sociofuncionalista. Natal: EDUFRN, 2014.

______. Variação e gramaticalização na indicação da SRPI: um estudo sociofuncionalista comparativo. Relatório de pesquisa. Impresso. 2015.

______. Banco de Dados FALA-Natal (BDFN). Departamento de Letras, UFRN, 2016.

Banco de dados aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFRN. CAAE: 11652312.2.0000.5537.

TORRES CACOULLOS, Rena. Variation and grammaticalization. In: DÍAZ -CAMPOS, M. (Ed.). The handbook of Hispanic sociolinguistics. Oxford: Wiley-Blackwell, 2011. p. 148-167.

WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. São Paulo: Parábola, 2006 [1968].

Publicado
2017-12-27
Como Citar
Tavares, M. A. (2017). Variação discursiva e gramaticalização: o controle de condicionamentos semântico-pragmáticos e o princípio da persistência. Letrônica, 10(1), 187-199. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2017.1.25079